26 de junho de 2013

Maior shopping de Goiás marca inauguração para 4º trimestre e promete atender área de influência de 1,6 milhão de pessoas






Executivos do Grupo Sonae Sierra, uma das principais proprietárias, desenvolvedoras e administradora de shoppings centers no Brasil, promoveram na manhã de ontem, a entrega das chaves para os lojistas do Passeio das Águas, que será o maior shopping de Goiás. Localizado na junção das avenidas Perimetral e Goiás Norte, o empreendimento tem 180 mil metros quadrados de área construída e promete gerar mais de 6.300 empregos diretos após a inauguração, prevista para o 4° trimestre deste ano. Na ocasião, o grupo representado pelos portugueses José Baeta Tomás, CEO (Chef Executive Office) da Sonae Sierra e Joaquim Manuel Cantista, diretor de projetos arquitetônicos da empresa, fez um tour local apresentando as novidades arquitetônicas do lugar.

De acordo com a assessoria de imprensa do Sonae Sierra, o projeto do Passeio das Águas adota soluções ecoeficientes na sua construção visando redução de consumo de energia e água. Por exemplo, no teto dos corredores do shopping existem conchas acústicas que além de reduzir o ruído, e consequentemente a poluição sonora, ainda funcionam como clarabóias, privilegiando a luminosidade natural.

"A sustentabilidade é um dos pilares da empresa", de acordo com José Tomás. O empresário explica que este e outros empreendimentos do grupo obedecem a rígidas diretrizes estabelecidas pelo sistema de gestão ambiental da empresa, segundo ele, com uma perspectiva até mais exigente que a própria lei.

Outro diferencial apontado pelo empresário como um dos aspectos mais inovadores do complexo mercantil é a concretização do conceito de "Living Mall", um local que represente uma fronteira de conexão entre o real e o virtual. Soluções arquitetônicas e urbanísticas foram direcionadas para a criação de uma ambiente tecnológico que suporte, não apenas a família tradicional, mas todos os públicos, de forma a integrar seus estilos de vida diversos. José Tomás explica que o objetivo é fazer do Passeio das Águas mais do que um centro comercial. A intensão é que se consolide ali um pólo de convívio social.

Dentro desta lógica, todo o paisagismo da praça de alimentação é voltado para integrar ambiente interno e externo com uma fachada totalmente envidraçada de 20m. Elementos como jardinários e lagos compõem o urbanismo do projeto arquitetônico assinado pela equipe Conceptual Design & Architecture, da Sonae Sierra de Portugal, além de algumas surpresas tecnológicas reservadas para a inauguração, de acordo com o empresário Joaquim Manuel Cantista.

Os restaurantes estarão localizados em uma área externa de acesso direto as quatro mil vagas de estacionamento. Vagas para automóveis elétricos com postos de carregamento, além de dois bicicletários cobertos com capacidade para mais de 200 bicicletas e um vestiário para os ciclistas, são exemplos do perfil inovador do novo Mall.

Inauguração

A previsão para abertura do shopping é de quatro meses. Segundo José Tomás, a abertura das lojas será gradual porque sua instalação é um pouco mais lenta. Ele adianta que a os cinemas são a primeira unidade em obras e que a empresa Cinemark está preparada para contruir sete salas de projeção.

Localizado na região norte da Capital o empreendimento deve atrair também a população de Trindade, Goianira, Senador Canedo e Aparecida de Goiânia, em um total de 1,6 milhão de habitantes sob sua área de influência. "Este será um shopping regional. Que pretende atingir uma área de abrangência alargada até mesmo pela dimensão da empreitada e pela grande capacidade de entretenimento. Pesquisas quantitativas e comportamentais, que para mim são as mais importantes, foram realizadas na região para saber o que as pessoas querem quando vão consumir ou buscar uma opção de lazer", comenta o CEO.

A pretensão de grande abrangência não se limita à perspectiva geográfica. Todas as classes sociais (principalmente a B e C) são alvo deste empreendimento que promete esquentar o mercado imobiliário das regiões norte e noroeste de Goiânia. O investimento do grupo na construção do shopping, que é o primeiro da empresa na região Centro-Oeste, foi da ordem de R$ 384 milhões.

De acordo com o economista Aurélio Troncoso, coordenador do Centro de Pesquisas da Faculdade Alpha e superintendente do Instituto Mauro Borges, a vinda do Shopping vai elevar a qualidade de vida das regiões beneficiadas. Ele esclarece que as regiões norte e noroeste são as que mais crescem na cidade. "Mesmo porque não tem mais para onde Goiânia crescer", arremata. "Um empreendimento monstruoso como este tem tudo para dar certo. Quando instalado, o shopping vai movimentar a área comercial do entorno, gerando um boom imobiliário que ainda não começou. Por isso considero que são as melhores regiões para se investir no momento. Dentro de 4 ou 5 anos, não tenho dúvidas de que o local estará tão valorizado quanto o Parque Flamboyant", avalia.

Projeção que equivale à divulgada pelo grupo Sonae Sierra. "Nosso empreendimento é um equipamento de natureza social que com certeza vai trazer um grande movimento habitacional para a região, a exemplo de outros shoppings do grupo. Mas trata-se de um investimento a longo prazo. Dentro de 4 ou 5 anos pode apostar que a partida é certa", brinca.

O presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (CRECI), Oscar Hugo Monteiro Guimarães também acredita no aquecimento do mercado imobiliário local. Mas para ele tudo depende da qualidade oferecida pelo shopping. "De imediato, os funcionários do shopping vão começar a procurar moradia próxima ao local. Se não houverem muitas ofertas a tendência é dos valores é subir. Mas a valorização do setor ocorrerá mesmo se houver qualidade nos produtos e serviços. A tendência é de agregar valores nos imóveis da região", comenta o presidente.

Segundo o CEO da Sonae Sierra, este é o objetivo. "Sempre buscamos criar valores, para nós e para as cidades onde instalamos nossos investimentos. A intenção é gerar um pólo dinamizador urbanístico em Goiânia, uma cidade jovem e com alto potencial econômico". esclarece. José Tomás explica que esta é uma zona de crescimento e fronteira estratégica com números impressionantes como, por exemplo, um dos maiores PIBs nacionais. "Vir para cá é apostar num futuro que espelhe o passado da cidade", elogia.

Fonte: Diário da Manhã