2 de julho de 2013

Segundo a polícia cerca de 500 pessoas foram às ruas de Goiânia



Organizadores do protesto contabilizam 3 mil, a manifestação desta segunda-feira foi em maior parte pacífica, mas teve incidentes

Goiânia teve um novo dia de protestos, nesta segunda-feira (1º). Segundo a Polícia Militar, cerca de 500 pessoas percorreram as ruas do centro da capital para reivindicar melhorias nas áreas de saúde, educação, transporte público, contra a corrupção, além de exigir a reforma política. Os organizadores do manifesto contabilizam ao menos 3 mil participantes.

A manifestação começou às 17h, durou mais de quatro horas e foi pacífica na maior parte do tempo. O grupo se reuniu na Praça do Bandeirante e fechou o cruzamento das avenida Goiás com Anhanguera. Vários passageiros tiveram que descer do ônibus e seguir  a pé, já que o Eixo não conseguia cruzar a avenida Goiás.

No fim do protesto, o clima ficou tenso várias vezes entre manifestantes e policiais, mas não houve confronto. Segundo a PM, 10 pessoas foram detidas por suspeita de atos de vandalismo e dano ao patrimônio particular.

Da Praça do Bandeirante, os manifestantes subiram a Av. Goiás em passeata e no cruzamento da Praça Cívica com a Av. 85, os manifestantes sentaram no chão bloqueando o trânsito. Depois subiram a Av. 85 até o viaduto da Praça do Ratinho, gritando palavras de ordem. No viaduto na Praça do Ratinho por orientação dos organizadores do protesto, os ativistas desceram a Rua 134, no Setor Sul e retornaram para a Av. 85. Após voltar à Praça Cívica uma grande parte dos manifestantes seguiram para a Assembléia.

A PM reforçou a segurança em frente a Assembleia Legislativa. O local havia sido alvo de uma manifestação nesta manhã, quando houve confronto entre ativistas e seguranças da Casa durante a votação da revisão do Código Florestal de Goiás, que acabou suspensa. Também foi palco de um confronto entre a PM e manifestantes no ato do dia 21 de junho. Mas dessa vez, não houve confusão.

O grupo ficou mais de meia hora na porta da Assembléia, a polícia fez um cordão de isolamento nas imediações do prédio, mas não ouve confronto. Os incidentes começaram quando os manifestantes retornaram à Praça Cívica. O cruzamento da Praça Cívica com a Rua 10 foi bloqueado e uma motorista que tentou furar o bloqueio teve o carro apedrejado. A condutora só conseguiu deixar o local com a ajuda da polícia.

No mesmo cruzamento, um ônibus do transporte coletivo foi apedrejado e o extintor do veículo foi disparado, espalhando fumaça na rua. Após os incidentes a cavalaria foi acionada para conter os manifestantes. Devido à tensão gerada pela ação da polícia a maior parte do grupo se dispersou.

Fonte: Jornal O Hoje