Venha aí espécie de pequi sem espinhos

11:44 10 Comments A+ a-


Novidade para os que apreciam o pequi, mas temem os famosos espinhos. Está próximo de chegar à mesa do goiano o fruto do Cerrado sem espinhos. Pesquisa realizada em parceria da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Goiás (Seagro) com Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) desenvolve clonagens de plantas para que sejam reproduzidos pequis sem espinhos. O plantio simbólico da primeira muda da fruta foi realizado às 10 horas de ontem, no pátio da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seagro), pelo secretário Leonardo Veloso e também pelo jornalista Batista Custódio, que estava acompanhado de seus filhos João do Sonho e Maria do Céu. Na ocasião, o editor-geral do Diário da Manhã foi presenteado com uma muda do novo fruto.

O projeto, implantado em 2002, é coordenado pela cientista Elainy Botelho Carvalho Pereira (Seagro) e desenvolvido em parceria com os pesquisadores da Embrapa Ailton Vitor Pereira, Nilton Tadeu Junqueira e Eny Duboc. As instituições planejam lançar no mercado, a partir de dezembro de 2011, o material genético para comercialização da nova variedade de frutos que não espeta.

O ponto de partida para a pesquisa foi a chegada de uma carta contendo cinco caroços de pequi. As espécies foram enviadas da cidade mato-grossense Canarana, por Edemo Corrêa. Em um pequeno pedaço de papel, o agricultor disse que as amêndoas não continham espinhos. Das cinco sementes plantadas, apenas uma vingou e deu fruto sem espinhos. As mudas clonadas reproduziram os primeiros frutos sem espinhos no fim do ano de 2007.

Produção
O secretário da Seagro, Leonardo Veloso, afirma que, além do caráter econômico, o novo pequi tem também as vantagens nutricional e ecológica. “Agora vamos favorecer o consumo também para aqueles que não conhecem o pequi. Mas, para isso, precisaremos de uns dois anos para disponibilizar as mudas, quando já deveremos ter umas 800 para a multiplicação.”

Leonardo enfatizou que o plantio simbólico do pequi sem espinho é feito junto com a recriação da Emater, que, já nos próximos dois meses, volta a operar. Segundo o secretário, a Emater facilitará a busca de recursos para os projetos dos agricultores.“A grande vantagem é agilidade, autonomia e mais facilidades na obtenção de recursos para atuação na pesquisa.”

O editor-geral do Diário da Manhã, Batista Custódio, disse que nunca deixou de plantar uma muda de árvore que ganha. “O segredo em preservar a natureza é deixar a planta crescer”, explica. O jornalista, que fez questão de ressaltar que não é ecologista, frisou que as entidades públicas brasileiras e os ecologistas xiitas dificultam o trabalho de preservação ambiental daqueles que são verdadeiros amantes do meio ambiente.

Processo
A clonagem do pequizeiro dá-se pelo processo de enxertia por borbulhia – método em que o enxerto é constituído de uma pequena lasca de caule da planta matriz a ser multiplicada, contendo uma gema ou borbulha (local onde surge um broto). Da planta matriz sem espinho, retira-se uma lasca que é enxertada em uma planta de pequi comum, utilizada como porta-enxerto. Depois de 30 dias, é verificado se o enxerto deu certo ou não. Caso o ciclo tenha se completado, o porta-enxerto (a árvore de pequi comum) é cortado, para que a parte enxertada, ou seja, espécie geneticamente idêntica à primeira muda, possa se desenvolver e reproduzir-se. O prazo mínimo para que a nova muda fique pronta, a partir da clonagem até a sua plantação, é de um ano.

A engenheira agrônoma Elainy explica que, além do fruto sem espinho, a pesquisa visa fazer um levantamento de material genético de alta qualidade para que o fruto do pequi seja mais carnudo, saboroso e resistente às pragas. “O novo pequi é mais polpudo e a cor laranjada é mais intensa. A árvore é vigorosa e tem uma folha maior que a do pequizeiro comum”, detalha.

O estudo do pequi sem espinho encontra-se na fase de multiplicação de material genético, para que depois seja repassado aos viveiristas. Elainy e Ailton contam que serão necessárias no mínimo mil mudas para se iniciar o processo de produção. Um plano de marketing é elaborado para atender a demanda comercial

Benefícios
Não é só se ver livre dos espinhos que o consumidor deve comemorar. Quem degusta o fruto com espinho, coloca no prato uma iguaria de elevado valor nutricional. Pesquisas comprovam que o pequi é rico em vitaminas: 100 gramas de polpa comestível do fruto contém 20 mg de vitamina A (quantidade maior que da cenoura, a garota propaganda da vitamina), 12 mg de vitamina C, 30 mg de vitamina B, 463 mg de riboflavina e 387 mg de niacina. Dessas, destaca-se a vitamina A.

Entenda o processo da clonagem

A clonagem dá-se pelo processo de enxertia por borbulhia – método em que o enxerto é constituído de uma pequena lasca de caule da planta matriz a ser multiplicada, contendo uma gema ou borbulha (local onde surge um broto)
Da planta matriz, retira-se uma lasca que é enxertada em uma planta de pequi comum, utilizada como porta-enxerto.
Depois de 30 dias, é verificado se o enxerto deu certo ou não.
Caso o ciclo tenha se completado, o porta-enxerto (a árvore de pequi comum) é cortado, para que o enxerto possa se desenvolver e reproduzir

Tabela nutricional do pequi:

Tipo/ Medida/ Quantidade
Caloria (Kcal) 89
Umidade (g/100g) 76
Proteína (g/100g) 1,2
Gordura (g/100g) 0,9
Carboidrato(g/100g) 21,6
Fibra bruta (g/100g) 5,5
Minerais totais (g/100g) 0,3
Cálcio (g/100g) 14
Fósforo (g/100g) 10
Ferro (g/100g) 12
Niacina (g/100g) 0,4
Vitamina B1 (g/100g) 0,03
Vitamina B2 (g/100g) 0,46
Vitamina C (g/100g)12

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Diário da Manhã

10 comentários

Write comentários
Anônimo
AUTHOR
2 de março de 2012 15:29 delete

ONDE ENCONTRAR MUDAS DE PEQUI SEM ESPINHAS

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
12 de maio de 2012 18:19 delete

ALGUÉM VENDE MUDA DE PEQUI SEM ESPINHOS?

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
16 de julho de 2012 22:24 delete

um agricultor desenvolve uma descoberta tão interesante como esta, e um bando de aproveitadores se apriam desta descoberta, e não tardará aparecer um espertinho e patentear a descoberta e ganhar muito dinheiro com isto, e o coitado do agricultor que foi o verdadeiro inovador tecnológico, como muitas outras já ocorrida no Brasil e no mundo ficara a margem da historia, duvidao disto?

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
17 de julho de 2012 15:17 delete

ONDE ENCONTRAR MUDAS DE PEQUI SEM ESPINHAS

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
3 de dezembro de 2012 09:09 delete

onde compro as mudas de pequi?
Marilde

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
10 de janeiro de 2013 13:19 delete

onde compro mudas de pequi enxertadas e sem espinho?

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
25 de fevereiro de 2013 08:10 delete

gostaria den saber onde posso comprar mudas de piqui sem espinhos

Reply
avatar
hildegardis
AUTHOR
11 de setembro de 2013 20:01 delete

temos que divulgar e espalha essa variedade.

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
29 de novembro de 2013 17:11 delete

onde adquirir as mudas? Marcelo

Reply
avatar
11 de fevereiro de 2014 10:03 delete

E a multiplicação dessa nova espécie não traria risco de extinção a árvore de pequi comum. A natureza é bem clara com as suas leis. Os fracos somem e os fortes sobrevivem. Por isso se existem mais espécies de pequi comum é porque esse se adaptou melhor.

Reply
avatar