14 de maio de 2013

Obras do HGG devem durar cinco meses. Atendimentos não serão suspensos



Durante cinco meses, o Hospital Geral de Goiânia (HGG) passará por reformas. As intervenções estão ocorrendo no setor de ambulatório da unidade. Os atendimentos não foram paralisados. Uma adequação foi feita para que as reformas sejam executadas sem que os pacientes sofram grandes prejuízos. Ao todo, 18 consultórios da primeira ala que passarão por intervenções e foram desativados. Outros 12 consultórios foram improvisados em outras alas e em espaços que até então funcionavam serviços administrativos.

Além disso, o Idetch, organização social responsável pela gestão do HGG, criou o horário noturno para tentar atender a demanda, como explica o coordenador de regulação do Idetch, Rafael Nakamura. “Qualquer reforma para ampliar o que já existe sempre gera alguns transtornos, seja na nossa casa ou em um hospital deste tamanho. Nossa preocupação foi de não diminuir a oferta de serviço que já é precária de uma forma geral. Com a criação do terceiro turno, nós pudemos ofertar a mesma quantidade durante a reforma,” afirma.

O terceiro turno foi criado apenas para atender pacientes das seguintes modalidades: cirurgia plástica, ortopedia, cirurgia bocumaxilofacial e psicologia. O Idetch entrou em contato com 408 pacientes para remarcar. Sessenta e seis pessoas ainda faltam ser localizadas. Se você for algum destes pacientes, basta procurar o HGG para realizar a remarcação. Além da reforma na parte interna, há também intervenções na parte externa. Hoje os pacientes e acompanhantes não tem um local próprio para aguardar. Será construída uma grande sala de espera, com capacidade para abrigar 358 pessoas sentadas onde hoje fica localizada uma grande rampa. O acesso será por elevadores e escadas.

Rafael Nakamura explica que a reforma trará benefícios não só para os pacientes, mas também para os profissionais que trabalham no HGG. “A reforma não é somente para o usuário, mas os profissionais de saúde também terão uma condição de trabalho melhor, com um sistema de informação que gera ganho de qualidade e tempo no atendimento,” emenda.

A reforma custará um milhão e seiscentos mil reais. O recurso investido virá do repasse para custeio previsto no contrato de gestão.

Fonte: Portal 730