14 de maio de 2013

CMTC realiza intervenção em 23 linhas



CMTC realiza intervenção em 23 linhas

Com a justificativa de beneficiar os usuários do transporte coletivo, a partir desta quarta-feira (15/4) a Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC) vai alterar a planilha de horário de 23 linhas. Destas, oito vão ganhar mais viagens em dias úteis e aos finais de semana. As demais terão o horário ajustado para mais ou para menos.

Para os próximos dias está previsto o aumento na tarifa do transporte coletivo em Goiânia, que passará de R$ 2,70 para R$ 3,20. Devido a uma possível escassez de sitpass nos postos de vendas credenciados, representantes do Procon e do Setransp se reuniram nesta segunda-feira (13/5) para tratar do assunto. Entre as medidas, ambos acordaram que os postos credenciados que retiverem os bilhetes e que não repassarem aos usuários perderão a concessão.

As linhas que atendem a região do Jardim do Cerrado terão acréscimo de 23 viagens nos dias úteis, aos sábados e domingos. São elas: 338 (T. Pe. Pelágio/T. Vera Curz/Jd. do Cerrado I; 347 (T. Pe. Pelágio/T. Vera Cuz/Jd. Cerrado) e 344 (T. Pe. Pelágio/T. Vera Curz/Jd. do Cerrado VII).

As linhas 015 (T. Pça “A”/Flamboyant – Via T. Isidória), 133 (T. Garavelo/Jd. Itaipu), a 326 (T. Garavelo/Res. Real Conquista), 341 (T. Pq. Oeste/BR-060/Buena Vista), 347 e a 572 (T. Garavelo/Res. Itaipu) também ganharão mais viagens durante a semana.

Agentes de transporte vão orientar os usuários sobre as alterações nos terminais que recebem essas linhas e, cartazes contendo informações sobre horários também serão afixados dentro dos ônibus.

Com o intuito de coibir o aumento na tarifa da passagem e reivindicar melhores condições para uso, estudantes universitários e do Ensino Médio realizaram protesto no último dia 8 no cruzamento das Avenidas Anhanguera e Goiás, no Setor Central. Os manifestantes atearam fogo em papelões e fizeram uma barricada para impedir o tráfego nas vias. Policiais do 1º Batalhão de Choque da Polícia Militar (Choque) acompanharam a manifestação e chegaram a se posicionar em caso de necessidade de intervenção.

No dia 2 de maio motoristas do transporte público da capital e da região metropolitana paralisaram seus trabalhos porque a proposta de aumento dos salários não atendiam suas reivindicações. A paralisação causou transtornos à população.

Confirma mais detalhes no quadro de alteração



Fonte: Jornal Opção