19 de abril de 2013

Rede hoteleira de Goiânia aumenta número de leitos



Alta entre 2008 e o ano passado foi de 22,4%, de acordo com o Censo Hoteleiro 2012. Setor está de olho nas Copas das Confederações.

A rede hoteleira de Goiânia aumentou em 3,55% o número de leitos entre 2010 e 2012 e em 22,44% entre 2008 e o ano passado, segundo o Censo Hoteleiro de Goiânia 2012, apresentado ontem. O foco do setor é acompanhar o cenário turístico brasileiro nos próximos dois anos e acomodar a possível elevação no fluxo de hóspedes, motivada por eventos de cunho internacional como as Copas das Confederações de Futebol e a do Mundo em 2014.

A terceira edição do estudo bianual, encomendado pela Secretaria Municipal de Turismo de Goiânia (Setur) e executado em uma parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e pequenas Empresas (Sebrae-GO) e Goiás Turismo, detectou que a oferta hoteleira cresceu. Em 2008 havia 13.215 leitos, já em 2012 são 16.181, um aumento de 2.966 leitos em quatro anos. Já com relação a 2010 a oferta cresceu em apenas 555 leitos. A média do tempo de existência da hotelaria goiana é de aproximadamente 13 anos.

Para o presidente da Associação Brasileira de Recursos Hídricos (ABRH), Arnaldo Freire, que também é empresário do setor hoteleiro em Goiânia, a pesquisa contribui para que investidores do ramo conheçam as particularidades da hotelaria em Goiânia e planejem investimentos de forma mais adequada.

Demandas
O diretor técnico do Sebrae Goiás, Wanderson Portugal, ressalta que o censo é uma ferramenta para identificar as de­man­das do setor e ter a oportunidade de melhorar a estrutura da rede hoteleira no Estado.

O estudo mostra que o mês de novembro é o pico da alta temporada em Goiânia que vai de setembro a dezembro. Os piores meses para a hotelaria na capital continuam sendo janeiro e fevereiro. A média da taxa de ocupação no ano de 2010 foi de 59,5% e em 2011 foi de 59,3%, mantendo-se praticamente estável, mas com redução nos estabelecimentos de categoria simples e crescimento das categorias econômica, turística e luxo e superior.

Entre estabelecimentos que abriram e outros que fecharam as portas, Goiânia teve um saldo positivo de apenas um hotel, em relação a 2010, sendo registrados 153 hotéis no perímetro urbano da capital. O Setor Norte Ferroviário tem a maior concentração hoteleira, sendo que 44 estabelecimentos, ou 29% do total, localizados neste setor. Em seguida, vêm o Centro de Goiânia, com 31 hotéis (20%).

Gestora de turismo do Sebrae, Andréia Carneiro diz que o turismo na capital tem atingido maior maturidade nos últimos anos. Coordenadora da pesquisa, Vanessa Leal pontua que o Censo usou a mesma metodologia das edições anteriores dando confiabilidade aos resultados e definido com maior precisão a situação da rede hoteleira goianiense.

54% do turista goiano vem de São Paulo

O perfil do hóspede goianiense é predominantemente o turista de negócios, segundo o Censo Hoteleiro de Goiânia 2012. Também significativos, apareceram o turista de saúde, com 32%, e o turista de eventos, com 24%. Já com percentuais bem menores apareceram turista de lazer, 12%, turista religioso, 12%, turista de estudos, 9%, e morador local, 3%. A maior parte dos turistas goianos é de outros Estados; em menor representatividade temos 44% originários do interior do Estado de Goiás, 22% de outros países e 2% morador local.

Os Estados emissores que apareceram com maior frequência foram: São Paulo (54%), Pará (35%), Distrito Federal (35%) e Mato Grosso (28%). As cidades do Estado de Goiás que apareceram com mais frequência foram: Rio Verde (61%), Jataí (30%), Itumbiara (13%) e Mineiros (12%). Os países que apareceram na pesquisa foram: Espanha (27%), EUA (24%), Portugal (21%) e Itália (15%).

A pesquisa constatou uma pequena variação no número de dias de permanência do turista em Goiânia na alta temporada. Houve diminuição do número de pessoas que permanecem dois dias e aumento das pessoas que ficam três dias. O cálculo da média do tempo de permanência identificado foi de três dias tanto no censo de 2008 quanto no do ano passado.
A média geral do valor da diária praticada pelo segmento hoteleiro de Goiânia em 2012 é de R$ 87,21. O estudo detectou uma grande variação entre a menor e a maior média do valor da diária praticada. O menor valor encontrado foi de R$ 20 e a maior foi R$ 258.

Empregos
Os 153 hotéis de Goiânia empregam um total de 2.418 pessoas, segundo o Censo Hoteleiro de Goiânia 2012. A pesquisa comprova que quanto mais elevada a categoria do hotel, maior é o número de pessoas ocupadas. Os dados coletados para o estudo apre­sentam que os hotéis das categorias superior e luxo empregam um maior número de colaboradores em relação ao número de estabelecimentos.

A média de pessoas ocupadas por estabelecimento na categoria luxo é de 109 pessoas; na superior é de 63; na turística, 35; na econômica, 12; e na simples, cinco.

Fonte: Jornal o Hoje