8 de abril de 2013

Prefeitura assume brinquedos do Parque



A Prefeitura de Goiânia assumiu a manutenção e a operação dos 30 brinquedos do Parque Mutirama no início de março, mesmo sem ter funcionários especializados. Diretor-presidente da autarquia municipal que administra o Parque, o jornalista Jairo Gomes reforça que foram aproveitados técnicos do quadro da Prefeitura para montar a equipe, com 47 funcionários. Frequentadores do Parque contam que se tornaram frequentes os problemas com os brinquedos, especialmente na montanha-russa.

Segundo frequentadores, funcionários e permissionários do parque, brinquedos parados e mal cuidados são frequentes desde a saída da empresa Astri Decorações Temáticas, que administrou o Mutirama até fevereiro. A reportagem do POPULAR pode constatar, em fotos divulgadas por visitantes em redes sociais, muitos brinquedos com a pintura gasta e locais decorativos sem os devidos cuidados, como o lago com os dinossauros sem água e também sem pintura. A grama na entrada do local dos dinossauros também estava alta no último fim de semana.

Outros relatos colhidos de visitantes, dão conta da ausência de alguns brinquedos nos últimos dias, sobretudo do teleférico e do tobogã, que passavam por reparos, além de sujeira nos brinquedos. Pessoas ouvidas pela reportagem na manhã de ontem, enquanto saiam do parque, constatavam o problema de sujeira e falta de cuidados, mas todos os brinquedos funcionavam. A equipe de manutenção do Parque Mutirama, na tarde da última quinta-feira, por exemplo, realizava reparos no teleférico. Crianças de três escolas públicas que estavam no local não puderam usufruir do brinquedo. Parte dos carrinhos do autopista e o trenzinho também estavam em reparos. Outra atração esperada pelos visitantes, a torre, nunca entrou em funcionamento. A promessa é que ela possa funcionar na próxima semana.

Jairo Gomes garante que há cuidado com a qualidade do serviço prestado pelos servidores municipais na manutenção dos brinquedos. “Recrutamos parque funcionários gabaritados, que estavam em outras funções. São eletromecânicos e eletrotécnicos”, argumenta. Há também funcionários comissionados que, até fevereiro, prestavam serviço para a ITA Entretenimento, responsável pela manutenção dos brinquedos.

O diretor-presidente argumenta que neste primeiro mês de trabalho os problemas com os brinquedos não são relevantes. “Houve algumas paralisações de no máximo 40 minutos, para algum conserto específico, mas coisas que ocorrem em qualquer parque de diversões”, reforça. A manutenção preventiva é realizada diariamente, de terça a domingo, explica.

A licitação para a terceirização dos serviços já estava pronta, mas foi revogada em fevereiro. De acordo com Gomes, ao assumir a manutenção, a Prefeitura vai economizar cerca de R$ 6,29 milhões, que seriam pagos à G&R Empreendimentos e Diversões, vencedora da licitação realizada em novembro do ano passado e que assumiria os trabalhos em março.

O contrato seria firmado pela Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Semel), que era responsável pelo Parque Mutirama. De julho de 2012 a fevereiro deste ano, a manutenção e operação dos brinquedos eram feitas pela ITA Entretenimento. Em 15 de fevereiro, o titular da Semel, Sebastião Peixoto, revogou a licitação para contratação da G&R, sob o argumento de “revisão do objeto licitado”.

De acordo com Peixoto, a licitação foi revogada porque a Semel deixou de ser responsável pelo Parque Mutirama e já não possuía orçamento para a finalização do acordo. “Nosso orçamento era de R$ 12 milhões, mas com a criação da autarquia do parque, a divisão ficou em R$ 8 milhões para o Mutirama e R$ 4 milhões para a Semel, então ficamos sem condições”, conta o secretário.

Licitação para permissionários de quiosques deve sair até agosto

O diretor-presidente da autarquia municipal que administra o Parque Mutirama, Jairo Gomes, tem até agosto para abrir e finalizar o processo licitatório para escolher os 42 permissionários do local. Eles serão responsáveis pelos quiosques de comercialização de alimentos e objetos dentro do parque. Dos oito que estavam em situação irregular no local, sete foram convocados a sair antes mesmo da licitação. Apenas um vendedor de algodão doce permanece.

O pedido de licitação foi feito por dois promotores ligados ao patrimônio público, Fernando Krebs e Villis Marra Gomes. Segundo a promotora, os comerciantes obrigados a sair não tinham licença para atuar no local. Eles atuavam fora de quiosques, em lonas, sem a estrutura necessária e, por isso, foram retirados.

Quando o Parque Mutirama foi inaugurado, em 2012, a ideia da Prefeitura era que já fosse feita uma licitação para os permissionários. No entanto, houve negociação com os comerciantes que estavam no local quando o parque foi fechado. Assim, eles ficariam no Mutirama pelo mesmo período em que o parque ficou fechado, cerca de um ano, e depois haveria a licitação.

Os novos permissionários deverão trabalhar no parque com um público de 3 mil pessoas por semana – logo após a inauguração, o público chegou a 10 mil por mês. Segundo Jairo, é natural a redução do público com o fim das férias escolares, mas a administração estuda formas de incentivar as visitas.
1.303980

Fonte: Jornal O Popular