18 de março de 2013

Prefeitura reafirma compromisso com a adoção de PPPs


Secretário de Governo, Osmar Magalhães, acompanhou o prefeito Paulo Garcia à 54ª reunião anual do BID, onde a importância das parcerias foi debatida
Fernando Leite/Jornal Opção
Secretário de Governo, Osmar Magalhães, defende que parcerias entre governos e entidades da sociedade civil são fundamentais para redução das desigualdades
Thiago Burigato

A prefeitura de Goiânia acredita que as parcerias público-privadas (PPPs) são um dos caminhos a serem desempenhados para promover a redução das desigualdades. A declaração foi feita pelo secretário municipal de Governo, Osmar Magalhães, que faz parte de uma comitiva que acompanhou o prefeito Paulo Garcia (PT) à 54ª reunião anual da Assembleia de Governadores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), no Panamá.
O potencial das PPPs foi um dos temas centrais do encontro mundial, que ocorreu entre os dias 13 e 17 deste mês. "É preciso construirmos, também em Goiânia, parcerias que garantam a inclusåo social”, disse Osmar Magalhães. Para ele, os empresários goianienses devem se inspirar com os bons exemplos de parcerias entre os governos e entidades da sociedade civil.
Alguns dos exemplos citados pelo secretário são as construções das praças da T-23 e da T-51, que, segundo ele, tinham em seu projeto o compromisso com a sustentabilidade.  "Nos dias atuais, e não só em Goiânia, diversos segmentos da sociedade estão abraçando o compromisso social. É o empresariado, em especial, retornando uma parte do lucro para a coletividade", declarou.
No encontro do BID participaram lideranças de 48 países em debates e compartilhamentos de experiências sobre desenvolvimento urbano aliado à preservação ambiental. Estiveram presentes grandes empresários como Carlos Slim Helú, presidente da Fundación Carlos Slim; e Bill Gates, co-presidente da Fundação Bill & Melinda Gates. 
O encontro foi encerrado ontem com o anúncio de que Salvador, capital da Bahia, foi escolhida para ser a sede da Assembleia Geral do BID no ano que vem.
Fonte: Jornal Opção