4 de agosto de 2013

Joaquim Mesquita: cai homicídio no Entorno do DF e em Aparecida de Goiânia


O Entorno do Distrito Federal e Aparecida de Goiânia registraram redução no número de homicídios no mês de julho de 2013, quando comparado ao mesmo período do ano passado. O índice de Goiânia, embora tenha tido leve aumento, apresentou-se estável. Enquanto a projeção estatística com base nos dados de criminalidade era de que aumentasse esse valor em torno de 25%, o crescimento foi em cerca de 2%. A quantidade de bairros da capital em que houve assassinatos diminuiu desde 2011. Em 2013, dos 692 bairros da capital, 573 não registraram mortes desse tipo. Os dados foram apresentados nesta sexta-feira, dia 2, pelo secretário de Segurança Pública, Joaquim Mesquita, na sede da Secretaria de Segurança Pública (SSP).

“O ideal é que de fato não tivéssemos crimes, não tivéssemos homicídios, não tivéssemos mortes, mas isso infelizmente está longe de ocorrer, não só na cidade de Goiânia como também   em todo o nosso País e talvez no mundo”, comenta Mesquita. Confira o áudio do secretário .  A SSP verificou estabilidade no número de homicídios, quando comparados os períodos de janeiro a julho de 2012 e 2013. “O nosso esforço, agora nestes meses finais do ano de 2013 é para manter essa estabilidade e ver se conseguimos alcançar uma redução em relação a 2012”, pontua.

Os dados apresentados nesta sexta-feira, dia 2, confirmam a tendência de redução no número de homicídios na Região do Entorno de Brasília, que era uma região crítica, e também na cidade de Aparecida de Goiânia. No mês de julho nós tivemos um forte decréscimo no número de homicídios nessas duas regiões. A cidade de Goiânia registrou homicídios acima do notificado no mês de junho de 2013 e também do mês de junho de 2012. No entanto, quando analisamos os dados consolidados de janeiro a julho de 2013, comparando com janeiro a julho de 2012, é perceptível a estabilidade. Escute a análise do secretário sobre os dados.

O secretário de Segurança avalia que as ações da Secretaria de Segurança Pública em conjunto com a Polícia Militar e a Polícia Civil estão produzindo efeito. “Os dados ainda são elevados. Não há qualquer dúvida em relação a isso, mas em relação às expectativas que havia no final de 2012 e no início de 2013 de forte crescimento na cidade de Goiânia, esses dados não se confirmaram e mostram a estabilidade. E agora, nosso esforço e nosso trabalho é para que  consigamos no mínimo manter esse trabalho e quem sabe alcançar uma redução, quando compararmos com igual período de 2012”, destaca Joaquim Mesquita. Acesse a íntegra da explicação sobre ações desenvolvidas.

Mapeamento
A SSP identificou a partir da análise de dados as principais áreas de ocorrência de homicídios em Goiânia. Eles estão concentrados. Dos 692 bairros da capital, em 573 não houve homicídios no primeiro semestre de 2013. Isso corresponde a cerca de 83% dos bairros da cidade. A concentração de homicídios está em 119 bairros, que representam 17% do total. A análise desde 2011 revela que a cada dia que passa, um número maior de bairros da cidade de Goiânia não tem registrado homicídios. “Em 2011 nós tínhamos homicídios registrados em 174 bairros e em 508, nenhum registro de homicídio. Já em 2013 nós temos os homicídios concentrados em 119 bairros e 573 também sem nenhum registro de homicídios”. Ouça o detalhamento desse mapeamento pelo secretário.

A partir desse mapeamento, a Secretaria pode otimizar o trabalho das polícias. Foi ampliada a integração entre as Polícias Civil e Militar, por meio das Áreas Integradas de Segurança (AIS). “Nós definimos que a Polícia Militar e a Polícia Civil devem trabalhar cada vez mais integradas,  devem analisar os dados estatísticos de criminalidade e devem, ainda, orientar as suas ações buscando saturar as áreas de maior ocorrência criminal. Isso vem sendo feito com a implantação das regiões integradas de Segurança Pública e das Áreas Integradas de Segurança Pública”, descreve Joaquim Mesquita.

Exemplo disso já ocorre na Região Noroeste, em que há alguns meses foi implantada a primeira AIS. O local teve a maior redução quantitativa percentual no número de homicídios da capital. De 12,17% a cada 100 mil habitantes registrados no primeiro trimestre de 2012, o índice caiu para 9,49% no segundo trimestre de 2013. Isso mostra que o modelo deu certo e deve ser ampliado para as demais regiões. “O nosso esforço agora é consolidar a implantação desse modelo em toda a cidade de Goiânia e todas as demais áreas integradas de Segurança Pública e ampliar o modelo para o restante do Estado, para que nós possamos atuar cada vez mais com maior eficiência, com maior efetividade e com maior inteligência. O que nós estamos fazendo é alcançar melhores resultados com os mesmos ou com menos meios”, argumenta o secretário.

Ele lembra que em função de aposentadorias e exonerações, hoje a SSP tem menos policiais do que em 2012. Para suprir essa redução, há concursos públicos em andamento e processos seletivos como o Serviço Militar Voluntário Estadual. A partir de setembro haverá o ingresso de 1,3 mil reservistas. Em outubro começa o curso de formação da Polícia Civil de agentes, escrivães e delegados, e em novembro/dezembro o curso de 1.180 policiais militares. O objetivo é permitir uma atuação mais efetiva e alcançar a redução dos índices de criminalidade em todo o Estado. Escute a explicação do secretário sobre as ações realizadas.

Resolutividade
Dos 58 homicídios  registrados em Goiânia no mês de julho, 25 tiveram a autoria definida e estão em condições de serem apresentados ao Poder Judiciário. Outros 10 têm indícios relevantes de autoria. “É um percentual de resolutividade, de esclarecimento, de identificação de autoria muito alto, sobretudo quando nós levamos em conta que estes crimes se deram há pouco menos de 30 dias”, ressalta Joaquim. Escute a íntegra da avaliação sobre a conclusão dos inquéritos .

Transparência
Goiás é o Estado que divulga os seus dados de criminalidade com maior rapidez, segundo o secretário. “Nós estamos divulgando hoje, dia 2, os dados de julho. Nenhum estado, vocês podem consultar, haverá de ter essas informações com essa rapidez. Isso demonstra transparência, demonstra compromisso, demonstra preocupação em fazer as coisas às claras e valer-se dos dados e das informações para orientar as ações policiais”, afirma Joaquim.

O secretário explica que a SSP sistematicamente divulga os dados e relatórios. E está inovando, publicando os relatórios desde 2011 referentes a Goiânia, dividindo pelas sete Áreas Integradas de Segurança Pública. “Isso permite identificar exatamente o percentual de ocorrências de crimes de homicídio em cada uma das regiões e naturalmente permite estudos sociológicos, estudos acadêmicos; acompanhamento da sociedade civil organizada com esses dados; cobrança por políticas públicas que eventualmente possam contribuir para a redução desses índices de criminalidade; maior cobrança pela efetividade da atuação policial; e, sobretudo, para o direcionamento por parte da Polícia Militar e Polícia Civil, focalizado em relação às suas ações buscando prevenir e reprimir a ocorrência do crime de homicídio”, conclui Mesquita.

Fonte: Goiás Agora