29 de junho de 2013

Prefeitura retoma Obras da Ciclovia da T-63


Obra faz parte do projeto de mobilidade urbana

A Prefeitura de Goiânia, por meio da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semob), retomou nesta quinta-feira, 27, as obras da ciclovia da Avenida T-63, serviços que integram o plano de mobilidade urbana.

Agora, a obra será executada no trecho que vai da ponte do Córrego Cascavel até a Praça da Nova Suíça. Segundo o titular da Semob, Luciano Henrique de Castro, mais de 100 servidores estão trabalhando nesta obra. “Por determinação do prefeito Paulo Garcia que nos cobrou agilidade neste serviço, mobilizamos essa quantidade de funcionários para que seja entregue o mais rápido possível”, explica o secretário.

Autor: Mariana Moraes ( Prefeitura de Goiânia)

Mitsubishi anuncia que ASX agora é feito em Goiás


Com investimentos de R$ 1,1 bilhão na fábrica de Catalão/GO, a Mitsubishi anuncia a produção do utilitário esportivo ASX. O crossover nipônico é oferecido com motor 2.0 16V com 160 cv e opção de transmissão automática CVT opção de mudanças atrás do volante. O modelo parte agora de R$ 83.490.

Ele recebeu melhorias na suspensão, molas e amortecedores na versão nacional. Agora também oferece rodas de liga leve aro 18 redesenhadas e novas cores: Vermelho Bordeaux, Verde Pantanal, Branco Alpino, Cinza Londrino, Prata Rodhium, Prata Técno e Preto Ônix.

Com tração dianteira ou integral, o Mitsubishi ASX oferece nove airbags, assistente de partida em aclive, sensores de chuva/estacionamento/crepuscular, entrada/partida sem chave e retrovisores com rebatimento automático.

O Mitsubishi ASX nacional ainda pode oferecer teto panorâmico, faróis de xenon com lavador, bancos em couro com aquecimento e regulagem elétrica (só condutor), entre outros. Além do ASX, a Mitsubishi deverá produzir os modelos e continuar a ampliação do chamado complexo Anhanguera, na cidade goiana.

Espera-se a montagem aqui dos modelos Lancer e Mirage, enquanto o recém-lançado Attrage é uma alternativa interessante, tornando os três diamantes acessíveis ao consumidor do segmento de entrada.

Abaixo, versões e preços do Mitsubishi ASX brasileiro:.

ASX MT 4×2 – R$ 83.490,00
ASX CVT 4×2 – R$ 89.490,00
ASX CVT AWD – R$ 99.990,00
ASX CVT AWD + TETO + XENON – R$ 105.990,00

Fonte: UsadosBr

Governo cria 'canal de diálogo' nas redes sociais para ouvir juventude


Medida foi anunciada nesta sexta-feira (28), após reunião da presidente Dilma Rousseff com movimentos ligados à juventude.

Diante das diversas demandas apresentadas por jovens que participam de manifestações em todo o País, o governo decidiu criar um “canal de diálogo” nas redes sociais na internet para ouvir a juventude, anunciou nesta sexta-feira a secretária nacional de Juventude, Severine Macedo.

“Precisamos ampliar e qualificar os espaços de participação e ouvir a opinião da juventude, e para isso estamos propondo a criação do observatório participativo, que será lançado sem ser na próxima semana, na outra, para que a gente possa ter um canal de diálogo permanente com os jovens, através das redes sociais, para consultas públicas e aprofundar o conteúdo acerca dos temas de juventude”, disse, após receber, no Palácio do Planalto, movimentos ligados à juventude, como as Uniões Nacional dos Estudantes (UNE) e Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes).

As redes sociais têm sido usadas como um dos principais ambientes de mobilização e convocação de protestos. De acordo com Severine, poderão ser discutidas no “observatório participativo” questões como o enfrentamento da violência nas periferias, educação e demandas dos jovens que vivem no campo.

“A nossa avaliação é fortalecer cada vez mais esse diálogo da Presidência (da República), da Secretaria-geral (da Presidência) e de todos os ministérios que têm pauta de juventude. Nosso entendimento é que as políticas sociais e universais são as que mais têm feito que a juventude hoje avance, mas suas especificidades precisam ser mais asseguradas. Daremos sequência a esse diálogo pelas redes sociais, mas também com momentos presenciais de elaboração, de acompanhamento e participação”, detalhou.

Segundo ela, o observatório servirá para abrir um canal de comunicação com jovens que não necessariamente pertençam a alguma organização social. “O observatório está aberto para o diálogo, para o jovem que quer opinar, ser consultado, discutir um tema da sua vida, sem, necessariamente, ter de ser eleito para um espaço de participação. Essa voz dele também será ouvida e sistematizada”, afirmou.

Fonte: Correio 24 Horas

Rumores de greve geral na 2.ª-feira circulam na internet


Rumores de que haverá uma grande paralisação no País começaram a circular nesta semana nas redes sociais na internet. A Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Estado de São Paulo e a Polícia Militar (PM) ainda não possuem nenhum tipo de estratégia ou esquema especial por conta do burburinho virtual. A página do grupo AnonymousBrasil, que possui mais de um milhão de seguidores, tem compartilhado banners com a 'chamada' para protestos às 17 horas, em todas as cidades do País.

De acordo com a assessoria da SSP, não há 'até o momento' nenhuma informação de passeata ou protestos na segunda-feira. A assessoria da PM também afirmou que 'como não há nada de concreto e confirmado, ainda não foi estabelecido nenhum esquema especial de segurança'.

O Movimento Passe Livre (MPL) em São Paulo, que promoveu sete protestos na capital paulista desde o dia 6, afirmou no dia 21 feira que não convocaria novas manifestações na cidade. Além disso, há diversos avisos de usuários do Facebook pedindo boicote à suposta greve e alertando que a paralisação seria convocada por 'oportunistas'. Muitos criticam que o primeiro evento no Facebook denominado 'Greve Geral', que chegou a ter milhares de seguidores e fazia referência ao ato de segunda-feira, teria sido feito por um internauta ligado a questões como a defesa do porte de armas. A falta de liderança explícita dos atos é o que tem causado incertezas sobre a ua realização.

Metrô

O Sindicato dos Metroviários da capital divulgou uma nota nesta sexta-feira afirmando que não participará de nenhuma paralisação na segunda-feira e que essa mobilização não tem caráter oficial. Segundo o sindicato, 'diante da falsa informação que circula nas redes sociais sobre uma possível greve geral, marcada para o dia 1.º de julho, segunda-feira, os metroviários, que desde abril tem participado de toda as mobilizações pela redução das tarifas dos transportes coletivos, informam que não vão parar no dia 1.º'. A entidade afirma ainda que a categoria fará uma assembleia na quinta-feira, 4, para discutir como será a participação dos metroviários no Dia Nacional de Luta, marcado para o dia 11, pelos sindicatos e centrais sindicais.

CUT

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) já havia divulgado nota na segunda-feira, 24, afirmando que 'nem a CUT nem as demais centrais sindicais, legítimas representantes da classe trabalhadora, convocaram greve geral para o dia 1.º de julho'. Conforme a CUT, a convocação para a suposta greve 'surgiu numa página anônima do Facebook e é mais uma iniciativa de grupos oportunistas, sem compromisso com os/as trabalhadores/as, que querem confundir e gerar insegurança na população', diz o comunicado.

Fonte: Diário da Manhã

SGPA busca parcerias para construir novo Parque Agropecuário de Goiânia


A SGPA procura parceiros para que o novo Parque de Exposições Agropecuárias de Goiânia seja viabilizado. Segundo o presidente da SGPA, Ricardo Yano, o projeto está pronto, mas o custo é alto, na ordem de R$ 120 milhões. Ele aponta que o novo Parque precisa ser bem construído, pois o atual já conta com boa estrutura.

Apesar da busca de projetos, o presidente da SGPA não quer adiantar uma data para que as obras possam ser iniciadas ou concluídas. O intuito segundo Ricardo Yano é de evitar falsas expectativas. De acordo com o presidente da SGPA, a área onde será construído o novo Parque de Exposições Agropecuárias é particular e está localizada próximo ao 42° Batalhão no Jardim Guanabara em Goiânia.

Fonte: Portal 730

Passe livre irrestrito para alunos


Avaliação é de técnicos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Brasília – A consulta popular sobre a reforma política poderá custar cerca de R$ 500 milhões aos cofres públicos, caso a convocação ocorra ainda este ano. A previsão leva em conta números atualizados das últimas eleições municipais, realizadas em 2012, que custaram R$ 395 milhões, uma média de R$ 2,81 por eleitor. A avaliação é de técnicos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Segundo esses técnicos, o valor por eleitor, que vem caindo nos últimos anos, pode aumentar devido à urgência no planejamento. Geralmente, o TSE começa a preparar as eleições seguintes assim que um pleito é encerrado. Com mais de um ano de antecedência, o tribunal já está lançando o termo de referência para contratações necessárias às eleições de 2014.

A consulta popular também poderá ficar mais cara devido ao aumento do eleitorado e à necessidade de reforçar a segurança nos locais de votação, resultado dos protestos recentes que tomaram o país. Em 2012, os gastos com a Força Nacional somaram R$ 24 milhões.

Outro custo que deve ser considerado é a campanha de esclarecimento à população. Como o assunto é complexo, especialistas já alertaram que os temas devem ser amplamente divulgados antes de entrar em votação. No ano passado, a produção da campanha Voto Limpo para veiculação gratuita em rádio e em televisão custou R$ 2,8 milhões ao TSE. Uma vez definido o modelo de consulta, a empresa responsável pela publicidade precisa de pelo menos 30 dias para preparar o material.

Nesta semana, a presidenta Dilma Rousseff entrou em contato com a presidenta do TSE, Cármen Lúcia, para tratar do planejamento e logística para realização da consulta pública. Até a última sexta-feira (28), o TSE não havia, oficialmente, divulgado informações sobre o assunto.

A reforma política só poderá ser aplicada nas eleições de 2014 se for aprovada até o início de outubro. Segundo interpretação do Supremo Tribunal Federal (STF), mudanças no sistema eleitoral devem esperar um ano para entrar em vigor. Foi isso que ocorreu com a Lei da Ficha Limpa, aprovada em meados de 2010 e invalidada para as eleições daquele ano.

O Executivo sugeriu como possíveis datas os feriados de 7 de Setembro ou 15 de novembro, mas ainda há a opção de realizar a consulta com as eleições presidenciais do ano que vem, reduzindo custos. Em 2010, os acrianos votaram em referendo sobre o fuso horário local no segundo turno das eleições daquele ano.

A última consulta nacional, realizada em 2005, foi o referendo do desarmamento, e custou R$ 252 milhões. No Pará, o plebiscito sobre a divisão do estado, realizado em 2011 com a população local, custou R$ 19 milhões.

Fonte: Jornal O Hoje

MP denuncia Sampaio por desvio de R$ 16 mi


Improbidade administrativa foi motivo de citação de cartorário. Na lista de irregularidades estão lesão aos cofres públicos, enriquecimento ilíticito, entre outros.

O Ministério Público do Estado de Goiás propôs ação civil pública contra o cartorário Maurício Borges Sampaio por ato de improbidade administrativa. Para o MP, Sampaio obteve vantagem patrimonial de quase R$ 16 milhões com a prática de mais de uma dúzia de situações de desvios enquanto tabelião do 1° Tabelionato de Protesto e oficial de Registro de Títulos e Documentos e Civil de Pessoa Jurídica. Na ação, salienta-se que Sampaio ainda é apontado como mandante do assassinato do cronista esportivo Valério Luiz, em 5 de julho de 2012, o que, segundo o MP, seria incompatível para o exercício de uma função público.

As irregularidades na ação cartorária referem-se aos procedimentos de recepção de títulos, documentos e escrituração do livro protocolo, prestação de informação ao Detran sobre registros e averbações de contratos de alienação e arrendamento de veículos. A ação destaca ainda cobrança ilegal de emolumentos (gratificações) em descumprimento à decisão judicial, no lançamento da arrecadação de 2010, 2011 e no primeiro semestre de 2012 e a prática de atos de lesão aos cofres públicos, enriquecimento ilícito e infração aos princípios da administração pública.

O MP aponta também que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por meio da Corregedoria, constataram outros fatos graves como nota fiscal emitida por empresa particular e paga pela serventia referentes a compra para o Atlético Goianiense e a reforma de imóvel particular às custas dos gratificações do tabelionato, indicando desvio de finalidade e de dinheiro. Assinam a ação o coordenador do Centro de Apoio Operacional do Patrimônio Público, Rodrigo Bolleli, e os promotores de Justiça Villis Marra e Fernando Krebs.

As irregularidades apontadas pelo CNJ foram divulgadas em reportagem publicada no O HOJE o dia 6 de fevereiro. As inspeções, que tiveram início no dia 22 de novembro de 2012, constataram, entre outros pontos, números conflitantes lançados no Livro Caixa do cartório, emissão de notas fiscais para empresas inexistentes e a distorção das verbas do cartório para empreendimentos particulares, como a reforma de uma casa e até realização de serviços para o clube Atlético Goianiense. A substituição ocorreu de fato no dia 27 de maio, após sentença cumprimento de sentença do ministro Francisco Falcão, corregedor nacional de Justiça.

Criminal
O MP requisitou a instauração de inquérito policial para apurar a prática dos crimes de falsidade ideológica, peculato, apropriação indébita e quadrilha em tese praticados por Maurício Sampaio. O ofício foi encaminhado ao delegado Jerônimo Rodrigues Borges, titular da Delegacia Estadual de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública.

Foi requerido liminarmente o bloqueio dos bens de Sampaio no valor de R$ 15.930.848,79, o afastamento da função de tabelião do Cartório do 1° Registro de Pessoas Jurídicas, Títulos, Documentos e Protestos de Goiânia. No mérito, requer a procedência da ação com a declaração de nulidade do ato de investidura no cargo, com o consequente afastamento definitivo de Sampaio do tabelionato e sua condenação pelo ato de improbidade administrativa praticado. Do total, cerca de R$ 7 milhões devem ser devolvidos para clientes lesados, que pagaram por registros de veículos feitos de acordo com uma tabela irregular. Por meio de um convênio com o Detran-GO, por anos, apenas ao tabelionato de Sampaio tornou-se responsável pelo registro de veículos comprados ou revendidos, em todo o Estado.

Caso Valério
O fato de ter sido denunciado criminalmente pelo homicídio qualificado de Valério Luiz retira do cartorário, na visão do MP, condições de continuar na titularidade, por afrontar os princípios da administração pública, especialmente o da moralidade. “O rol de ilícitos civis e criminais narrados nos autos reafirmam a sua falta de condições para representar o Judiciário na titularidade de uma serventia ou qualquer cargo público”, sustentam os promotores.

Durante toda a tarde de ontem, a reportagem tentou contato com o escritório de advocacia que representa Maurício Sampaio e também no celular do advogado Neilton Cruvinel Jr., que defende o cartorário, mas as ligações não foram atendidas e nem as mensagens deixadas tiveram retorno.

Irregularidade do cargo e afastamento

O MP apurou ainda a ocupação irregular da função por Maurício Sampaio como titular do cartório. De acordo com a ação, Waldir Sampaio, pai de Maurício, morreu no dia 3 de março de 1988, meses antes da Constituição Federal entrar em vigor, em outubro. E foi em novembro daquele ano que a presidência do Tribunal de Justiça assinou ato administrativo efetivando Maurício no cargo de oficial de cartório, entretanto nos termos da Constituição Federal de 1967, que teve a redação alterada pela Emenda Constitucional n° 22/82, a partir do dia 3 de março de 88.

Desde então, uma série de processos tramitou ao longo dos anos no CNJ e no TJ sobre a ilegalidade dessa situação, que ainda persiste, embora já tenha sido determinada a nomeação de Joneval Gomes de Carvalho como seu substituto interino. Esta última determinação do CNJ, proferida no dia 27 de maio, pelo ministro Francisco Falcão, corregedor nacional de Justiça, foi revertida por uma liminar do juiz Ari Ferreira de Queiroz, da 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual. Ari manteve Sampaio no cargo ao anular portaria assinada pelo diretor do Foro de Goiânia, juiz Átila Naves Amaral, que promovia a intervenção.

“Por mais privilegiada que seja, nenhuma decisão administrativa, emanada de qualquer órgão público federal, estadual ou municipal suplanta a força de decisão judicial, especialmente acobertada pelo manto da coisa julgada”, disse Ari à época. A decisão de Ari Queiroz também é investigada em uma auditoria no Conselho Nacional de Justiça.

O afastamento, no entanto, se deu após a constatação das irregularidades apontadas pelo CNJ ainda no início do ano, conforme apontou matéria do jornal O HOJE, publicada em 06 de fevereiro. Uma séria de inspeções, que teve início no dia 22 de novembro de 2012, constatou, entre outros pontos, números conflitantes no Livro Caixa, emissão de notas fiscais para empresas inexistentes e a distorção das verbas do cartório para empreendimentos particulares, como a reforma de uma casa e até realização de serviços para o Clube Atlético Goianiense. A substituição ocorreu de fato no dia 27 de maio, após sentença cumprimento de sentença do ministro Francisco Falcão, corregedor nacional de Justiça.

Fonte: Jornal O Hoje

28 de junho de 2013

Brasília e Goiânia são as metrópoles do país que mais atraem migrantes, diz IBGE


Mapa mostra áreas que receberam (vermelho) e perderam (azul) moradores, em 2010

Brasília e Goiânia são as capitais brasileiras com maior atração de migrantes no Brasil, segundo o Atlas do Censo Demográfico 2010, lançado nesta sexta-feira (28), pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). As duas metrópoles se destacam por apresentarem os maiores resultados de saldos migratórios, isto é, mais pessoas vão viver nesses municípios do que se mudam deles para outros lugares.

São Paulo e Rio de Janeiro, por outro lado, deixaram de ser os principais polos de atração do país, embora seu volume de imigrantes e emigrantes seja significativo. E outras metrópoles, como Belém, Fortaleza, Recife, Salvador e Porto Alegre, também apresentam fraco desempenho na atração de migrantes.

Segundo o IBGE, os fluxos de migrantes estão associados às mudanças no mercado de trabalho e não são mais de pessoas com baixa qualificação. Há uma diversidade de tipos de pessoas que mudam de cidade pelo país, e o migrante com mais escolaridade tem mais possibilidades de deslocamento e opções profissionais. Brasília, por exemplo, apresenta um forte peso das atividades de administração pública no total dos empregos oferecidos.

Mudança histórica
Na década de 70, o Sudeste e, particularmente, o interior paulista registravam os maiores volumes de movimentos populacionais do país, devido à industrialização e à urbanização. Depois, começou a haver uma desconcentração industrial, e outros centros passaram a atrair migrantes, como as capitais regionais.

Em São Paulo, destacam-se os fluxos para Campinas, Santos e Sorocaba, devido à economia. Outras capitais, como Vitória, Porto Velho e Palmas recebem migrantes pelas suas funções administrativas.

A publicação revela ainda que o Nordeste, tradicionalmente associado a uma região de saída de habitantes, hoje não apresenta perdas populacionais significativas.

Fonte: Uol Noticias

Google busca voluntários para mapear o mundo para o Street View


O Google iniciou um projeto-piloto para permitir que qualquer organização tome emprestado o equipamento do Street View e capture imagens para o serviço.

O projeto pretende emprestar o Trekker, uma mochila equipada com câmeras e que já fez imagens de locais de difícil acesso como o Grand Canyon, as Ilhas Galápagos ou o prédio mais alto do mundo, a voluntários, para expandir os locais mapeados no serviço.

O Google criou um formulário online  para que órgãos de turismo, ONGs, universidades, entidades de pesquisa interessadas em se voluntariar e pegar um Trekker emprestados se increvam no projeto. Nos próximos meses, a gigante da internet deve abrir a iniciativa para mais organizações.

Fonte: Mais Goiás

Em meio a protesto, comissão aprova novo Código Florestal


Estudantes e professores da UFG fizeram manifestação contra o texto, que é menos rigoroso.

Em meio a protestos de estudantes e professores da Universidade Federal de Goiás (UFG), a Assembleia Legislativa aprovou ontem, na Comissão Mista, o projeto que institui o novo Código Florestal de Goiás, que chegou há duas semanas na Casa em caráter de urgência. A matéria deve ser apreciada em primeira votação na segunda-feira, quando iniciam as sessões extraordinárias.

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) e a UFG são contrários à aprovação do projeto agora e solicitam a realização de novas audiências públicas. Entre os pontos polêmicos estão as áreas de preservação ambiental (APPs), reserva legal e matas ciliares. O texto dispõe sobre a proteção da vegetação nativa do Cerrado.

Professora do Instituto de Estudos Sócio-Ambientais (Iesa) da UFG, Sandra Oliveira diz que “as mesmas irregularidades cometidas no Código Florestal Brasileiro serão cometidas no projeto goiano”.
“As APPs foram reduzidas a 50 metros sem levar em consideração a cota de inundação dos rios. Pode ser que em dez anos não tenhamos mais este Rio Araguaia”, declara.

O relator do projeto, deputado Talles Barreto (PTB), afirma que foram realizadas mais de 80 audiências com segmentos da sociedade civil. Segundo ele, os pontos polêmicos foram esclarecidos e o assunto esgotado. “Há dois anos esse projeto é trabalhado. Várias entidades participaram da montagem desse código, inclusive a UFG. Há uma urgência em votá-lo e, com certeza, isso acontecerá”, declara. Sandra Oliveira negou que a UFG tenha participado das audiências.

OPOSIÇÃO

Na tentativa de adiar a votação, a oposição apresentou requerimento, solicitando que a apreciação fosse sobrestada. O documento foi assinado pelos petistas Luis César Bueno e Mauro Rubem e pelo peemedebista Bruno Peixoto, mas foi rejeitado por 15 votos contrários. Os três deputados fizeram discursos calorosos contra a votação da matéria.

Entenda

Veja os itens que estão em discussão no código

Áreas de Preservação Permanente (APPs)
Consideram-se as faixas marginais de qualquer curso d’água natural, perenes e intermitentes, excluídos os efêmeros, desde a borda da calha do leito regular, em largura mínima de 50 metros para os cursos d’água com largura superior a 10 metros

Reserva Legal
Todo imóvel rural deve manter área com cobertura de vegetação nativa, a título de Reserva Legal, sem prejuízo da aplicação das normas sobre as APPs, observados os seguintes porcentuais: 35% no imóvel situado em área de Cerrado na Amazônia Legal e 20% no imóvel situado nas demais regiões do Estado.

Preservação Ambiental
Para preservação em matas, morros e montanhas há limite de altitude de 1,2 mil metros. Com o novo texto, o limite passará para 1,8 mil metros

Amazônia Legal
São os Estados do Acre, Amapá, Amazonas, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Tocantins. Para efeitos da lei, os 20% da área preservada não precisam ser obrigatoriamente em Goiás, podendo utilizar localização em outro Estado.

Deputados criam CPI para investigar empresas de telefonia

A Assembleia Legislativa deve instalar na próxima semana a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Teles, para investigar a situação das empresas de telefonias em Goiás. Com 17 assinaturas, o deputado José de Lima (PDT) protocolou ontem o requerimento.

Contudo, para que a CPI seja criada é preciso que a Procuradoria da Casa emita parecer, o que, segundo o presidente da Assembleia, Helder Valin (PSDB), só deve acontecer na terça-feira. Há suspeita de inconstitucionalidade na competência dos trabalhos.

Mesmo sem o parecer, Valin solicitou às bancadas partidárias que indiquem deputados para compor a comissão. “Se o parecer for contrário, eu revogo a decisão”, afirmou Helder Valin ao POPULAR, completando que a medida foi tomada em virtude da demora nos trâmites.

Outras duas CPIs foram instaladas na Casa este mês, a dos Grampos e a da Segurança Pública.

Fonte: Jornal O Popular

Marconi se diz atento a protestos


Governador, no entanto, afirma que governo estadual não se pauta pelas manifestações populares.

Ao entregar obras da Rodovia dos Romeiros (GO-060, entre Goiânia e Trindade) ontem, o governador Marconi Perillo (PSDB) disse que a gestão estadual já está atenta às demandas da população “há muito tempo” e que não se pauta pelas manifestações. “O que posso assegurar é que aqui em Goiás nós já estamos antenados com as reivindicações do povo há muito tempo. Nós não esperamos pelas manifestações”, afirmou.

O governador também disse que a sacudida no cenário político por conta dos protestos pode favorecer mudanças nas eleições de 2014, mas que elas têm de ser positivas. “Acho que muitas mudanças acontecerão. O que espero é que sejam para melhor. O duro é quando as mudanças são para pior. Espero que as pessoas tenham muita consciência em relação ao que vão fazer ano que vem para que tenhamos um País melhor.”

Marconi cancelou reunião marcada para 8 horas de hoje com o secretariado. O argumento foi de cansaço, por conta da caminhada de 18 quilômetros na tarde de ontem. Ele andou do início da rodovia, no busto do Padre Pelágio, até o Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, em Trindade. No entanto, aliados afirmam que o governador quer afastar possíveis impressões de estar refém das manifestações.

Ele já anunciou que receberá representantes dos manifestantes na próxima semana e hoje terá reunião com 12 prefeitos (da Região Metropolitana mais Anápolis) no Palácio, além de ter assinado decreto instituindo o passe livre.

Na entrevista ontem, o governador disse que vai cumprir a promessa de realizar “o melhor governo da vida dos goianos”. Afirmou também que a obra entregue ontem é demonstração de que “o dinheiro público está sendo muito bem empregado no Estado”. “Eu disse que faria o melhor governo da vida dos goianos. Não tenham dúvida, ao final deste mandato vocês terão a certeza de que o tempo em que estive à frente do governo foi muito bem aproveitado em favor de todos.”

O governador sinalizou que deve manter o parcelamento da data-base do funcionalismo, alegando limite de gastos imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal. “A conta tem de fechar. A lei exige que governos não gastem mais de 60% da arrecadação com folha. Se percebermos que há possibilidade (de pagar), terei a maior boa vontade. Se não, vamos ter de cumprir a lei”, afirmou.

Nos últimos sete dias, houve duas manifestações de servidores em defesa da data-base integral. Pela manhã, havia boatos de que manifestantes poderiam ir à rodovia, mas ninguém apareceu. O governo intensificou a segurança. No início do evento, havia 32 policiais à paisana para isolar o governador na caminhada, helicóptero da Polícia Militar e grupo do Giro.

Foram distribuídos bonés nas cores azul e amarelo para o grupo que acompanhou o governador. O presidente da Agetop, Jayme Rincón, responsável pelas obras, disse que as cores são da logomarca do órgão – daí também as luminárias pintadas de azul.
Questionado sobre grandes eucaliptos retirados do canteiro central, substituídos por outdoors com propagadas do governo, Jayme disse que “placas não têm raiz” e que as plantas estavam danificando os canteiros.

Após críticas, Santana Gomes renuncia a cargo

Diante da repercussão negativa, o governo estadual divulgou ontem carta de renúncia do ex-vereador de Goiânia Santana Gomes (PSD), nomeado na quarta-feira chefe de Gabinete de Gestão e Apoio Legislativo Municipal da Secretaria Estadual de Articulação Institucional (Searti), segundo informou com exclusividade O POPULAR. Em curto texto, Santana diz que não quer “criar constrangimentos aos vereadores, ao PSD e ao governo do Estado”.

De acordo com a carta, a indicação do nome de Santana para o cargo, que foi criado no início do mês e tem salário de R$ 12 mil, foi feita pelos vereadores que integram os partidos da base aliada ao governo e pelo PSD. Ele deveria fazer a interlocução da gestão com os vereadores.

Santana foi punido com suspensão de 15 dias pela Câmara de Goiânia e questionado pelo partido no ano passado, após divulgadas conversas telefônicas dele com Carlos Cachoeira e integrantes de seu grupo.

Numa das ligações, ele diz ao contraventor: “Oh, Carlin! Eu vou falar mais uma coisa ‘procê’. Vou te dar uma dica. Eu sobrevivi até hoje nesse mundo do crime porque eu sei preservar as situações importantes, viu! Se eu fizer delatação (sic) premiada, muita coisa pode acontecer”. À época, Santana disse que foi “brincadeira”. Por conta dos desgastes, ele não conseguiu se reeleger.

Fonte: Jornal O Popular

Apesar de recomendação de Dilma, Marconi desconsidera desoneração fiscal para reduzir tarifa de ônibus


A presidente República, Dilma Rousseff, anunciou na última semana medidas que atenderiam aos protestos que têm sido feitos nas ruas do País, principalmente relativos a melhorias no serviço de transporte coletivo e a redução nas tarifas. Dilma destacou as medidas de redução de impostos que foram e serão tomadas pelo Governo Federal.

O anúncio foi feito em reunião com governadores e prefeitos de capitais. “Estamos dispostos agora a desonerar do PIS / Confins do óleo diesel dos ônibus e a energia elétrica consumida por metrôs e trens. Esse processo pode ser fortalecido pelos estados e municípios com a desoneração de deus impostos,” disse.

Apesar da expectativa de sensibilidade da presidente, o governador de Goiás Marconi Perillo, do PSDB, deixou claro, em entrevista, que não pretende favorecer a desoneração de impostos neste sentido. Segundo ele, o Estado não tomará atitudes para que a tarifa de ônibus na Região Metropolitana de Goiânia seja reduzida para menos que os atuais R$ 2,70. “Nós tomamos uma decisão entre o prefeito Paulo Garcia e eu que foi convocar a Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo e manter a tarifa antiga. Esse assunto está resolvido. Não há que se discutir nova desoneração. Uma consultoria está sendo contratada pela CDTC, caso ela conclua que as empresas vão perder e ai precise de uma compensação, então nós vamos estudar alternativas para novas desonerações,” citou.

O governador ainda garante que a manutenção da tarifa no valor atual não depende de qualquer subsídio público, pois com a desoneração que já foi feita pelo governo federal as empresas tem como arcar com a manutenção da tarifa nos R$ 2,70.

Fonte: Portal 730

Governo e prefeituras anunciam passe livre para estudantes na região metropolitana de Goiânia


Passe livre não terá restrições e o custo será dividido entre estado e municípios.

Em reunião entre o governador Marconi Perillo (PSDB), o prefeito de Goiânia Paulo Garcia (PT) e outros prefeitos de cidades atendidas pelo transporte público da região Metropolitana da Capital ficou definido que os estudantes dos ensinos fundamentais, médio e universitário terão passe livre. O Estado e os municípios irão arcar com o subsídio. O encontro aconteceu na manhã desta sexta-feira (28), no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, em Goiânia.

Além dos estudantes das cidades da região Metropolitana de Goiânia, quem estuda em Anápolis também será atendido com a gratuidade no transporte público.

Anteriormente, Marconi havia anunciando passe estudantil para os estudantes da região metropolitana que estudassem em escola públicas e a família tivesse renda inferior a três salários mínimos. Depois, Paulo Garcia apresentou uma medida ainda mais ousada, na qual, todos os estudantes da Capital teria passe livre. A medida foi adotada pelo Estado e por outros municípios.

O Estado vai bancar 50% do custo. A prefeitura de Goiânia arcará com 30%. Os outros 20% serão rateados entre os outros 17 municípios da região Metropolitana.

Os presentes na reunião do Palácio Pedro Ludovico Teixeira também discutiram sobre a onda de protestos que vem acontecendo em Goiânia e também em cidades da região. Além da implantação do passe livre para os estudantes, o governador e os prefeitos debateram sobre temas que possam melhorar a qualidade do transporte coletivo.

A expectativa é que o benefício para os estudantes passe a valer a partir da próxima semana. Na segunda-feira (1), o prefeito Paulo Garcia encaminhará a proposta à Câmara.

Fonte: Portal 730

Caldas Country 2013 - Caldas Novas - GO


Data: 15 e 16 de Novembro de 2013
Cidade: Caldas Novas - GO
Local : Espaço de Eventos
Horário de Abertura : 20H00

O Maior Festival de Música Sertaneja do Brasil! O Festival acontecerá no Mês de Novembro e promete trazer novidades!

Mais de 30 horas de música. "É pra lá que eu vou!"

Dia 15 de Novembro • Sexta

Gusttavo Lima
Cristiano Araújo
Ivete Sangalo
Israel Novaes
Humberto e Ronaldo
Henrique e Diego
Thiago Brava
Tomate (no trio)

Dia 16 de Novembro • Sábado

Jorge e Mateus
Chitãozinho e Xororó
Lucas Lucco
Guilherme e Santiago
Zé Ricardo e Thiago
Gabriel Gava
Matheus e Kauan
Eduardo Melo
Cleber e Cauan
Claudia Leitte (no trio)

Apresentação:

Cuiabano Lima

O compositor da música tema de 2013 "É pra lá que eu vou"

Fellipe Salles

Dj's no Camarote Extra Vip

Life is a Loop
Juliana Barbosa
BPM
XBR
Vácuo
Renato Mayer

NOVIDADE: Dj's Exclusivos no camarote Prime

Fabrício Peçanha
Ferris
Thiago Amaral
Analú
Miss Cady
Morgana e Tháscya
Divine Girls
Harry
Renato Borges

O Camarote Extra VIP oferece :
Vodka, Cerveja, Suco, Refrigerante e Água liberados durante todo o evento! Localização privilegiada próxima a cabine dos D.J’s, último área a desligar o som. Classificação : 18 Anos

O Camarote Prime oferece :
Whisky 12 anos, Vodka Importada, Espumante, Cerveja, Energético, Suco, Refrigerante, Água e ainda Mesa de Frutas, Frios e Doces, Sushi Bar, Canapés, Buffet de Massas e Buffet de Caldos liberados durante todo o evento. Entrada Exclusiva, Lounge Receptivo, Visão Exclusiva do Palco, Beauty Shop | Salão de Beleza, Fotos, Banheiros Exclusivos. Acesso à Frente do Palco e Camarote Extra VIP. Classificação : 18 Anos

A Mesa oferece :
1 Lt de Whisky por dia, Vodka, Cerveja, Suco, Refrigerante, Água, Gelo e ainda Mesa de Frios, Caldos e Salgados liberados durante todo o evento. Localização Privilegiada. Classificação : 18 Anos

Valor dos Ingressos :

CAMAROTE EXTRA VIP
Individual - R$ 150,00 Feminino | R$ 180,00 Masculino
Passaporte - R$ 250,00 Feminino | R$ 280,00 Masculino

CAMAROTE PRIME
Passaporte - R$ 800,00 Feminino | R$ 1.000,00 Masculino

MESA 8 LUGARES
Passaporte - R$ 4.000,00

Atenção! Compre seu ingresso em até 18x em todos os cartões de crédito pelo site

Prefeitura vai implantar Passe Livre Estudantil em Goiânia


O prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, anunciou, nesta quinta-feira (27), que irá instituir em Goiânia o Passe Livre estudantil. O anúncio foi feito durante reunião com lideranças estudantis no Paço Municipal. O prefeito explicou aos estudantes que vai vetar projeto de autoria da vereadora Tatiana Lemos que instituía o benefício, porque ele contém vícios de inconstitucionalidade, e que irá enviar novo projeto à Câmara.

Um dos problemas da primeira proposta é o fato de conter um vício de origem, ou seja, o legislativo não pode propor projetos de lei que impliquem aumento da despesa pública. Outro problema diz respeito ao fato de que institui o benefício em toda a região metropolitana, o que não é competência da prefeitura, que pode adotá-lo apenas para Goiânia. Por conter vícios, poderia haver contestação judicial e o benefício só poderia entrar em vigor em janeiro do próximo ano.

De acordo com o novo projeto, o Passe Livre estudantil será universal, beneficiando todos os estudantes do município, de qualquer um dos níveis de ensino e tanto da rede privada quanto da rede pública. Mais de 67 mil estudantes devem ser beneficiados.

O prefeito ainda explicou aos estudantes que aguarda apenas a realização de uma reunião convocada pelo governador do Estado com todos os 18 prefeitos da região metropolitana, para enviar o projeto à Câmara. A reunião serão realizada às 9 horas desta sexta-feira, 28. "Vamos propor a adoção do Passe Livre em toda a região metropolitana", destacou. "Quero discutir com o governador e com os demais prefeitos a metodologia de custeio, mas nossa ideia inicial é que o governo do Estado assuma 40%, Goiânia 30% e os outros municípios 30%", completou.

Caso a proposta não seja acatada, a prefeitura deverá arcar integralmente com os custos de implantação do benefício apenas em Goiânia. A expectativa do prefeito é que o benefício entre em vigor assim que aprovado pela Câmara, o que deve ocorrer já na segunda-feira, 1°/07, em votação emergencial por autoconvocação.

Após a reunião com o governador, o prefeito vai se encontrar novamente com os estudantes para informá-los sobre o encaminhamento da proposta. Para diretor da União Nacional dos Estudantes (UNE), Deryck Santana, que participou do encontro na prefeitura, a proposta é uma vitória do movimento social. "O prefeito Paulo Garcia mostra que ouve realmente as vozes das ruas ao declarar que será adotado o passe livre estudantil em regime de urgência", avaliou.

Executivo e Legislativo reagem às manifestações

Agentes políticos se articulam para implantar ações que amenizem as cobranças da população.

A exemplo da intensa movimentação política em Brasília, os poderes Executivo e Legislativo em Goiás também aderiram ao esforço para lançar uma agenda positiva em resposta às manifestações populares. Tanto em nível estadual como na capital, agentes políticos se articulam para definir medidas, agilizar votações de projetos importantes e implantar ações que amenizem as cobranças nas ruas.

Após dois anos e meio de mandato, o governador Marconi Perillo (PSDB) assinou ontem o decreto de implantação do programa passe livre estudantil, promessa de campanha nas eleições de 2010. A lei que criou o programa foi aprovada em junho do ano passado. O governo alegava falta de recursos para tirá-lo do papel. Esta semana, a Assembleia Legislativa aprovou crédito especial de R$ 2,4 milhões no Fundo Protege para aplicação no passe livre.

Terão direito à passagem de ônibus gratuita estudantes que tenham renda familiar de até três salários mínimos. Também não podem ter reprovação por nota ou por frequência em mais de uma disciplina por semestre ou ano letivo. O benefício terá validade de um semestre letivo, podendo ser renovado.
Em meio à onda de protestos no País, a Câmara de Goiânia também aprovou projeto de lei da vereadora Tatiana Lemos (PCdoB), que institui o passe livre. No entanto, ele deve ser vetado pelo prefeito Paulo Garcia (PT). De acordo com a base do petista, a matéria é inconstitucional. “A Câmara não pode legislar sobre o transporte coletivo nos municípios da região metropolitana”, justificou o presidente da Câmara, Clécio Alves (PMDB).

O governador também prepara agenda para receber manifestantes na próxima semana e estuda a possibilidade de anunciar um pacote de medidas. O assunto será discutido amanhã em reunião com o secretariado, convocada ontem. Marconi participa hoje da inaguração da Rodovia do Romeiros, entre a capital e Trindade. Ele cancelou viagem que faria a São Paulo hoje à noite para focar em reuniões de avaliação do momento político.

Além de propor a criação de conselho, a Prefeitura de Goiânia estuda a possibilidade de apresentar projetos para buscar mais recursos para investimentos em transporte.

RECESSO

Com plenários cheios, Assembleia e Câmara de Goiânia anunciaram que vão trabalhar na próxima semana, quando começaria o recesso nas duas Casas. A intenção é votar projetos que foram ou serão encaminhados pelo Executivo, relacionados às demandas apresentadas nas manifestações. O adiamento do recesso também foi proposto no Congresso.

No Legislativo estadual, o presidente Helder Valin (PSDB) informou também que, enfim, promulgará a lei que reduz os salários de diretores. Ele também determinou agilidade nas mudanças que vão garantir maior transparência na Casa. A previsão é que até o final de julho, dados completos sobre salários, gastos e tramitação de projetos estejam disponíveis no site.

Prioridade é mais verba para VLT e BRT

A intenção da Prefeitura é aumentar o valor a ser recebido pela União. Já o governo avalia, além do maior montante para o VLT, a possibilidade de inclusão de outros projetos.

O presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), Jayme Rincón, disse que pode ser apresentado projeto de extensão do Eixo Anhanguera. “É um grande volume de recursos e acho que não podemos perder a chance de conseguirmos investimentos nessa área”, disse, completando que o governo ainda não bateu o martelo sobre a questão.

DESONERAÇÃO

Anteontem, o prefeito Paulo Garcia (PT) cobrou a desoneração dos impostos estaduais que incidem sobre o transporte coletivo da região metropolitana para custear o cancelamento do reajuste da tarifa do ônibus. A revogação do aumento foi anunciada pela prefeitura e governo na véspera da maior manifestação da capital.
O governo alega que já dá sua colaboração há anos, ao subsidiar metade da passagem do Eixo Anhanguera e ao tocar o projeto do VLT.

Em discurso na reunião com governadores e prefeitos, Dilma também cobrou desoneração nos Estados e municípios, alegando que a União já contribuiu para a redução das tarifas.

Vereadores querem audiência com Marconi para pedir cadeira na CDTC

O presidente da Câmara de Goiânia, Clécio Alves (PMDB), afirmou ontem que solicitou audiência com o governador Marconi Perillo (PSDB) e todos os vereadores para pedir o envio de um projeto de lei à Assembleia Legislativa para criação de cargo para vereador na Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC). Até ontem, o governo não havia respondido o pedido.

A Câmara fará autoconvocação para votar os projetos encaminhados pela Prefeitura para criação dos conselhos municipais de Transporte e Mobilidade e da Pessoa Deficiente, que chegaram ontem à Casa e foram distribuídos aos vereadores. As sessões, sem remuneração extra, começam na próxima segunda-feira.
A expectativa de Clécio, que também apresentou matéria para equiparar os salários dos servidores efetivos da Câmara aos da Prefeitura (reajuste recente de 6,49% foi aprovado na Casa), é de que até a quinta-feira os projetos sejam votados.

“Se não houver emendas para esticar o prazo, terminaremos ainda na próxima semana. Estamos vivendo um momento muito importante, de reações da sociedade, e queremos sair na frente para que o prefeito possa ter condições de receber recursos e investir em melhorias para a população”, afirma.

A Câmara também aprovou na semana passada a Comissão Especial Temporária (CET) do transporte coletivo, mas ainda não houve instalação. Por conta do recesso, a tendência é que os trabalhos sejam iniciados só em agosto. Proposta pelo vereador Elias Vaz (PSOL), a CET tem prazo de 120 dias para discutir problemas com diferentes segmentos da sociedade e apresentar soluções.

Fonte: Jornal O Popular

Aparecida de Goiânia anuncia cronograma das obras do Parque Elmar Arantes Cabra


Parque integra o primeiro bairro planejado de Aparecida de Goiânia e será construído por quatro incorporadoras.

O prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela, acompanhado de seu secretariado, lança neste sábado, 29 de junho, o cronograma de obras do Parque Elmar Arantes, o primeiro parque urbanizado da cidade. O anúncio será feito em evento marcado para as nove da manhã, no próprio local, onde máquinas já trabalham na terraplenagem da área.

A obra será feita pelas incorporadoras EBM, GPL, Terral, Tropical Urbanismo, cujos representantes também estarão presentes no evento, e integrará o Parque América, o primeiro bairro planejado de Aparecida de Goiânia -  onde serão construídos prédios residencias, mall de serviços e o Parque Elmar Cabral. Com 44.693,65 metros quadrados, o parque será implementado pelas quatro incorporadoras e entregue ao poder público, que será responsável pela manutenção.

O projeto do Parque Elmar Arantes Cabral prevê a implantação de um playground linear com atividade para diferentes idades, quadra poliesportiva, quadra de areia para prática de esportes na areia, pista de caminhada e uma praça para receber eventos. Ao fundo, haverá uma mata preservada.

Aberto ao público, tanto os moradores do bairro planejado quanto os demais aparecidenses poderão usufruir de toda infraestrutura. “O parque proporcionará mais qualidade de vida para os moradores, que passam a ter um espaço de convivência, lazer e esporte. Desperta ainda o sentimento de cidadania nos moradores, que tendem a se tornar agentes de fiscalização do poder público, para que cuide do espaço que beneficia a coletividade”, diz o empreendedor Antônio Carlos da Costa, da Tropical Urbanismo.

A obra será dividida em duas etapas, a primeira com conclusão para o final de 2013 e a segunda para o final de 2014, junto com os dois primeiros empreendimentos do bairro planejado. A primeira etapa será destinada à implantação dos equipamentos do parque, ou seja, os playgrounds, pista de caminhada, quadra esportiva e uma praça central para eventos. No pico da obra, cerca de 50 trabalhadores estarão no local.

Em 2014, a atenção será voltada para a recomposição florística do bosque, integrado de mata preservada na Área de Preservação Permanente (APP) do Córrego Bonanza em um total de 21.987,63 metros quadrados. Além disso, haverá mais 9.579,60 metros de área verde distribuídas no entorno do Parque, que serão implantadas nesta etapa.

“A integração com o verde foi um de nossas preocupações”, explica Maria Ester Souza, arquiteta responsável pelo projeto, elaborado em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente da Prefeitura de Aparecida de Goiânia, contando também com a concepção da engenheira agrônoma Marize Faleiros. Toda a parte de arborização será feita, prioritariamente, por espécies do Cerrado. Além disso, serão mantidas as árvores antigas e saudáveis do local, especialmente as que promovem sombreamento em pontos onde há maior concentração de pessoas.  O mesmo critério será aplicado no reflorestamento da APM em torno do Córrego Bonanza “Teremos um bolsão verde, o que influencia no microclima de toda região”, diz Maria Ester.

Sustentabilidade

O parque será construído respeitando a topografia do terreno. Segundo Maria Ester Souza, foi utilizado os desníveis do terreno para criação de espaços diferentes. “Onde havia um declive eu aproveitei para colocar um banco ou um escorregador. É algo importante, pois mantém o equilíbrio do solo e a permeabilidade natural”, comentou a arquiteta.

Além dos pequenos desníveis, o terreno do bairro apresenta declividade de 30 metros até o encontro com a área de proteção ambiental que integra o Parque Elmar Arantes Cabral. Para diminuir o impacto e a velocidade da água da chuva que escorre do ParqueAmérica serão criados os Jardins Drenantes, que são concebidos como longas faixas de pedra que se integram à paisagem, absorvem o volume de água e reabastecem  lençol freático. Isso evita que as sobras sejam lançadas na natureza e agrega valor aos empreendimentos do bairro. O passeio será dividido entre piso e área com grama para contribuir com a drenagem da água.

Acessibilidade

Os espaços do parque também serão construídos em conformidade com a Norma Brasileira de Acessibilidade, em benefício às pessoas com mobilidade reduzida. Rebaixamentos nas calçadas, com rampas de declividade inferior a 5% serão construídas, entre outras medidas. “Estamos estudando a implantação de outras medidas para tornar o parque o mais democrático possível”, explica o engenheiro  responsável pela obra, Raphael Mello Moraes Gualberto. A pista de caminhada será construída com concreto liso desempenado, o que otimiza  segurança e o conforto dos usuários.

Destalhes sobre os equipamentos do parque

O projeto do Parque Elmar Arantes Cabral prevê a implantação de um playground linear com atividade para diferentes idades, quadra poliesportiva, quadra de areia para prática de esportes na areia, pista de caminhada e uma praça para receber eventos. Ao fundo, haverá uma mata preservada.

O playground será linear com área de brinquedos divididos em três partes por faixa etária. Aqueles com até três anos terão área reservada para prática de brincadeiras no chão. Para os maiores, de até cinco anos, foi idealizado o “Jardim de Brincar”, com degraus de madeira assimétricos, instalados como ‘mordentes’ que permitem a brincadeira de subir e descer, além de escorregador, balanço e gangorra. Haverá também um mini teatro de arena para instigar a imaginação das crianças. Além disso, será construída uma pista de bicicleta infantil, só para os baixinhos. Os grandinhos, com mais de nove anos, poderão se divertir com jogos de tabuleiros  como xadrez, amarelinha, jogo da velha que serão pintados nas mesas espalhadas pelas áreas. Haverá também espaços para pular corda, mesas e muitas áreas sobreadas para diversas brincadeiras.

Aos maiores de nove anos, as atividades do Parque Elmar Arantes serão na quadra poliesportiva e na área de areia para prática de vôlei, futevôlei e peteca. Outra atividade, para todas as idades, será a caminhada. Uma pista com 1000 metros circundará todo o perímetro do parque. Será construída com concreto liso desempenado, o que otimiza  segurança e o conforto dos usuários.  Ao lado da quadra esportiva, serão instalados equipamentos de ginástica.

No centro do parque, será construída uma praça para múltiplo uso e a realização de eventos como feiras, festas juninas e campeonatos.

Sobre o Parque América

O Parque América é o primeiro bairro planejado de Aparecida de Goiânia, localizado na região nordeste, próximo à Avenida São Paulo. Lançado em 2012 pelas incorporadoras EBM, GPL, Terral e Tropical Urbanismo, irá ocupar um vazio urbano de 290,161 mil  metros quadrados, contribuindo assim com a ocupação regular da cidade. Abrigará um parque,  um mall de serviços e 14 áreas para empreendimentos residenciais que serão construídos ao longo de oito anos. Além do parque, toda infraestrutura como rede de água, esgoto e iluminação será construída pelo grupo empreendedor e será doada ao poder público. A comercialização ficará a cargo das imobiliárias Brasil Brokers Tropical, URBS-RT e Adão Imóveis Vida Nova.

O acesso ao bairro é facilitado pelas avenidas São Paulo, Maria Cardoso e BR 153. O endereço é vizinho de grandes centros comerciais, como o Pólo Industrial de Goiás, área da futura faculdade de medicina da cidade e está próximo ao Buriti Shopping. Nos próximos meses, a prefeitura deve inaugurar a Alameda da Paz, que passará pelas imediações do bairro, ligando o Pólo Industrial Goiás à Avenida Rio Verde, na Vila Brasília.

Fonte: Diário da Manhã

Primeiros estudantes beneficiados recebem o Passe Livre amanhã


O governador Marconi Perillo faz a entrega do Passe Livre Estudantil aos primeiros estudantes beneficiados nesta sexta-feira (28/6). A solenidade será realizada às 11 horas no Auditório Mauro Borges do Palácio Pedro Ludovico Teixeira, em Goiânia.

O Passe Livre vai beneficiar estudantes pertencentes a grupo familiar que possua renda mensal de até três salários mínimos e que não tenha reprovação por nota ou por frequência em mais de uma disciplina por semestre ou ano letivo. Não podem ser beneficiários do programa estudantes de curso superior à distância ou semipresencial.

O benefício terá validade de um semestre letivo, podendo ser renovado por mais semestres desde que o beneficiário mantenha as condições de concessão, previstas em lei.

A graduação do estudante em curso superior, o trancamento da matrícula ou abandono do curso, por qualquer motivo, interrompe a concessão do benefício a partir da ocorrência de cada fato, respondendo o beneficiário pelas parcelas indevidamente recebidas a partir da interrupção.

A segunda etapa do benefício se dará em agosto, mas os estudantes interessados podem fazer o pré-cadastro no site Juventude.

Fonte: A Redação

27 de junho de 2013

Prefeitura de Goiânia se mobiliza para facilitar acesso ao transporte coletivo



O prefeito de Goiânia, Paulo Garcia (PT), tem se movimentado para atender a demanda pública e tornar o transporte público mais acessível. Às 14h30 desta quinta-feira (27/6) o petista vai se reunir com líderes de movimentos estudantis para discutir o tema. Na manhã desta sexta (28), o encontro vai ser com o governador Marconi Perillo (PSDB) e demais prefeitos da Região Metropolitana para discutir a retirada de impostos que pesam sobre o transporte coletivo.

A reunião com as lideranças estudantis tem por fim debater a viabilidade da implementação do Passe Livre. Um texto que trata deste assunto foi sancionado pelo governador na noite desta quarta (26), após ser aprovado pela Assembleia Legislativa na terça (25).

O encontro desta sexta-feira foi convocado pelo governador, atendendo a um pedido feito por Paulo Garcia durante reunião em Brasília nesta segunda (24). O prefeito vai entregar ao chefe do Executivo estadual um projeto para retirar todos os impostos que pesam sobre o transporte coletivo na Região Metropolitana. Atualmente, as tarifas que encarecem as passagens de ônibus são o ICMS aplicado sobre os combustíveis e o IPVA.

Fonte: Jornal Opção

Construção do VLT em Goiânia começa em setembro


O Governo de Goiás prevê para setembro o início da construção, em Goiânia, do VLT, Veículo Leve sobre Trilhos, por meio de parceria com a iniciativa privada. De acordo com o presidente do Grupo VLT, Carlos Maranhão Gomes de Sá, o projeto é viável porque oferecerá mais conforto e segurança aos usuários, além de ser um veículo muito menos poluente. Segundo Maranhão, o projeto VLT traz ainda, como o maior de todos os benefícios, a requalificação e redinamização da Avenida Anhanguera. Em entrevista ao Goiás Agora, Maranhão falou sobre o assunto.

Qual a principal vantagem da construção do VLT em Goiânia?

Carlos Maranhão – A principal vantagem é dotar a cidade e os usuários do transporte coletivo com um modal de melhor e mais alta qualidade. Evidentemente esse modal não pode ser colocado em toda parte do sistema e em todas as linhas, porque depende da quantidade de passageiros e também de recursos. Nós agora estamos conseguindo colocar esse modal no Eixo Anhanguera porque tem uma demanda muito grande de passageiros. São mais de 240 mil passagens por dia. E também porque estamos fazendo isso em parceria com a iniciativa privada, que vai bancar cerca de 40% do investimento.

De que forma o VLT trará melhorias para o transporte coletivo da capital?

Carlos Maranhão - Ele traz melhorias na medida em que é um transporte que dá ao passageiro mais conforto, mais segurança, mais confiabilidade e é um veículo muito menos poluente que o veículo que utiliza o combustível fóssil, já que é movido à energia elétrica. E, além disso, ele vai trazer, como o maior de todos os benefícios, um projeto de requalificação e redinamização da Avenida Anhanguera, por onde ele vai passar, que é o antigo corredor dos ônibus. No bojo desse processo está ainda a proposta de requalificação de toda a avenida, estimada em cerca de R$ 93 milhões.

De que maneira será feita essa requalificação?

Carlos Maranhão - Essa requalificação será feita na parte das pistas, no piso das laterais, que vão ser ocupadas por veículos particulares e pelo trânsito comum, onde o asfalto das laterais das pistas será totalmente refeito. Também teremos uma faixa exclusiva para o trânsito de bicicletas, uma ciclovia. E além disso, a requalificação continua nas calçadas, onde vamos ter as calçadas refeitas de uma forma mais ecologicamente correta, com faixas para grama, com a faixa para arborização, além das faixas para pedestres e de acesso às residências, às lojas e aos prédios da rua. No mais, toda a fiação e cabeamento da avenida serão subterrâneos. E todo o mobiliário urbano, como lixeiras, bancas e bancos para assentamento vão ser melhorados e modificados e serão colocados de acordo com projetos próprios para cada localidade da Anhanguera. Campinas, por exemplo, terá um projeto próprio de urbanização; o Centro vai ter outro, mais inspirado na Art déco; o Setor Universitário vai ter outro também diferente e assim por diante. E todas as praças, um total de nove que existem ao longo da Avenida Anhanguera, todas elas serão requalificadas e reurbanizadas. Além disso, problemas relativos à drenagem da avenida serão corrigidos. Essa é outra vantagem que será deixada para a cidade, tudo isso sem falar no benefício do transporte propriamente dito.

Para quando está previsto o início e o término das obras?

Carlos Maranhão – Ele começa ser construído a partir de setembro. Estamos prevendo a abertura das propostas para o dia 2 de agosto e um mês após estaremos iniciando as obras, que deverão durar aproximadamente 24 meses.

Qual a origem dos recursos aplicados na obra?

Carlos Maranhão – O projeto vai ser desenvolvido em parceria com a iniciativa privada, será, portanto, uma parceira público-privada, na qual o poder público entra com R$ 800 milhões e a iniciativa privada com 500 milhões. Os R$ 800 milhões do poder público serão divididos da seguinte forma: R$ 215 milhões serão conseguidos pelo PAC da Mobilidade do governo federal, e o restante, R$ 585 milhões, são recursos que o Estado já possui e que foram conseguidos via empréstimos junto ao BNDES e Banco do Brasil.

Como o Estado analisa o custo previsto da obra no valor de R$ 1,3 bilhão?

Carlos Maranhão – É claro que é um valor normal a ser gasto e próprio para investimentos em VLT. Desse valor cerca de R$ 500 milhões vão ser gastos exclusivamente com material rodante, com a compra de vagões importados, porque esse material não é fabricado no Brasil. As obras civis vão ficar em cerca R$ 550 milhões, quando a gente considera que serão construídos, com essa verba, cinco terminais que comportarão atividades de shopping; quando se coloca também a extensão dupla dos trilhos, de 14 quilômetros de ida e volta, e comparando tudo isso com investimentos feitos em outros Estados, como Rio de Janeiro ou na cidade de Salvador, vemos que os recursos que serão aqui investidos estão na mesma proporção.

O que será feito para amenizar os transtornos da obra?

Carlos Maranhão – Será feito tudo o que for necessário, já tivemos uma reunião com os lojistas para discutir esse assunto. A principal questão é que estamos pensando uma metodologia que vai trabalhar inicialmente apenas no canteiro central, e por quarteirão. Não se fará o quarteirão da frente sem ter terminado o anterior. Apenas quando a obra tiver avançado dois ou três quarteirões é que faremos a parte de urbanização fachada a fachada, que afeta as calçadas, de maneira que as obras terão continuidade sempre, sem estar isolando a frente dos lojistas por muito tempo. Estamos imaginando que nesse caso vamos permanecer por, no máximo, um mês em cada quarteirão ocupado por obras, dentro dos 24 meses totais previstos para o término da obra. Além disso, estamos propondo todo um sistema de monitoramento de trânsito junto com a Secretaria Municipal de Trânsito (SMT) de maneira que os cruzamentos não fiquem fechados por muito tempo, não mais que uma semana. E vamos ainda estudar certos tipos de compensações tributárias para a queda no faturamento das lojistas.

Fonte: Goiás Agora

Tendência que Planalto sugira ao Congresso plebiscito com três perguntas


Mesmo com a oposição defendendo que a população deve ser consultada por meio de um referendo, o governo Dilma defende um plebiscito. A intenção do Planalto é montar um questionário com três perguntas sobre temas centrais envolvendo o tema. A ideia é que o plebiscito traga perguntas sobre financiamento público de campanha, modelo de eleição parlamentar e de escolhas dos candidatos.

Dilma quer enviar a sugestão de projeto para o Congresso até a próxima terça-feira (2). Somente os deputados ou senadores tem poder para convocação de um plebiscito. A presidente tem pedido sugestões de questionamentos a todas as pessoas com quem tem se reunido durante esta semana.

O Planalto deve sugerir três perguntas: a primeira seria sobre o sistema eleitoral para o Poder Legislativo. O eleitor teria a opção de manter o modelo atual (proporcional), escolher por um sistema majoritário, conhecido como voto distrital ou sistema distrital misto.

A segunda questão seria para o brasileiro escolher entre a lista aberta (formato atual), lista fechada ou voto em dois turnos. Neste modelo, o eleitor escolhe o partido no primeiro turno e o candidato no segundo turno.

A terceira pergunta seria sobre o financiamento de campanha, dando as opções de privado (como é atual), exclusivamente público ou misto entre público e pessoas físicas, com limite de contribuição.

O governo quer acelerar o processo para que seja definido até o dia 3 de outubro, pois assim, as novas regras valeriam para as eleições de 2014.

Fonte: Portal 730

Cultura fora dos trilhos


Tombada como Patrimônio Histórico do Estado, a Estação Ferroviária serve como depósito de lixo.

Espaços ociosos. Casas abandonadas. Projetos encerrados. Construções que demoram anos para ser finalizadas. Pontos culturais esquecidos e inacabados. O jornal O HOJE encerra nesta edição a sua série especial Espaços, Para Que Te Quero, com reportagens que refletem as problemáticas enfrentadas no que diz respeito a espaços culturais e sua importância para a produção artística de Goiânia.

Talvez um dos locais mais emblemáticos e, por incrível que pareça, esquecidos da capital seja a Estação Ferroviária, construída na década de 1950 como um dos símbolos arquitetônicos em art déco do centro da cidade. O local encontra-se abandonado: vitrais quebrados, pichações por todos os lados e um matagal que impede a entradas no prédio e a contemplação dos históricos murais, pintados por Frei Nazareno Confaloni, introdutor do modernismo em Goiás, que hoje estão cobertos por uma espessa camada de poeira e fuligem.

Localizada na Praça do Trabalhador, a Estação, que é tombada como Patrimônio Histórico do Estado, hoje serve de depósito de lixo e suas instalações elétricas estão expostas. Basta dar uma olhada para constatar a ociosidade em que o espaço se encontra. Além disso, as paredes apresentam infiltrações e o teto está tomado por goteiras.

Uma pena, já que o espaço poderia ser destinado a atividades antes realizadas na Casa das Artes, projeto desativado pela Secretaria Municipal de Cultura (Secult Goiânia), em 2012. Para reverter tal situação, de acordo com o produtor cultural Carlos Machado Ribeiro, é necessário muito mais que uma reforma estrutural. É uma questão de mobilidade e assistencialismo na região próxima à Rodoviária Central de Goiânia.

“É uma pena ver um lugar tão bonito e importante da nossa história dessa forma. Poderia ser mais aproveitado para eventos e debates culturais. Para isto, é preciso repensar quais as principais problemáticas enfrentadas na região, como o tráfico de drogas, a prostituição, a violência e o consumo de drogas. De dia ou de noite, percebe-se que ali é uma verdadeira cracolância do Setor Central”, aponta Ribeiro.

Muito já se tentou fazer para o desenvolvimento do convívio social na região, próxima à Avenida Independência e Avenida Goiás Norte. No ano passado, por exemplo, o projeto Grande Hotel Revive o Choro, popularmente chamado de Chorinho, havia sido transferido para a Estação Ferroviária, depois de ser suspenso por razões de segurança no Grande Hotel. A intenção da Secult era resgatar o clima pacífico e familiar para a região.

Não deu certo. Depois de algumas poucas edições, o Chorinho foi suspenso, e o local novamente esquecido. Hoje, parte do prédio é usada pela organização não governamental Movimento e Ação, pela Guarda Municipal e pela Banda de Música de Goiânia.

Durante mais de 20 anos, o prédio serviu como estação ferroviária de Goiânia, até que a linha férrea foi desativada, na década de 70. Anos depois, em 1987, foi criado o Centro Estadual de Artesanato de Goiás, que passou a funcionar no prédio da Estação. O que também foi interrompido.

Em 2003, o então prefeito Pedro Wilson iniciou a restauração do espaço. Segundo a Prefeitura, a obra foi concluída e entregue em 2005, pelo prefeito Iris Rezende. Tempos depois, o prédio foi cedido à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (Sedem), para instalação do projeto Goiânia Digital. O fato é que isso não aconteceu.

Atualmente, vez ou outra, a Banda de Música de Goiânia ensaia no local. Os cômodos também são tomados por motos de policiais ou guardas que trabalham na praça ou próximo a ela. “A Secult Goiânia herdou a Estação Ferroviária com todos os problemas que ela tem. É preciso um restauro urgentemente. Nos últimos tempos, ela estava sendo utilizava por diversas instituições que não podem estar lá, como sede de ONGs”, explica a secretária municipal de Cultura, Glacy Antunes.

De acordo com ela, nenhuma reforma ainda foi concluída na Estação. “Na semana em que eu assumi o cargo de secretária, no início do ano, o prefeito Paulo Garcia me informou que tínhamos sidos incluídos no programa PAC Cidades Históricas, projeto do governo federal para cidades que possuem patrimônios históricos. Em março, organizei todos os papéis necessários e fui com o prefeito à audiência no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A primeira coisa que pedimos foi uma solução efetiva para a Estação Ferroviária.”

A resposta do Iphan e do Ministério do Planejamento deve sair a qualquer momento. Depois disso, o projeto ainda inclui o restauro e a limpeza do espaço. Possivelmente, segundo a secretária, a Divisão de Patrimônio Histórico deverá ir para a Estação Ferroviária. Além disso, a Câmara Municipal aprovou o projeto para a criação do Museu Attílio Correa Lima no prédio. “Tudo isso está em andamento. É preciso uma resolução”, afirma.
Para Glacy, um dos principais problemas em relação à retomada do ponto de cultura é a Feira Hippie, que acontece aos domingos na Praça do Trabalhador. “De uma forma ou de outra teremos de cercar a Estação. O que precisamos fazer é procurar o Conselho Arquitetônico do Patrimônio Histórico para ver como é possível realizar esse trabalho, já que o local é invadido pela feira”, explica.

O jeito agora é esperar. Ícone da arquitetura e arte goianas, o espaço, aos poucos, é vandalizado e deixado às moscas. “É lamentável ver um prédio tão lindo sendo destruído. O que só comprova mais uma vez o quanto a história de Goiânia não é valorizada”, reitera Ribeiro, que já possui uma lista de diversos projetos que poderiam ser sediados na Estação Ferroviária.

Posse de hotel deve ser legalizada logo

Teatro Inacanado pode ser aberto em julho. A Vila Cultural, de acordo com o governador Marconi Perillo, começará a funcionar no dia do aniversário de Goiânia, 24 de outubro. O Martim Cererê é uma icógnita: de acordo com o secretário estadual de Cultura, Gilvane Felipe, o que se pretende é terminar a reforma até o final do próximo mês. Já a Estação Ferroviária espera o sinal verde da Secretaria do Planejamento para se ver restaurada. A Casa das Artes, infelizmente, foi desativada.

Enquanto isso, outros espaços tentam suprir a demanda dos que estão ociosos. O Grande Hotel, por exemplo, que também necessita de uma reforma emergencial, funciona como local para a Divisão de Patrimônio Histórico, a exemplo de documentações, mapas e fotografias, que estão expostos e abertos ao público. Além disso, na parte de baixo, há uma biblioteca infantojuvenil, criada depois de um acordo feito entre a Secult Goiânia e a Universidade Federal de Goiás (UFG).

O problema é que o Grande Hotel, localizado na Avenida Goiás, ainda não é propriedade da Prefeitura de Goiânia. Inaugurado na década de 1930, o local foi o primeiro hotel da cidade e atualmente é um ícone art déco, estilo arquitetônico presente em diversos prédios do Setor Central. Hoje, o prédio pertence ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

“Por meio da Procuradoria Regional da República e a Secult, a Prefeitura já autorizou a compra do Grande Hotel. Já estamos em negociação com o INSS. Apesar disso, já ocupadms o prédio. Além das atividades em funcionamento efetivo, como a biblioteca e a exposição, algumas vezes, o prédio serve como espaço para ensaios e reuniões artísticas. Só que é uma situação desconfortável, já que o prédio não é nosso, pois se fosse, teria sofrido uma reforma emergencial”, explica a secretária municipal de Cultura Glacy Antunes.

E pelo fato de o Grande Hotel não ser da prefeitura, ele não pôde entrar no PAC Cidades Históricas. “Colocamos o Grande Hotel em uma previsão para 2014, e espero que essa negociação termine para que ele possa reativar seus projetos, como as aulas de dança, as discussões e mesas redondas ou as exposições de arte”, reitera.

Se o próximo semestre realmente não servir de reabertura para os espaços fechados, como rezam muitas promessas, a exemplo do Teatro Inacabado, do Martim Cererê e da Vila Cultural, vai se tornar cada vez mais árdua uma postura de comprometimento e interesse cultural. A população já sente falta destes locais. Um dos maiores exemplos é o 1 Ano Sem Martim Cererê, que reuniu mais de 2 mil pessoas para exigir respostas do poder público.

Neste meio tempo, a Casa das Artes, projeto que a própria secretária de Cultura afirmou ser “um espaço que ficou no passado”, pode acabar em mais um edifício residencial de alto padrão ao lado do Lago das Rosas. Há, também, casos muito além do do abandono (que não tem a ver apenas com reformas públicas), como o Teatro Inacabado e a Estação Ferroviária, que, para além de reformas, é necessário desenvolver um contexto de sociabilidade, educação e consciência nas regiões em que estão localizados.

Afirmar com plena certeza que os espaços abandonados são casos isolados de Goiânia pode ser errôneo. Em diversas cidades do País, os centros urbanos estão cheio de locais ociosos. Basta dar uma caminhada nas regiões centrais de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. O que não pode é se acomodar. As condições dos pontos de cultura de Goiânia só reafirmam as problemáticas enfrentadas pelos artistas locais. A pergunta que fica é: espaço, para que o queremos?

Fonte: Jornal O Hoje

Construção aterra nascente de córrego


Aterramento da nascente, destruição de mata ciliar e danos ambientais graves. Todas as ações foram constatadas na construção de um condomínio no Residencial Itaipu, na região sudeste de Goiânia, de responsabilidade da Aliança Engenharia. “A nascente do Córrego Dourados foi amplamente prejudicada. Por mais danificada que estivesse, poderíamos recuperá-la, mas aqui o impacto foi muito grande”, afirma o delegado do Meio Ambiente, Luziano Carvalho, que coordenou uma vistoria em parceria com a Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma). Após a visita, a obra foi paralisada temporariamente e os responsáveis notificados.

A vistoria foi realizada na manhã de ontem pelo delegado e por uma equipe da Dema e acompanhada por um fiscal da Amma. Após a análise, o grupo constatou que houve degradação do meio ambiente, principalmente da mata ciliar local. “Não faltam leis ambientais, é preciso interpretá-las. Só pode ser ignorância, aqui não pode construir. Estão aterrando nascentes, construindo a uma distância muito próxima e essa área deveria ser protegida. É impossível recuperar depois. Vejo aqui neste local um dos piores danos que se pode causar ao meio ambiente, que é justamente destruir nascentes”, explica o delegado Luziano Carvalho.

Após a análise, um inquérito será encaminhado para o Poder Judiciário. “Tendo ou não tendo licença para essa construção, vamos encaminhar para a Justiça”, afirma o delegado. Para Luziano, não há dúvidas de que se trata de uma nascente no local, embora alguns levantamentos apontem o contrário.

A obra foi paralisada, por ordem da Amma, ao final da vistoria. Segundo o fiscal de posturas ambientais da agência, Vicente Batista Filho, a construtora não apresentou as licenças necessárias, o que causou a paralisação da obra. “A licença para a realização do aterramento, que já está sendo feito no local, e o licenciamento ambiental do empreendimento não foram apresentados.”

Segundo Vicente, a obra deve ficar paralisada até que a documentação seja apresentada à Amma. “Caso não haja a documentação, a paralisação temporária pode se estender e o proprietário do empreendimento ser autuado e multado.”

Se ficar comprovado o danoambiental no local e os documentos não forem apresentados, a construtora pode ser autuada por crime ambiental, por se tratar de uma área não edificável devido ao potencial local. A pena pode chegar a um ano de detenção, além de multa de R$ 10 a 100 mil. A reportagem tentou buscar posicionamento nos telefones disponibilizados pela Aliança Engenharia, mas não obteve retorno nas ligações realizadas.

Recuperação de nascentes
A vistoria realizada ontem faz parte do programa Nascentes, implantado em Goiás em 1999. Desde a implantação, mais de cinco mil nascentes já foram recuperadas em todo o Estado. No ano passado, 40 nascentes foram vistoriadas pela Dema em Goiânia.

Fonte: Jornal O Hoje

Visita de Marco Feliciano a Goiânia é cancelada


Pastor/Deputado viria à capital para visita de cunho religioso, mas, após ameaças, a igreja decidiu cancelar o evento que Feliciano participaria.

Depois de sofrer ameaças de pessoas contrárias a vinda do pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) à Goiânia, o pastor João Caetano, da Igreja Evangélica Ministério Semear em Cristo, localizada no setor Sonho Dourado, decidiu cancelar a visita do religioso à igreja.

Conforme informações de João Caetano, o pastor Marco Feliciano, que é amigo dele desde quando morava no Rio de Janeiro, já esteve em Goiânia outras quatro vezes. Entretanto, dessa vez, João Caetano decidiu cancelar o evento, que estava previsto para o dia 04 de julho.

“Pessoas entraram no Facebook da nossa igreja e começou a nos ameaçar por meio de mensagens. Minha secretária também foi ameaçada por telefone. Cheguei a entrar em contato com a polícia. Algumas pessoas postavam comentários na página da igreja dizendo que protestariam, queimariam pneus se Marco Feliciano viesse aqui”, relatou João Caetano.

A igreja havia divulgado o evento em faixas pelas cidades, e segundo João Caetano, algumas pessoas começaram a ligar no número da igreja e afirmarem que se o parlamentar viesse à cidade haveria manifestações na frente do local. “Decidimos preservar o Feliciano, e evitar transtornos para os fieis. Tentei dialogar com as pessoas, mas não deu certo”, ressaltou o dirigente do Ministério Semear.

Fonte: Jornal O Hoje

Pesquisa aponta caos nas cadeias em Goiás


Os 143 presídios e cadeias em Goiás inspecionadas pelo Ministério Público têm capacidade para 8.445 presos, mas abrigavam até março 9.737 pessoas. Ou seja: déficit de 1,3 mil vagas. Mas este não é único problema no sistema prisional levantado pelo MP: dos 143 estabelecimentos carcerários no Estado, 75 não têm camas para os presos, 34 não têm colchões, 134 não oferecem toalha de banho, 111 não oferecem sequer material de higiene, 124 não possuem farmácia, em 122 não existem bibliotecas, 114 não oferecem atividades de lazer e culturais e 101 não existe a prática esportiva.

O inferno no sistema carcerário goiano, segundo o levantamento, não termina: 44% das celas tiveram ventilação considerada ruim (21% foram aprovadas e 33% são regulares) e 43% temperatura elevada (apenas 18% foram consideradas bom e ótimo e 36% regulares). Ou seja: na maioria dos presídios e cadeias em Goiás os presos não têm o que fazer, vivem em péssimas condições e não há nenhuma atividade de ressocialização. Mais: 123 dos 143 estabelecimentos não separam presos provisórios de definitivos e 132 não separam presos primários dos reincidentes.

A pesquisa do Ministério Público mostra que o sistema carcerário em Goiás é o que apresentou o maior número de apreensões de drogas (58 casos), fugas (263), rebeliões (14), homicídios (21), mortes (31) e feridos (145) do Centro-Oeste.

Convém lembrar que o governo estadual tem licitado a construção de quatro presídios, com capacidade para 300 presos cada. Portanto, isto dará para atender apenas o déficit nas 143 unidades carcerárias pesquisadas em Goiás pelo Ministério Público entre março de 2012 e fevereiro de 2013.

Fonte: Jornal O Popular

Goiânia será palco de competição nacional de B-Boys - Red Bull BC One.


Essa é a primeira vez que a capital sedia essa competição

Ao som de muito break, bronx, beat box e block party, os melhores B-Boys do País se apresentam em Goiânia na final nacional do Red Bull BC Onde, no dia 6 de julho, no Sol Music Hall. A competição será realizada pela primeira vez na capital. Dos 16 competidores, apenas três serão escolhidos para concorrer a final da América Latina, na Colômbia, em agosto. O representante eleito na Colômbia irá para a final mundial em Seoul, Coréia.

O movimento, voltado para o hip hop e para a dança de rua, surgiu no bairro do Bronx, em Nova York, no início dos anos 1970. A dança foi uma forma de resistência pacífica às gangues criminosas que dominavam o subúrbio. Depois de popularizada nas ruas, o life style dos B-Boys caiu nas graças de muita gente ao redor do mundo.

Realizado desde 2004, o Red Bull One é uma das competições mais importantes da cena breaking global. Os 16 competidores serão julgados por nomes consagrados e respeitados, como os B-Boys brasileiros Andrezinho e Pelezinho e o italiano Cico. Os ingressos serão vendidos a R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada). Mais informações no site Red Bull BC One.

Fonte: Jornal O Popular

Manifestantes voltam às ruas de Goiânia nesta 5ª


Um grupo de 300 servidores públicos, segundo estimativa da Polícia Militar, protesta nesta quinta-feira, 27, no centro de Goiânia contra o parcelamento da data-base pelo governo estadual. Ainda está marcada para esta quinta mobilização de pequenos empresários na Praça do Trabalhador cobrando fiscalização da Prefeitura contra a concorrência desleal com ambulantes na região. Também há uma mobilização para esta tarde na Praça Universitária, ponto histórico de concentração de estudantes.

A PM escalou 400 policiais para atuar em Goiânia, onde acontecerá ainda uma caminhada a pé para Trindade, no início da Festa do Divino Pai Eterno, mantendo mil policiais de prontidão nos quartéis.

Na noite de quarta-feira, 26, houve confrontos entre policiais e manifestantes em Anápolis. Pessoas que reivindicavam passe livre estudantil já se dispersavam após um acordo com o representante da principal empresa de transportes quando um grupo decidiu ficar sentado, bloqueando a passagem dos ônibus. A Polícia Militar usou bombas de efeito moral e spray de pimenta. Um rapaz foi preso.

Ainda na quarta, em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal, as pessoas se concentraram pacificamente na porta da prefeitura, mas, quando a PM achou que a manifestação já havia terminado, um grupo voltou a se reunir e acabou depredando a fachada do Centro de Convenções. Oito pessoas foram presas.

Em meio aos protestos, o governo de Goiás instituiu o passe livre estudantil em 20 cidades.

Fonte: Diário da Manhã

26 de junho de 2013

Câmara aprova por unanimidade fim do pagamento de 14º e 15º salários a parlamentares



O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (27) o projeto que acaba com o pagamento de 14º e 15º salário a parlamentares. O projeto não precisa de sanção presidencial e entrará em vigor imediatamente. A votação foi simbólica, não nominal, e houve unanimidade.

Durante a votação, o painel eletrônico registrou a presença de 476 deputados.

Atualmente, os parlamentares recebem 15 salários, cada um de R$ 26,7 mil, por ano. Os dois pagamentos a mais são feitos em fevereiro e em dezembro de cada ano, a título de ajuda de custo. O depósito de fevereiro de 2013 já foi feito.

O projeto de decreto legislativo, de autoria da ex-senadora e atual ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann (PT-PR), foi aprovado há cerca de nove meses no plenário do Senado. Ao extinguir os salários extras, o projeto prevê que os parlamentares ainda continuem recebendo dois salários a mais, um no início e outro no final do mandato. Ou seja, para os deputados, a cada quatro anos; para os senadores, a cada oito anos.

O texto tramitava na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara desde maio, mas um acordo entre os líderes partidários permitiu caráter de urgência na votação.

A colocação do assunto em pauta é uma tentativa do presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), de melhorar a imagem da Câmara dos Deputados diante da opinião pública. "Parabéns a este plenário, que resgata a altivez dessa Casa", declarou após a aprovação.

"Como trabalhadores que somos, não merecemos nenhum direito a mais", disse a deputada Manuela D'Ávila (PCdoB-RS), líder da bancada comunista.

"Esta tarde é uma tarde histórica", declarou o deputado Rubens Bueno (PPS-PR). "Esse dinheiro não nos pertence."

Como era de se esperar, nenhum deputado subiu à tribuna para defender a permanência do benefício.

A extinção do pagamento do 14º e do 15º trará economia de R$ 27,4 milhões anuais à Câmara e de R$ 4,32 milhões ao Senado, totalizando R$ 31,7 milhões. De acordo com a assessoria da Câmara, apenas 30 dos 513 deputados abriram mão voluntariamente do benefício.

O subsídio pago aos parlamentares teve origem quando a capital da República federal ainda era o Rio de Janeiro. A ajuda de custo era justificada pela necessidade de os parlamentares terem de se mudar, com suas famílias, para a capital, no início e no final de cada ano, na época em que o recesso parlamentar de fim de ano era de 16 de dezembro a 14 de fevereiro.

No Senado, além de receberam os salários a mais, a maioria dos senadores não pagava impostos sobre os rendimentos recebidos. Em novembro de 2012, o Senado informou que pagou à Receita Federal mais de R$ 5,04 milhões referentes ao Imposto de Renda (IR) que deveria ter sido recolhido nos últimos cinco anos sobre os 14º e 15º salários recebidos pelos senadores.

Fonte: Uol Noticias

Começa recadastramento biométrico para eleitores da região metropolitana de Goiânia


Após o recadastramento eleitoral realizado em Goiânia no ano passado, agora chegou a vez da implantação do sistema biométrico em outros 22 municípios da região metropolitana de Goiânia.

Segundo maior município do Estado de Goiás, Aparecida de Goiânia é o principal município a recadastrar os seus eleitores a partir de agora. A cidade conta com 251.290 títulos que precisam passar pelo recadastramento.

O prazo para a regularização destes eleitores termina só em fevereiro do ano que vem, mas o TRE vai conscientizar a população para não deixar a troca do título para os últimos dias.

Para fazer o recadastramento biométrico, o eleitor deve levar o título de eleitor antigo e apresentar carteira de identidade e comprovante de endereço.

Além de Aparecida de Goiânia, o TRE confirma o recadastramento eleitoral biométrico este ano nas seguintes cidades: Abadia de Goiás, Anápolis, Aragoiânia, Bela Vista de Goiás, Brazabrantes, Caldazinha, Campestre de Goiás, Campo Limpo, Caturaí, Damolândia, Goianápolis, Goianira, Guapó, Inhumas, Nerópolis, Nova Veneza,Ouro Verde, Santo Antônio de Goiás, Senador Canedo, Terezópolis e Trindade

Fonte: Jornal O Hoje

Maior shopping de Goiás marca inauguração para 4º trimestre e promete atender área de influência de 1,6 milhão de pessoas






Executivos do Grupo Sonae Sierra, uma das principais proprietárias, desenvolvedoras e administradora de shoppings centers no Brasil, promoveram na manhã de ontem, a entrega das chaves para os lojistas do Passeio das Águas, que será o maior shopping de Goiás. Localizado na junção das avenidas Perimetral e Goiás Norte, o empreendimento tem 180 mil metros quadrados de área construída e promete gerar mais de 6.300 empregos diretos após a inauguração, prevista para o 4° trimestre deste ano. Na ocasião, o grupo representado pelos portugueses José Baeta Tomás, CEO (Chef Executive Office) da Sonae Sierra e Joaquim Manuel Cantista, diretor de projetos arquitetônicos da empresa, fez um tour local apresentando as novidades arquitetônicas do lugar.

De acordo com a assessoria de imprensa do Sonae Sierra, o projeto do Passeio das Águas adota soluções ecoeficientes na sua construção visando redução de consumo de energia e água. Por exemplo, no teto dos corredores do shopping existem conchas acústicas que além de reduzir o ruído, e consequentemente a poluição sonora, ainda funcionam como clarabóias, privilegiando a luminosidade natural.

"A sustentabilidade é um dos pilares da empresa", de acordo com José Tomás. O empresário explica que este e outros empreendimentos do grupo obedecem a rígidas diretrizes estabelecidas pelo sistema de gestão ambiental da empresa, segundo ele, com uma perspectiva até mais exigente que a própria lei.

Outro diferencial apontado pelo empresário como um dos aspectos mais inovadores do complexo mercantil é a concretização do conceito de "Living Mall", um local que represente uma fronteira de conexão entre o real e o virtual. Soluções arquitetônicas e urbanísticas foram direcionadas para a criação de uma ambiente tecnológico que suporte, não apenas a família tradicional, mas todos os públicos, de forma a integrar seus estilos de vida diversos. José Tomás explica que o objetivo é fazer do Passeio das Águas mais do que um centro comercial. A intensão é que se consolide ali um pólo de convívio social.

Dentro desta lógica, todo o paisagismo da praça de alimentação é voltado para integrar ambiente interno e externo com uma fachada totalmente envidraçada de 20m. Elementos como jardinários e lagos compõem o urbanismo do projeto arquitetônico assinado pela equipe Conceptual Design & Architecture, da Sonae Sierra de Portugal, além de algumas surpresas tecnológicas reservadas para a inauguração, de acordo com o empresário Joaquim Manuel Cantista.

Os restaurantes estarão localizados em uma área externa de acesso direto as quatro mil vagas de estacionamento. Vagas para automóveis elétricos com postos de carregamento, além de dois bicicletários cobertos com capacidade para mais de 200 bicicletas e um vestiário para os ciclistas, são exemplos do perfil inovador do novo Mall.

Inauguração

A previsão para abertura do shopping é de quatro meses. Segundo José Tomás, a abertura das lojas será gradual porque sua instalação é um pouco mais lenta. Ele adianta que a os cinemas são a primeira unidade em obras e que a empresa Cinemark está preparada para contruir sete salas de projeção.

Localizado na região norte da Capital o empreendimento deve atrair também a população de Trindade, Goianira, Senador Canedo e Aparecida de Goiânia, em um total de 1,6 milhão de habitantes sob sua área de influência. "Este será um shopping regional. Que pretende atingir uma área de abrangência alargada até mesmo pela dimensão da empreitada e pela grande capacidade de entretenimento. Pesquisas quantitativas e comportamentais, que para mim são as mais importantes, foram realizadas na região para saber o que as pessoas querem quando vão consumir ou buscar uma opção de lazer", comenta o CEO.

A pretensão de grande abrangência não se limita à perspectiva geográfica. Todas as classes sociais (principalmente a B e C) são alvo deste empreendimento que promete esquentar o mercado imobiliário das regiões norte e noroeste de Goiânia. O investimento do grupo na construção do shopping, que é o primeiro da empresa na região Centro-Oeste, foi da ordem de R$ 384 milhões.

De acordo com o economista Aurélio Troncoso, coordenador do Centro de Pesquisas da Faculdade Alpha e superintendente do Instituto Mauro Borges, a vinda do Shopping vai elevar a qualidade de vida das regiões beneficiadas. Ele esclarece que as regiões norte e noroeste são as que mais crescem na cidade. "Mesmo porque não tem mais para onde Goiânia crescer", arremata. "Um empreendimento monstruoso como este tem tudo para dar certo. Quando instalado, o shopping vai movimentar a área comercial do entorno, gerando um boom imobiliário que ainda não começou. Por isso considero que são as melhores regiões para se investir no momento. Dentro de 4 ou 5 anos, não tenho dúvidas de que o local estará tão valorizado quanto o Parque Flamboyant", avalia.

Projeção que equivale à divulgada pelo grupo Sonae Sierra. "Nosso empreendimento é um equipamento de natureza social que com certeza vai trazer um grande movimento habitacional para a região, a exemplo de outros shoppings do grupo. Mas trata-se de um investimento a longo prazo. Dentro de 4 ou 5 anos pode apostar que a partida é certa", brinca.

O presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (CRECI), Oscar Hugo Monteiro Guimarães também acredita no aquecimento do mercado imobiliário local. Mas para ele tudo depende da qualidade oferecida pelo shopping. "De imediato, os funcionários do shopping vão começar a procurar moradia próxima ao local. Se não houverem muitas ofertas a tendência é dos valores é subir. Mas a valorização do setor ocorrerá mesmo se houver qualidade nos produtos e serviços. A tendência é de agregar valores nos imóveis da região", comenta o presidente.

Segundo o CEO da Sonae Sierra, este é o objetivo. "Sempre buscamos criar valores, para nós e para as cidades onde instalamos nossos investimentos. A intenção é gerar um pólo dinamizador urbanístico em Goiânia, uma cidade jovem e com alto potencial econômico". esclarece. José Tomás explica que esta é uma zona de crescimento e fronteira estratégica com números impressionantes como, por exemplo, um dos maiores PIBs nacionais. "Vir para cá é apostar num futuro que espelhe o passado da cidade", elogia.

Fonte: Diário da Manhã