15 de agosto de 2013

Goiás vai receber 103 médicos, 24 do exterior


Número de vagas preenchidas equivale a apenas 18% da demanda das cidades goianas. Estado pediu 564 médicos, mas 24 cidades foram atendidas até então.

A previsão no início do mês de que 117 médicos seriam encaminhados a Goiás no programa federal Mais Médicos teve ontem a confirmação de um número mais modesto, pelo Ministério da Saúde. Ao todo, no fechamento do primeiro mês de seleção do programa, o Estado receberá 103 profissionais – 79 brasileiros e 24 estrangeiros – encaminhados para 24 municípios. O número de cidades também caiu, sendo previstas inicialmente 30 na primeira semana de agosto. A previsão é de que os médicos comecem a atuar em setembro, os brasileiros no início do mês e estrangeiros, na segunda quinzena do mês.

Goiânia, como se previa, segue como a cidade a receber o maior número de médicos – 40 no total, sendo todos brasileiros. Em seguida, vem Aparecida de Goiânia e Trindade, as duas com o recebimento de 12 profissionais. A diferença é que enquanto Aparecida terá do programa oito médicos brasileiros e quatro estrangeiros, Trindade contará com seis médicos brasileiros e 6 estrangeiros (veja quadro).

Um total de 12 cidades, além de Goiânia, integra a região metropolitana da capital. Outras 11 cidades são classificadas como de extrema pobreza. A nacionalidade dos médicos estrangeiros que serão empregados no Estado ainda não foi divulgada. O número de vagas preenchidas equivale a somente 18,2% da demanda dos municípios do Estado, que apontaram a necessidade de 564 médicos para completar seus quadros na atenção básica do Sistema Único de Saúde (SUS).

Em todo o Brasil, o balanço do primeiro semestre do programa confirmou 1.618 médicos credenciados, sendo que 1.096 já atuam no Brasil, 358 são estrangeiros e 164 são brasileiros graduados no exterior. Os profissionais atuarão em 579 municípios e 18 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dseis). A maioria (67,3%) dessas regiões está em áreas de extrema pobreza e distritos de saúde indígena. As demais 32,7%, em periferias de capitais e regiões metropolitanas.

“Ao fecharmos esta etapa, chama a atenção o aumento do número de municípios contemplados, sobretudo o deslocamento para o interior e região de fronteira, que passarão a ser ocupadas com a entrada dos médicos estrangeiros”, afirmou ontem o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Segundo ele, o Ministério da Saúde continuará estimulando a ida de médicos brasileiros para regiões carentes.

Dos 782 municípios, sobretudo no Norte e Nordeste, que não despertaram o interesse de brasileiros, 79 tiveram vagas preenchidas principalmente por médicos formados no exterior. Nacionalmente, o desempenho do primeiro mês do Mais Médicos cobriu 10,5% da demanda apresentada pelos 3.511 municípios que aderiram ao programa e apontaram a existência de 15.460 vagas nas unidades básicas de saúde. Mais de 1.096 cidades prioritárias não receberão profissionais neste momento, de um total de 2.032 que ficaram de fora. Para continuar estimulando o preenchimento destes postos, o Ministério da Saúde abre inscrições para a segunda seleção mensal para médicos brasileiros e estrangeiros na próxima segunda-feira (19). Também será permitida a entrada de novos municípios no programa.

Os municípios do Nordeste tiveram a maior cobertura de profissionais do Mais Médicos, com 261 cidades com profissionais confirmados. Em seguida, vêm as regiões Sul (103), Sudeste (101), Norte (78) e Centro-Oeste (36). Dos 18 distritos indígenas que receberão médicos, 15 estão no Norte, 1 no Nordeste e 2 no Centro-Oeste.

Considerando a quantidade de médicos alocados, o Estado com maior número é a Bahia, com 144 profissionais, seguida de São Paulo (134), Rio Grande do Sul (119), Ceará (117), Goiás (103), Minas Gerais (101), Paraná (98), Amazonas (88), Pernambuco (84) e Rio de Janeiro, com 70 médicos.

Fonte: Jornal O Popular