1 de junho de 2013

Complexo do Serra Dourada poderá abrigar hotel e shopping


O Governo de Goiás pretende modernizar e ampliar o uso do Complexo do Estádio Serra Dourada, tornando-o uma arena multiuso composta de hotel, restaurantes, shopping, espaço automotivo, escolas, academias, entre outros equipamentos. Localizado numa área nobre de Goiânia, o Complexo do Serra Dourada, com área de 500 mil m², está atualmente subutilizado. A ideia é torná-lo um importante instrumento de apoio ao desenvolvimento do Estado, através de um projeto a ser executado por concessão à iniciativa privada.

A proposta foi debatida nesta terça-feira, dia 28, durante reunião em Goiânia, que contou com as presenças do secretário de Gestão e Planejamento, Giuseppe Vecci, do diretor do Estádio Serra Dourada, Itamir Campos Arantes Júnior, de empreendedores, representantes do meio esportivo e promotores de evento. Conforme Giuseppe Vecci, a intenção era ouvir as ideias de empreendedores e representantes de segmentos da sociedade que possam ser incorporadas pelo governo estadual. “As propostas preliminares precisam ser externalizadas ao Estado, tanto ao Conselho Estadual de Investimentos, Parcerias e Desestatização (Cipad/Segplan) quanto à Agel, de forma que possamos modernizar o uso desse espaço”, afirmou. Vecci ressaltou que a reunião era o pontapé inicial, numa referência ao futebol, a um projeto considerado prioritário pelo Governo.

Segundo Itamir Campos, diretor do Serra Dourada, hoje o estádio está subutilizado e tem potencial para melhor aproveitamento e arrecadação. “Queremos receber sugestões para que a gente possa dar melhor aproveitamento a essa área. O estádio está subutilizado. Podemos fazer com que ele arrecade mais, mas precisamos de mais investimentos para trazer maior conforto à população”, explicou.

Goiânia Arena

Vecci acrescentou que o Ginásio Goiânia Arena está sendo devolvido pela atual concessionária ao governo estadual e seu uso será integrado ao do Complexo do Estádio Serra Dourada, o que aumenta ainda mais as possibilidades de investimentos. Por enquanto, qualquer concessão no espaço de fora do estádio, como por exemplo a realização de feirão de veículos, deve ter prazo final até dezembro próximo para que seja desenhado e executado um projeto bem mais amplo de utilização do complexo.

O secretário Vecci disse ainda que mesmo Goiânia não sendo sede da Copa das Confederações ou da Copa do Mundo de Futebol de 2014, a capital tem um dos estádios mais modernos do País, capaz de sediar eventos internacionais, como foi o show do ex-beatle Paul McCartney. E, como o governo estadual não dispõe de recursos financeiros para tocar esse projeto, pretende firmar parceria com a iniciativa privada, por meio de concessão.

Para o diretor Itamir Campos (Gueroba), o esforço conjunto da Segplan e Agel visa otimizar a utilização do Complexo, garantindo aos cidadãos mais um local de visitação e lazer, além dos dias de jogos de futebol. Empresários e representantes de grupos de investidores presentes na reunião demonstraram interesse pelo projeto. O presidente do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil, Roberto Rolter, achou o espaço uma área viável para grandes investimentos. “Esta é uma área nobre que pode abrigar diversos tipos de equipamentos. Dando melhor uso para o estádio e para as áreas que englobam o complexo, tanto para shows, eventos, e esporte. Com certeza há interesse da iniciativa privada. Agora é encontrar a modelagem adequada”, ponderou Rolter.

A iniciativa do Governo do Estado em convocar uma reunião para tratar do assunto foi elogiada por Celso de Paula Silva Filho, da Porto Belo Engenharia, concessionária do Centro de Convenções de Goiânia. “ O que mais me chamou atenção é a disposição do Governo de ouvir, é a abertura e a forma como está sendo conduzido o processo, com transparência e disponibilidade para ouvir propostas e ideias. Acho que esta área é muito estratégica para Goiânia”, enfatizou o empresário.

Fonte: Goiás Agora