19 de abril de 2013

Copa das Confederações: Aeroporto de Goiânia e base aérea de Anápolis receberão fluxo de Brasília



O governo vai reservar 1.153 vagas para estacionar as aeronaves que vão chegar ao País durante a Copa das Confederações com turistas e delegações. De acordo com o ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Moreira Franco, as vagas estarão disponíveis em uma rede de 33 aeroportos e oito bases aéreas nas cidades-sede da competição ou nas proximidades. A estrutura prevê voos domésticos, internacionais, aviação geral e VIP.

"Fizemos o levantamento nos principais aeroportos e no entorno sobre quantas posições existem para acolher essas aeronaves. O número é absolutamente suficiente", afirmou o ministro.

Em Brasília, por exemplo, além do aeroporto internacional Juscelino Kubitschek, funcionarão como alternativos ou acessórios o aeroporto de Goiânia e a base aérea de Anápolis. Essas e outras medidas foram aprovadas e divulgadas nesta quinta-feira, 18, pela Comissão Nacional de Atividades Aeroportuárias (Conaero).

O plano foi elaborado com base nos números de vendas de ingressos para os jogos. A maior demanda de passageiros será no Rio de Janeiro, onde ocorre a final da competição - 47 mil ingressos foram vendidos. Todas as atividades serão geridas pelo Centro de Comando e Controle Nacional, que funcionará 24 horas por dia entre os dias 12 de junho e 3 de julho, no Rio.

"O objetivo é não só garantir a qualidade imediata. Isso servirá também como um treinamento para a Copa do Mundo", afirmou o ministro. "Vamos adotar medidas para que nos preparemos no detalhe e, com isso, garantir que não haja surpresas."

Para atender à demanda de passageiros, o governo pretende reforçar em 77% o número de servidores que atuam nos aeroportos, que inclui Polícia Federal (PF), Receita Federal, Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), além de operadores aeroportuários. Ao todo, serão 1.723 funcionários a mais no período.

Nos aeroportos das cidades-sede e no aeroporto de Guarulhos (SP), a quantidade de agentes da PF vai aumentar 268% durante a Copa das Confederações, de 313 para 840. Também haverá reforço no número servidores em Congonhas e Santos Dumont.

Durante a competição, haverá regras específicas para o funcionamento do espaço aéreo. A Força Aérea Brasileira (FAB) criou áreas de exclusão nas proximidades dos estádios, e, dependendo do local, o sobrevoo de aeronaves poderá ser reservado, restrito e proibido. As restrições serão impostas uma hora antes dos jogos e quatro horas depois do fim das partidas.

No momento dos jogos, por exemplo, não serão permitidos voos num perímetro de até 7,4 quilômetros a partir dos estádios, a não ser militares, de segurança pública, ambulância e envolvidos em atividades operacionais.

Até maio, haverá simulação de todas as atividades, como recepção de delegações e convidados VIP, além de check-in, embarque e restituição de bagagens. O primeiro será em Belo Horizonte, na próxima segunda-feira, 22, com a chegada da seleção do Chile para um amistoso com a seleção brasileira.

Fonte: O Popular