30 de maio de 2013

Hugo receberá mais 12 leitos de UTI até julho


A diretoria do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) anunciou a abertura de 12 novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) até julho. Com isso, o hospital passará a contar com 70 vagas de UTI, o que representa um aumento de 60% no número de leitos em um ano. A notícia foi dada durante visita do secretário de Estado da Saúde, Antônio Faleiros, à unidade.

As melhorias recorrentes no Hugo são consequência da gestão do Instituto Gerir, que está à frente da administração desde maio de 2012. Nesta data, existiam 44 vagas de UTI no local. O quantitativo subiu para 58, com a abertura de mais 14 vagas.
Neste um ano, também houve aumento de 38% da produtividade no hospital, um crescimento de 52% dos procedimentos cirúrgicos e o pleno abastecimento de insumos.

Além disso, o Hugo inaugurou uma central de hotelaria hospitalar – que conta com tecnologia de ponta e oferece serviço de camareiras aos pacientes – e promoveu a criação de 50 novos leitos de enfermaria (que hoje totalizam 241 vagas), sem aumentar a estrutura física. O pronto-socorro e a UTI agora dispõem de equipamentos de última geração em termos de tecnologia hospitalar.
Durante a visita do secretário de Saúde, o superintendente técnico do Instituto Gerir, José Mário Meira Teles, informou que todos os avanços foram possíveis graças à forma otimizada de uso dos recursos e a um modelo de gestão arrojado. Em apenas 12 meses, foram economizados R$ 18 milhões para o Estado, o que representa R$ 1,5 milhão por mês.

O diretor-geral do Hugo, Ciro Ricardo Pires, destacou que o sucesso da nova gestão é o resultado de um trabalho intenso, visão crítica e humildade. “O Hugo estava em situação bastante vulnerável. Com a administração da OS e o apoio de cada colaborador, hoje caminhamos rumo à excelência”, afirmou.

O secretário Antônio Faleiros afirmou estar satisfeito com tudo que viu no novo Hugo. Lembrou que, quando anunciou a possibilidade de terceirização da administração das unidades de saúde por meio de contratos com as organizações sociais, foi bastante criticado.
Entretanto, destaca que estão no caminho correto. “Apesar de todas as críticas que enfrentamos, sei que fizemos a aposta certa”, enfatizou.

Fonte: Diário de Aparecida