5 de abril de 2013

Corredor da Av. T-63 já apresenta ganho de velocidade para o transporte coletivo



O corredor T-63 ainda não está finalizado e, em meio a tanta polêmica sobre a proibição de estacionamento ao longo da via, já contabiliza ganhos de velocidade para o transporte coletivo. Monitoramento de tráfego feito no corredor T-63, e encaminhado pelo consórcio RMTC para a Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), aponta ganho no tempo de viagem dos ônibus de 14% a 26% em horários críticos.

A pesquisa foi feita dos dias 18 a 20 de fevereiro e de 1º a 3 de abril. Atualmente, circulam no corredor T-63 nove linhas do sistema, sendo três delas do serviço Citybus. Por dia, são transportados neste corredor cerca de 80 mil passageiros.

Para o coordenador de projetos de corredores preferenciais da CMTC, Sávio Afonso, os primeiros dados revelam que mesmo o corredor não estando implantado na totalidade, entende-se que o objetivo de priorizar o transporte de massa com mais fluidez está sendo atingido. “Esse resultado estimula a equipe toda a dar continuidade a implantação dos corredores preferenciais na cidade de Goiânia”, diz.

O consultor de trânsito e transporte, Alexandre Zum, contratado para elaborar os projetos de corredores de transporte, complementa os benefícios que esse modelo traz para a cidade, ressaltando uma característica da capital. “O desenho de tráfego que Goiânia oferece contribui bastante para a implantação de projetos que trabalhem a mobilidade urbana. Os corredores, por exemplo, foram elaborados para terem conexão um com o outro e não de forma separada. Outra característica relevante é que Goiânia não está preocupada somente com o transporte de massa. Quando discutimos o modelo ideal para a cidade, nos foi solicitado que todos os parâmetros de mobilidade fossem inseridos. Nos projetos visamos o pedestre, o ciclista e o usuário do transporte coletivo. Isso agrega qualidade de vida para a cidade”, explica o consultor.

O projeto da Prefeitura de Goiânia reúne 14 corredores preferenciais que juntos somam 102 quilômetros. O corredor Universitário, o primeiro a ser implantado e em funcionamento desde junho do ano passado, apresenta resultados promissores para o transporte e para o trânsito da região com ganho no tempo de viagem de até 48%. Outros seis corredores já estão com o projeto básico de tráfego concluído, são eles: corredor T-63, T-7, T-9, Avenida 85, Avenida 24 de Outubro e Independência.

Há de se ressaltar que o corredor Universitário, com os 2,5 km de extensão, tem como atributos uma ciclovia; calçada sustentável; rampas de acessibilidade com pontos de recarga do lençol freático; novo asfalto para a pista de rolagem; nova sinalização de trânsito e de transporte horizontal e vertical; fiscalização eletrônica; novos abrigos e uma comunicação visual adequada voltada para o usuário do transporte coletivo.

A instalação de corredores de transporte consta no Plano Diretor de Goiânia e foi amplamente discutida durante dois anos na Câmara Municipal, entre 2005 e 2007. Quinze audiências públicas foram realizadas, além de reuniões e palestras com segmentos da sociedade civil organizada. O Plano Diretor foi aprovado em 2007.

Fonte: Prefeitura de Goiânia