15 de agosto de 2013

E se a Copa tivesse vindo para Goiânia?


A cidade é uma barafunda completa e o fato inegável é que não está preparada para sediar nem torneio de truco. Eventos como a Copa do Mundo, então, devem guardar distância de Goiânia.

Aqui, duas BRs que atravessam o Brasil de norte a sul passam dentro da zona urbana, cortam a cidade ao meio. Se uma carreta derrama um litro de combustível no asfalto é motivo para cinco horas de engarrafamento, não do álcool espalhado, mas de milhares de veículos. As rodovias se assemelham tanto a ruas que por suas pistas circulam pedestres e caminhões com 50 toneladas, carroças e limusines, cavaleiros e ciclistas. Essa bagunça resulta em acidentes e mortes, atropelamentos e amputações de braço, crimes e impunidade.

Aqui, a obra de um viaduto prejudica 250 mil pessoas. Quando estão quatro viadutos em construção, faça as contas e viva-se com um barulho desses. Falar em barulho, a poluição sonora é um caso de polícia, a polícia se associa com a prefeitura e ambas não resolvem coisa alguma. A poluição visual é um caso perdido, que se complica a cada dia, com mais painéis imensos e iluminados ofuscando a cidade inteira. A poluição dos mananciais é um escândalo que não escandaliza a mais ninguém. A poluição do ar piora com o milhão de carros dos goianienses e outros milhares dos visitantes.

Aqui, ninguém move um músculo para resolver. As máfias se eternizam. Os sonegadores se enriquecem. Os malfeitores estão à solta. E não adianta xingar, pois ninguém vai ouvir devido à poluição sonora. Não adianta procurar a Guarda Municipal nem a Agência de Meio Ambiente porque elas não combatem nem as formigas dos parques, quanto mais os infratores. É inútil procurar o Detran, a menos que esteja com o dinheiro na mão. Como dinheiro na mão é vendaval, é bobagem ligar o 190, porque a Polícia Militar tem mais o que fazer, como, por exemplo, ficar parada no quartel; a Polícia Civil tem mais o que fazer, notadamente agora, que está em greve; a Guarda Municipal tem mais o que fazer, como olhar o corpo das mulheres que desfilam nos parques. Por falar em corpo, o Corpo de Bombeiros tem mais o fazer, como nadar na Irlanda.

Se algum turista estiver planejando a viagem para Goiânia nos dias da Copa, vai desistir à primeira pesquisa. A menos que seja masoquista. Melhor ainda, que seja sadomasoquista, porque já aproveita, transfere o título e faz campanha para quem deixou as coisas chegarem a esse ponto. Ah, por falar em ponto, os pontos de ônibus também não têm abrigo... Truco! Ladrão! Pega!

Fonte: Portal 730