8 de abril de 2013

Melhora a avaliação de gestores



Pesquisa em Goiânia aponta crescimento na aprovação dos desempenhos de Marconi Perillo e Paulo Garcia.

As avaliações dos goianienses em relação às administrações do prefeito Paulo Garcia (PT) e do governador Marconi Perillo (PSDB) melhoraram no último mês. Segundo pesquisa Serpes feita em 31 de março e 1° abril, o petista tem 36,9% de avaliação positiva, sendo 33,9% de bom e 3% de ótimo. Enquanto isso, 29,2% dos 401 entrevistados afirmaram que a atuação do tucano é positiva (24,2% de bom e 5% de ótimo). A margem de erro é de 3,89 pontos porcentuais para mais ou para menos.

Os desempenhos dos dois administradores é melhor do que o registrado em 5 de março. No caso do governador, a avaliação positiva se manteve praticamente estável com a evolução de apenas 0,1 ponto porcentual no período. No entanto, sua avaliação negativa de 28,9%, com 20,2% de péssimo e 8,7% de ruim, é 7,8 pontos porcentuais menor do que o apontado na última pesquisa, quando 21,7% dos entrevistados consideraram seu governo péssimo e 15% ruim.

De acordo com a pesquisa, a nota de Marconi é de 4,6 pontos em escala de 1 a 10, caracterizando uma avaliação “ligeiramente negativa”.
Com nota de 5,3 e uma avaliação “ligeiramente positiva”, Paulo Garcia melhorou, também em comparação com o último levantamento, os índices de avaliação negativa e positiva, que era de 33,4% em março e subiu 3,5 pontos porcentuais, variação que se encontra dentro da margem de erro.

Entre os entrevistados da nova pesquisa, 16,9% disseram reprovar a gestão do prefeito, que atingiu 9,7% de péssimo e 7,2% de ruim. Em março, o índice de eleitores insatisfeitos com o trabalho do petista era 3,5 pontos porcentais maior (20,4%).

Tanto na avaliação do prefeito quanto na do governador, o maior índice é dos eleitores que estão em cima do muro. Em relação a Marconi Perillo, o índice de regular subiu de 31,2% para 38,2%, apresentando elevação de 7 pontos porcentuais. O trabalho de Paulo Garcia foi considerado regular por 42,6%, revelando uma ascenção de 2,2 pontos porcentuais em relação ao último levantamento.

O melhor desempenho do petista foi registrado entre homens que têm idade entre 16 e 24 anos e ensino médio. Já o pior, foi constatado entre pessoas do sexo masculino com idade entre 35 e 49 anos e curso superior.

No caso de Marconi, a melhor avaliação foi encontrada entre mulheres que têm entre 16 e 24 anos e ensino fundamental. As eleitoras com idade entre 35 e 49 anos e curso superior foram as que mais avaliaram negativamente a atuação do tucano.

PRESIDENTE

Com a melhor avaliação, a presidente Dilma Rousseff (PT) alcançou aprovação 56,4% dos entrevistados, com 41,9% de bom, 14,5% de ótimo e elevação de 0,1 ponto porcentual em relação às pesquisa Serpes realizada no início de março.

Seguindo a mesma tendência, ainda dentro da margem de erro, a reprovação saiu de 12,9% no mês passado para 13,5% (9% de péssimo e 4,5% de ruim), revelando elevação 0,6 ponto porcentual.

Entre os 401 entrevistados, 27,4% consideraram o desempenho da presidente regular, índice que era de 28,4%, demonstrando queda de 1 ponto porcentual. Outros 2,7% dos eleitores goianienses preferiram não opinar.

Saúde continua como a maior preocupação


Apesar de uma de uma redução de 15 pontos porcentuais, a pesquisa Serpes mostra que saúde continua no topo das preocupações dos goianienses. Ao responder de forma espontânea ao questionamento sobre que é mais urgente e necessário entre tudo o que precisa ser feito na capital, 74,7% dos eleitores da capital apontaram problemas relacionados com o tema.
Com leve queda em relação ao levantamento de março, segurança aparece logo em seguida com 42,4%. O índice era de 46,8% no último mês.

Em terceiro lugar, aparece com 37,6% os serviços urbanos, que incluem limpeza das ruas e transporte coletivo. Segundo o Serpes, essa preocupação era apontada por 33% na última pesquisa, revelando aumento de 4,6 pontos porcentuais.
A infraestrutura urbana física foi apontada com a maior preocupação por 12,6% dos entrevistados.

Fonte: Jornal O Popular