24 de abril de 2013

Comerciantes protestam contra corredor de ônibus da T-63



Desde que foi anunciada a construção de um corredor exclusivo para ônibus na T-63, no início do mês passado, comerciantes e Prefeitura não entram em acordo. O órgão municipal argumenta que tem que priorizar o transporte coletivo. Reclamando da queda de movimento por falta de estacionamento, os comerciantes da avenida não se conformam. Por conta disso, eles já protagonizaram algumas manifestações na Capital, mas a Prefeitura não recua e ainda anuncia que as avenidas T-7 e 24 de outubro devem receber intervenções semelhantes ainda nesse semestre. Desde as onze horas centenas de comerciantes tumultuam o trânsito da avenida em novo protesto.

Com faixas e cartazes, com dizeres como “Corredor do Desemprego” os comerciantes esperam que a Prefeitura reveja a decisão. Milton Lima tem dois comércios na avenida a mais de 20 anos – uma papelaria e uma distribuidora de bebidas. Segundo ele, já está cogitando a possibilidade de fechar a distribuidora por falta de movimento. “Na papelaria o movimento caiu cerca de 30% e na distribuidora chega a 50%,” lamenta. Ele explica que se o cliente não tem onde estacionar opta por fazer suas compras em outros locais. Também lembra que não há como fazer estacionamentos na porta das lojas por conta dos recuos que são pequenos.

Em nota, a Prefeitura de Goiânia afirmou que “respeita o direito de manifestação dos goianienses e está sensível às demandas dos comerciantes da Avenida T-63”. Segundo o texto, alternativas para estacionamento na avenida estão sendo discutidas entre comerciantes e profissionais da Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade (SMT), de acordo com as diretrizes da legislação de trânsito.

Fonte: O Hoje