28 de março de 2009

64º Exposição Agropecuária de Goiás (Pecuária 2009)




A 64ª Exposição Agropecuária do Estado de Goiás, programada para o período de 15 a 31 de maio, será diferenciada das anteriores, conforme proposta da diretoria da Sociedade Goiana de Pecuária e Agricultura. Os núcleos, base de apoio da SGPA, e os expositores receberão um tratamento Vip.
A idéia é valorizar o expositor, segundo depõe o presidente da entidade, Luis Humberto de Oliveira Guimarães, que vem estabelecendo uma relação estreita com os núcleos, que totalizam 27. A resposta é a melhor possível, com todos mostrando disposição para uma sensível melhoria de qualidade da mostra de maio.

O Rodeio SGPA em Touros contará com os melhores campeões do Brasil em montaria. Na arena serão montadas arquibancadas para 15 mil pessoas.

GRADE DOS SHOWS:

Dia 15 - Show da Banda Calypso.
Dia 16 - Show com João Neto e Frederico e Léo Magalhães
Dia 21 - Show de Victor e Leo
Dia 22 - Show de Hugo Pena e Gabriel
Dia 23 - Show de Fernando e Sorocaba
Dia 27 - Show Padre Fábio de Melo.
Dia 28 - Show Nechivile e Rodeio
Dia 29 - Show de Cláudia Leitte e Rodeio
Dia 30 - Show de João Bosco e Vinicius e Rodeio

Ingressos:

R$: 16,00 Inteira : 8,00 Meia
Banda Calypso
João Neto e Frederico
Hugo Pena e Grabriel
Fernando & Sorocaba
Padre Fabio de Melo
Nechiville

R$: 20,00 inteira : 10,00 Meia
Victor e Leo
Claudia Leitte
João Bosco e Vinicius

Camarote do Micare Goiânia R$: 50.00
Victor e Leo
Claudia Leitte
João Bosco e Vinicius

Mixed-Use do Campo do Goiás - Goiânia


No vídeo apresentado sobre os quatro anos de gestão de Raimundo Queiroz, uma novidade promete mexer com conselheiros e sócios esmeraldinos. Denominado Centro Empresarial e Comercial Goiás Esporte Clube, o projeto foi repassado na última semana pela construtora Cabeza Sastre (C&S) para ser avaliado.

A empresa atua em São Paulo, Madri (Espanha), México e Lisboa (Portugal). A planta elaborada prevê a construção de hotel cinco estrelas, Shopping , hipermercado, salas para escritórios, heliporto, salas de cinema, praça de alimentação e duas “torres gêmeas”, de 30 andares cada. A C&S pretende investir R$ 428 milhões em 182,3 mil metros de área a ser edificada – o estádio da Serrinha e outras benfeitorias seriam demolidos e apenas 2,5 mil metros quadrados ficariam em poder do clube. No caso de cessão ou arrendamento, o Goiás terá uma contrapartida financeira, pois a Serrinha está em uma área nobre da cidade."

A empresa também irá construir um estádio para o Goiás Esporte Clube no local que aonde hoje e o Centro de Treinamentos.''






Esse projeto ainda esta no site da empresa responsável pela construção.

www.cabezasastre.com.br

"A diretoria do Goias Esporte Clube disse que foi feita sim uma proposta ao clube pela empresa Cabeza e Sastre,mas afirmou que foi no mandato do Presidente Raimundo Queiroz que tinha grandes interesses pelo mega projeto ao Clube. Porém no início deste ano de 2009 este mesmo projeto apareceu no site da Construtora Cabeza e Sastre como início das obras em agosto 2010"

Más:

"A Diretoria do Goias anunciou que o projeto foi sim oferecido ao Goias Esporte Clube,mas devido a algumas clausulas do terreno do estadio da Serrinha que foi doado ao Goias pela Prefeitura ficou inviável para a Construção, além do Mais o presidente de honra do Goias Esporte Clube Hailé Pinheiro afirmou que o projeto não será feito pois tudo o que o Goias construiu nos últimos 15 anos foi embasado no terrenoonde hoje se localiza a Serrinha."

Fonte: Skyscrapercity

Projeto Goiânia III Milênio - Entrevista - Jornal Goyaz



Conheça detalhes do projeto que pode transformar Goiânia na nova cidade modelo ecoturística do Brasil.

A cidade de Goiânia poderá ser favorecida por um mega projeto Eco-Turístico de caráter auto-sustentável cognominado ‘Goiânia Terceiro Milênio’ que visa incrementar o setor turístico da capital e melhorar a qualidade de vida da população com investimentos previstos na ordem de U$172 milhões, custeados entre o PRODETUR (Programa de Desenvolvimento do Turismo, do Ministério do Turismo), BID (Banco Internacional de Desenvolvimento), Governo do Estado de Goiás e Prefeitura de Goiânia. Competirá a Prefeitura de Goiânia, sob a chefia do Secretário Municipal de Turismo e idealizador do projeto, Euler de Moraes, o papel político-administrativo com objetivo de gerenciar a premeditação territorial urbana de fins turísticos. 

Também caberá a Prefeitura de Goiânia a anexação das previstas Zonas Especiais de Interesse Turístico (ZEITs) ao Plano Diretor, visando criar regras e incentivos à ocupação do solo nas áreas identificadas como potenciais para o aporte dos empreendimentos. Já o governo do Estado de Goiás, na pessoa do presidente da GOIÁSTUR, Barbosa Neto, um dos dirigentes envolvidos no projeto, deverá abonar as ferramentas políticas e de infra-estrutura para o incremento do turismo em Goiás, com a intenção de tornar Goiânia cidade com maior capacidade de atrair turistas. 

Um dos pontos que demandam maior debate entre Prefeitura e Governo está na questão do modelo a ser adotado para proteção do reservatório de água. A direção da SANEAGO sugere a instalação de um aparato de cercas ao redor de todo lago e ainda policiar o local como se esta fosse uma espécie de caixa d'água de Goiânia, seguindo conceitos de uma política de coerção muito criticada em São Paulo, aplicada nos reservatórios de Billings e Guarapiranga. E a Prefeitura de Goiânia visar usar as ZEITs como zonas-tampão, sem desrespeitos a legislação ambiental, e propõe para a região da bacia hidrográfica do João Leite uma política de desenvolvimento sustentável que inclui coleta e tratamento de resíduos sólidos para um conjunto de sete municípios vizinhos a Goiânia. 

Do Governo Federal espera-se a liberação da linha de crédito para o Turismo, Esgotamento Sanitário e Obras de infra-estrutura já previstas no PAC. O projeto Goiânia III Milênio possui carta consulta aprovada pelo Ministério do Turismo, e deverá receber do PRODETUR - Programa do desenvolvimento do Turismo e BID, o volume de recursos necessários para implantação do projeto. As ações estão agora voltadas ao estudo de viabilidade econômica para definição do perfil de empreendimentos e de investidores. Em fase adiantada está o debate em torno da construção do novo Parque de Exposições Agropecuário na região que acontece entre Governo de Goiás, SGPA e Ministério Público. “Um Projeto desse nível atrai em muito os investidores do setor imobiliário. No ano passado, estive no Barcelona Meeting Point, uma das maiores feiras mundiais de investidores do setor imobiliário em turismo. 

A receptividade de investidores que conheceram a proposta do projeto Goiânia II Milênio foi muito boa, tendo resultado em bons contatos com investidores europeus, asiáticos e árabes” revela a reportagem, o Secretário Municipal de Turismo, Euler de Moraes.

BENEFÍCIOS

O projeto prevê a conclusão do Anel Viário na região metropolitana de Goiânia, de um Parque Ecológico em área de mata semi atlântica de 4.100 hectares localizada em Goiânia, lago com 16 km de extensão para abastecimento de água e prática de esportes náuticos, reforma e ampliação do Aeroporto de Goiânia projetado com novo terminal e pistas de pouso e decolagem, e antevê a contemplação de três zonas especiais de interesse turístico. A primeira delas chamada de ZEIT 1 poderá ser regulamentada em parte pela PRODETUR, com admissão de uso característico rural, alto controle de restrições e compreende áreas nas regiões de Goiânia, Nerópolis, Goianápolis, Terezópolis de Goiás, Anápolis, Campo Limpo de Goiás, e Ouro Verde de Goiás. A Zona ZEIT 2 é caracterizada pela transição rural/urbana, não prevê regulamentação do PRODETUR, e será usada como espécie de ‘tampão de proteção’ para o reservatório que poderá ter espelho d’água com cotas de 751 metros. A outra zona contém duas classificações. ZEIT 3A para região da Zona Rural segundo a Lei 171 da Prefeitura de Goiânia, passível de ocupação intensa por estar jusante a represa do João Leite. E ZEIT 3B para região a ser contemplada com ocupação urbana intensiva, em área tampão coberta pela legislação urbanística de Goiânia. O novo super complexo será erguido estrategicamente numa área distada a 10 km do centro da capital e contará com um novo Centro de Convenções, Parque Agropecuário com Centro de Agribusiness, Arena de Rodeios, Parque Aquático, Parque de Diversão Temático, Parque de Exibições, Condomínios Residenciais, Hipódromo, Centro Hípico, Resorts Eco Turísticos, Rede Hoteleira, Zoológico, Parque Esportivo com Velódromo, pistas para prática de Skate, Bicicross, Mountain Bike entre outras modalidades. Toda esta nova estrutura turística será cercada e intercalada por um imenso lago, formando um braço de prolongação que fará margem com a barragem do João Leite, e será cortado pela BR-153, GO 0-80 e pelo Anel Viário. O projeto que promete ser o novo cartão postal do Brasil prevê que o acesso aos setores de parques, eventos, negócios, esportes e lazer, poderão ser realizados tanto via terrestre quanto marítima, já que estes setores serão erguidos a beira de toda extensão do lago, provocando assim uma maior ligação interna entre todo complexo e seus módulos.

ENTREVISTA

euler_moraes.gifO GOYAZ consultou o idealizador do Goiânia III Milênio, Euler Moraes (foto), Secretário Municipal de Turismo, para saber como andam as negociações, e as últimas notícias referentes a implantação do projeto. Há 12 anos Euler apresentava pela primeira vez este projeto a segmentos políticos e de mercado. Em entrevista exclusiva revela quais foram as maiores dificuldades encontradas desde a concepção do projeto até aprovação de ambientalistas, do total engajamento do prefeito Iris Rezende (PMDB) ao projeto, das parcerias com Governo e de órgãos do Estado como o SEBRAE, e do apoio esperado por parte da esfera Federal. Euler de Moraes assume pela segunda vez o cargo de Secretário Municipal de Turismo de Goiânia. Motivado, Euler recebeu nossa equipe em seu gabinete onde concedeu a seguinte entrevista:

JORNAL GOYAZ - Qual papel da Prefeitura de Goiânia no Projeto Goiânia Terceiro Milênio? Como andam as negociações?

EULER MORAES - Em 1996, portanto, há 12 anos, tive a iniciativa de apresentar pela primeira vez essa proposta complexa de investimentos imobiliários que tornariam Goiânia uma cidade moderna, com um setor de turismo fortalecido, no sentido de promover aqui empreendimentos diferenciados, num mesmo local, capazes de atrair investidores e criar empregos e renda. Ao lançar essa proposta, muitas pessoas criticaram o projeto de várias formas. Muitas dessas vozes sequiosas preferiram não conhecer de perto a proposta. Houve uma condenação prévia e imediatista, principalmente, vinda de pseudo-ambientalistas, com base numa série de considerações sobre questões que nem tinham a ver com a idéia que estava sendo proposta pelo projeto. Hoje, o Projeto Goiânia III Milênio não é um projeto exclusivamente meu, da Prefeitura ou do empresariado. Ele é um projeto que reúne e disputa diversos interesses, públicos e privados, com o objetivo de planejar a expansão urbana de Goiânia sobre uma região ao norte da Cidade que já se encontra bastante ameaçada pela ocupação desordenada. Parte dessa região se situa numa área limítrofe à Área de Preservação Ambiental da Bacia Hidrográfica do Ribeirão João Leite e a outra se encontra dentro da própria APA do João Leite, abrangendo ainda mais sete municípios vizinhos à Capital. Esse fato foi uma das grandes causas de críticas ao projeto. Essas críticas extrapolaram o terreno do conhecimento científico e passaram a ser alimentadas pela esfera política, ou melhor, por um antagonismo político. O prefeito Íris Rezende Machado não trabalha com suposições ou iniciativas administrativas que não tenham um profundo respaldo nas expectativas da população, principalmente, com o fim socioeconômico que se refletirá na melhoria da qualidade de vida em Goiânia. Foi assim que o seu governo conseguiu asfaltar 100% da Cidade e foi reconhecido como merecedor de mais um mandato. Isso é importante mencionar, porque o prefeito Íris teve o conhecimento da proposta original, como todo mundo teve, e decidiu que o projeto Goiânia III Milênio precisava ser implantado a partir de um maior embasamento teórico e técnico. Hoje ele é um projeto que será integrado de alguma forma por todas as secretarias de Governo que puderem ser envolvidas. A partir desse ponto de vista, o prefeito achou por bem me conceder novamente a chance de chefiar a pasta de Turismo do município, que abracei em novembro de 2007, com o objetivo de fazer Goiânia dar um salto nesse setor. O Projeto Goiânia III Milênio voltou a ser discutido com a sociedade, desta vez, com o apoio da Prefeitura e sob o signo da importância de tornar Goiânia uma cidade turística importante nos cenários nacional e internacional.

JORNAL GOYAZ - A implantação do projeto possui data aproximada para implantação? Os recursos já foram aprovados e qual data prevista para conclusão?

EULER MORAES - O Projeto Goiânia III Milênio agrega contribuições interdisciplinares e continua a provocar o debate com a sociedade. O que estou tentando fazer à frente da Secretaria de Turismo é lançar luzes sobre esse debate, buscando o conhecimento necessário, ou seja, a expertise dos maiores especialistas nos assuntos que estão sendo abordados, como urbanização e expansão urbana, equipamentos turísticos, preservação do cerrado, saneamento ambiental, gestão de resíduos sólidos, recuperação de mananciais, despoluição de rios, viabilidade de investimentos, etc. Em resumo, hoje o projeto Goiânia III Milênio já é reconhecido como uma iniciativa que aposta na implementação de um conjunto de empreendimentos turísticos sustentáveis. Realizamos um amplo estudo de diagnóstico ambiental da APA do Ribeirão João Leite e descobrimos algo que tem sido ocultado da população de Goiânia: o futuro reservatório de água que está sendo construído pela SANEAGO ainda não existe, mas os afluentes que vão depositar suas águas no futuro lago já se encontram consideravelmente poluídos e nada se faz para impedir isso. A partir desse diagnóstico ambiental estamos propondo uma estratégia de preservação do futuro lago, com a criação de Zonas Especiais de Interesse Turístico (ZEITs) na região da APA do João Leite, associando às ZEITs empreendimentos turísticos que podem ser distribuídos nas três grandes zonas, respeitando-se todas as leis pertinentes às restrições ambientais. Desse modo, é possível estabelecer de certa forma uma proteção ao perímetro do lago, através de equipamentos turísticos, como um novo zoológico ao estilo Simba Safári, um novo centro de Agribusiness e Eventos, maior ainda que o de Barretos, ou Eco-Resorts, etc. Essa proposta está sendo debatida com todo o trade turística e especialista de diversas áreas inclusive jurídica. Percebemos que estamos diante de um desafio em que o público precisa ser informado de maneira transparente para poder fazer um juízo perfeito sobre o que está sendo proposto. Encontramos em áreas das represas de Guarapiranga e Billings, em São Paulo, dois exemplos de favelização de regiões próximas a reservatórios de abastecimento de água. O governo de São Paulo editou lei de proteção dessas áreas em 1975, mas isso causou tão somente a desvalorização imobiliária das terras, tendo como conseqüência imediata loteamentos clandestinos e uma série de invasões. Não podemos repetir aqui a experiência de São Paulo. Faltou lá planejamento urbano e bom senso em relação à capacidade da força de uma caneta impedir que milhares de pessoas migrassem para uma região cujas terras se tornaram (quase) de graça. O reservatório que a SANEGAO está colocando em prática dista menos de 10 km da Praça Cívica de Goiânia, se fosse possível traçar uma linha reta imaginária. Seria uma estupidez achar que aqui, a edição de uma lei aos moldes da promulgada em São Paulo tenha uma força de coerção capaz de impedir invasões. Não há poder de polícia ou aparelhamento policial de Estado que dê conta da carência habitacional nas cidades. A favelização é um problema brasileiro e mundial. Corremos o risco de criar aqui um problema que ainda pode ser evitado, aplicando-se uma ocupação ordenada do solo. Essa é a discussão que queremos com a sociedade, com o objetivo de termos a melhor solução para esse iminente problema.

JORNAL GOYAZ - O senhor acredita que este projeto pode inserir Goiânia definitivamente como novo destino Turístico de ponta do Brasil? Por que?

EULER MORAES - Esse projeto é apenas uma das iniciativas em turismo da Prefeitura sob a coordenação da Secretaria Municipal de Turismo. A visão do prefeito é que Goiânia está pronta para se tornar uma importante capital turística. A Cidade já é reconhecida como a melhor ou uma das melhores em qualidade de vida do País. Possui uma excepcional área verde per capita (94 m2 por habitante), inclusive é a única cidade do País que tem um inventário completo das árvores no perímetro urbano, dispondo de um Plano Diretor de Arborização. Os caminhos da Cidade estão todos asfaltados. Agora é a hora do turismo – já disse o prefeito. Para inserir Goiânia como destino turístico nacional e internacional é preciso investir mais em vários componentes. Nesse sentido, buscamos recursos do PRODETUR Nacional/BID, colocado à disposição dos municípios sob forma de linha de crédito do Ministério do Turismo e do Banco Interamericano do Desenvolvimento. Goiânia foi a primeira cidade brasileira a acessar esses recursos, tendo aprovada a sua carta consulta no final do ano passado, da ordem de US$ 50 milhões. Quando estiverem definitivamente disponíveis, esses recursos serão investidos criteriosamente, através de um planejamento realizado para quatro anos, em diversos projetos coordenados pela secretaria de Turismo. São projetos orientados à promoção e marketing, formação de mão-de-obra, revitalização de parques, feiras, teatros, arquitetura, sinalização turística, etc. Queremos consolidar Goiânia como capital do turismo de negócios e apresentar a Cidade como a capital ecológica do bioma cerrado e importante destino indutor regional, reforçando também os outros atrativos turísticos que temos espalhados por diversos pontos, de leste a oeste e de norte a sul do Estado. Recentemente, numa parceria com o Sebrae-GO, realizamos o primeiro censo hoteleiro da Cidade. Descobrimos que o turista que vem a Goiânia permanece por aqui apenas dois dias. Isso é muito pouco. Além de trazer mais turistas, precisamos oferecer mais atrativos turísticos. Aos que já nos visitam, queremos mantê-los. Aos que nunca vieram, queremos surpreendê-los.

JORNAL GOYAZ - Este projeto depende da aprovação de Goiânia como cidade sede dos jogos da Copa do Mundo FIFA 2014 para ser implantado ou é um projeto com parcerias definidas que independem deste evento?

EULER MOARES - A realização de jogos da Copa do Mundo de Futebol FIFA 2014 no Brasil só tem a acrescentar à Cidade e ao Estado de Goiás. Nossos governantes compreenderam isso de imediato e se fortaleceram com a criação de um Comitê Executivo da Copa em Goiânia (Coexgyn), do qual sou diretor-adjunto e o secretário de Estado do Turismo, Barbosa Neto, é o seu presidente. A Copa é um sintetizador de projetos municipais e estaduais. Mais do que isso, é também um catalisador de investimentos. Chegamos a uma cifra de US$ 1,4 bilhão de investimentos para que Goiânia pudesse sediar a Copa conforme as exigências da FIFA, que não são poucas, mas têm um fundamento que considero fundamental: o legado à população. Nesse cenário, o projeto Goiânia III Milênio se insere como uma política da Prefeitura para o planejamento urbano e turístico da Cidade. Ele não depende da Copa em Goiânia, mas o evento per si é mais um referencial para não perdermos tempo e oportunidades de colocar Goiânia no calendário do turismo nacional e internacional. Seja como sede ou não da Copa, Goiânia tem que estar pronta para 2014. A FIFA vai testar as cidades-sede com a realização da Copa das Américas, em 2013. Se não formos escolhidos agora em março, até 2013 temos uma chance real de ganhar a disputa com quaisquer outras cidades. Trabalhamos com planejamento, não com promessas.

JORNAL GOYAZ - Já existem empresas previamente interessadas em participar nas oportunidades que surgirão na rede hoteleira, parques e condomínios?

O setor de turismo é um grande empregador e fonte de riqueza indispensável ao planejamento econômico das cidades. Turismo envolve a todos, do coletor de resíduos sólidos, o popular gari que varre nossas ruas, até os mega investidores internacionais que buscam no mundo oportunidades de investimento. O papel da Prefeitura é garantir que a Cidade fique limpa da sujeira e não seja alvo de especuladores. Com a participação de representantes da sociedade civil organizada, estamos discutindo as melhores soluções para que o nosso planejamento produza os melhores resultados possíveis para a Cidade. Isso significa o mesmo que dizer que estamos trabalhando para atender os interesses da população. Às vezes não conseguimos agradar a todos, mas se pudermos agradar a maioria já devemos nos considerar bem sucedidos.

Fontes: Jornal Goyaz

Caldas Novas Festival



Data: 10/4/2009 a 11/4/2009
Local: Caldas Novas

27 de março de 2009

Goiânia: Cidade Verde


Goiânia não recebeu do Instituto Brasil Américas o título de “Capital Brasileira com Melhor Qualidade de Vida" por acaso. Desde 2005, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semma), hoje transformada em Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma), o prefeito de Goiânia, Iris Rezende e o presidente da Amma e vice – presidente da Associação Nacional de Órgãos Municipais de Meio Ambiente (Anamma) Centro-Oeste, Clarismino Luiz Pereira Junior, vem investindo intensamente na preservação das áreas verdes da cidade. O número de parques totalmente implantados na cidade, que em janeiro de 2005 era de apenas 6, foi praticamente triplicado, saltando para 22, em novembro de 2009, tornando-se referência nacional em termos de preservação ambiental.

Os 6 parques totalmente implantados são: Areião, Vaca Brava, Gentil Meireles, Lago das Rosas, Botafogo e Bosque dos Buritis. Hoje, a cidade conta também com os Bosques do Café, José Eduardo Nascimento, Boa Vista, Bougainville e Índia Diacuí e com os Parques Flamboyant, Sabiá, Beija-Flor, Taquaral, Liberdade, Fonte Nova, João Carlos Fernandes (Parque da Lagoa), Itatiaia, Nossa Morada, Cascavel e Carmo Bernardes (16º). Além disso, a Amma promoveu a completa revitalização do Bosque dos Buritis e finaliza agora as obras de revitalização do Lago das Rosas e do Parque Areião.

A Amma também vem investindo maciçamente na arborização urbana. Através do Programa Plante a Vida, implantado em junho de 2005 e considerado hoje o maior programa de plantio voluntário do mundo, mais de 1 milhão de mudas de espécies nativas do cerrado foram distribuídas à população de Goiânia. Conforme levantamento da Agência, cerca de 81% das pessoas que recebem as mudas fazem o plantio correto e garantem a sobrevivência da árvore.

Conforme um estudo realizado pela Agência, Goiânia é a capital brasileira que possui maior número de metros quadrados de áreas verdes por habitantes no Brasil.

Segundo o levantamento, Goiânia possui 94 m² de áreas verdes por habitante, superando Curitiba, que possui 51 m² de área verde por habitante e era, até então, considerada a capital brasileira que ocupava o primeiro lugar no ranking desse tipo de comparativo. A campeã mundial, a cidade de Edmonton, no Canadá, tem um quantitativo pouco maior: 100 m² de área verde por habitante. Conforme a Organização das Nações Unidas (ONU) é recomendável que uma cidade tenha pelo menos 12 m² de área verde por habitante. Goiânia supera hoje em quase 8 vezes esse índice.

Goiânia também é a capital estadual brasileira com o maior número de árvores plantadas em vias públicas do País. Esse resultado também foi fruto de um estudo feito pela Amma. Conforme levantamento dos técnicos da Amma, Goiânia possui hoje cerca de 950 mil árvores plantadas em vias públicas, superando Curitiba (cerca de 300 mil árvores) e João Pessoa (cerca de 40 mil), que eram, até então, referências nacionais em termos de arborização. O estudo mostra que há 0,79 árvore por habitante em Goiânia, enquanto em Curitiba esse índice é de 0,17 e em João Pessoa de 0,06 árvore por habitante.

Para envolver a comunidade no trabalho de preservação do meio ambiente e reforçar a fiscalização, a Amma implantou o Telefone Verde (161), que também se constitui numa iniciativa de sucesso. Somente de dezembro de 2006, quando foi implantado, a novembro de 2009, o serviço registrou aproximadamente 200 mil atendimentos dos mais diversos tipos de poluição (sonora, hídrica, atmosférica, etc) e ajudou a coibir casos de depredação aos recursos naturais.

A Amma também vem se destacando nas ações de educação ambiental. Um dos exemplos é o Ecomóvel, um ônibus especialmente equipado para a realização de atividades de educação ambiental, que já atendeu 50 mil pessoas. A Agência também conta com a Sala Verde, implantada em dezembro de 2006, que possui um acervo de quase 800 livros sobre temas relacionados ao meio ambiente, disponíveis para consulta pública. Desde a sua criação até novembro de 2009, foram 5.151 consultas. Outro destaque é a Vila Ambiental, no Parque Areião, que atendeu quase 20 mil alunos no ano passado.

A prova de que as ações desenvolvidas pela Amma primam pela responsabilidade, inovação e dinamismo foi o fato de projetos lançados nessa gestão, como o Ecomóvel, o Telefone Verde e o Plante a Vida terem sido citados por representantes da Organização das Nações Unidas (ONU) como referências de iniciativas que envolvem a comunidade na proteção ao meio ambiente. Em Curitiba, no dia 27 de março de 2007, durante a reunião preliminar da Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP9), a diretora-executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA, na sigla em inglês), Julia Krause, conclamou outras capitais a seguirem os passos da Amma e elogiou os três projetos.

Confira abaixo um roteiro com os 22 parques e bosques da cidade:

1 - Bosque José Eduardo Nascimento (Parque das Amendoeiras, Região Leste)
End.: Entre as Ruas César Neto Borges Teixeira e Joana

2 - Parque Liberdade (Setor Jaó, Região Norte)
End.: Entre as Avenidas Venerando de Freitas, Liberdade e Belo Horizonte e Rua J-10

3 - Parque Taquaral (Residencial Goiânia Viva, Região Oeste)
End.: Entre a Av. Gabriel Henrique de Araújo, Alameda Parque Taquaral, Alameda Goiânia Viva e Rua .... GV-17

4 - Bosque do Café (Setor Santa Genoveva, Região Norte)
End.: Entre as Avenidas do Café, Sucuri e Serra Dourada

5 - Parque Municipal Sabiá (Parque das Laranjeiras, Região Sudeste)
End.: Entre a Alameda dos Rouxinóis e as Ruas Sabiá e Nossa Senhora do Carmo

6 - Parque Municipal Flamboyant Lourival Louza (Jardim Goiás, Região Sudeste)
End.: Entre as Ruas 15,12, 46, 55, 56 e a Avenida H

7 - Parque Beija-flor (Setor Jaó, Região Norte)
End.: Entre a Avenida Venerando de Freitas Borges e a Rua J-22

8 - Bosque Boa Vista (Bairro Boa Vista, Região Noroeste)
End.: Entre as Ruas BV-20 e BV-24

9 - Bosque Bougainville (Setor Parque das Laranjeiras, Região Sudeste)
End.: Entre as Avenidas dos Flamboyants e Dom Fernando, e as Ruas Juriti, DF-14, DF-15, RM2, e RM4

10 - Parque Fonte Nova (Jardim Fonte Nova, Região Noroeste)
End: Entre as Ruas F-1, FN-4, FN-11 e FN-29

11 - Parque da Lagoa (Parque Industrial João Braz, Região Oeste)
End: Entre as Ruas das Missões, 13 de Maio e Olímpica e Avenida Tóquio

12 - Parque Gentil Meireles (Conjunto Gentil Meireles, Região Vale do Meia Ponte)
End.: Entre as Ruas Gioto e Avenida Cândido Portinari

13 - Bosque dos Buritis (Setores Central e Oeste, Região Central)
End.: Entre as Ruas 1, 29, Avenida Assis Chateaubriant e Alameda dos Buritis

14 - Parque Botafogo (Setores Central e Leste Vila Nova, Região Central)
End.: Entre as Avenidas Araguaia, Contorno e Ruas CD-200-A, 200-B e 200-C

15 - Parque Vaca Brava (Setor Bueno, Região Sul)
End.: Entre as Avenidas T-10, 1-13, T-5, T-66 e T-15

16- Parque Zoológico/Lago das Rosas (Setores Central e Oeste, Região Central)
End.: Entre a Alameda das Rosas e a Avenida Anhanguera

17 - Parque Areião (Setores Pedro Ludovico, Marista e Sul, Região Sul)
End.: Entre a Alameda Coronel Eugênio Jardim, Avenidas Americano do Brasil e Edmundo P. Abreu, Areião, 5ª Radial e a Rua 90

18 – Parque Municipal Itatiaia (Conjunto Itatiaia, Região Norte)
End: Entre a Avenida Serra Dourada e as Ruas R1, R3, R5, R40, R41, R43, R44, R46 e R48

19 - Parque Municipal Nossa Morada (Residencial Nossa Morada, Região Norte)
End: Entre as Ruas Omari L.Martins, NSM 6, NSM 7, NSM 9 e Avenida 8 de Maio

20- Bosque Índia Diacuí (Divisa dos Setores Aruanã 1 e Riviera Park, Região Leste)
End: Entre a Avenidas Perimetral Cinco, Rua Açar, Avenida Rio Vermelho e Rua Caiapó

21- Parque Cascavel – (Jardim Atlântico, Região Macambira/Anicuns).
End: Entre as Avenidas Guarapari, Leblon, Independência, Guarujá e Copacabana

22- Parque Carmo Bernardes- (Parque Atheneu e Jardim Mariliza, Região Sudeste)
End: Entre a Avenida Parque Atheneu e Ruas 105, 29 e 205

Fonte: AMMA
,
Parques:

Vaca Brava

Lago das Rosas:
Parque Zoológico



Avenida Goiás - Centro



Parque Areião
Bosque dos Buritis

Praça da T-25 (Setor Bueno)

Setor Oeste

Parque Flamboyant



Novo Aeroporto de Goiânia

O novo aeroporto Santa Genoveva deve ser concluído no dia 30 de maio de 2012. A informação foi divulgada ontem pelo presidente da Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero), brigadeiro Cleonilson Nicácio da Silva, que participou de uma reunião com empresários na Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg). 

Ainda de acordo com o brigadeiro, a data pode ser estabelecida após a Infraero negociar a rescisão do antigo contrato com a empresa Odebrecht, o que deve ser oficializado até o dia 31 deste mês. O contrato com a construtora foi anulado por causa de irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Com o cancelamento do antigo contrato, a Infraero iniciaria já no dia primeiro de junho um novo processo licitatório para retomar as obras no aeroporto de Goiânia, orçado em R$ 339,24 milhões. Ao todo, cerca de R$ 106 milhões já foram gastos pela licitação anterior. De acordo com o cronograma estabelecido pela empresa estatal, o edital para a construção da pista de decolagem, que seria publicado no dia 1º de junho, prevê a conclusão da obra para 30 de março de 2010, enquanto o edital para o projeto do terminal prevê a conclusão para 27 de maio do mesmo ano. 

Com isso, novos editais devem ser realizados para a execução das obras. Segundo o brigadeiro, estaria garantida a construção do novo aeroporto bem antes do início dos jogos da Copa de 2014, caso Goiânia seja uma das cidades sedes eleitas. “O aeroporto estará pronto dois anos antes do primeiro jogo aqui em Goiânia”, disse o presidente da Infraero, que ressaltou que não haverá perigo do novo processo licitatório ser embargado novamente. “Temos condições de dar continuidade a essa obra sem ter problemas com órgãos de controles internos e externos.”

Com a reforma, a área do aeroporto deve saltar dos atuais 6 mil metros quadrados para 28 mil metros quadrados, o que fará com que o Santa Genoveva se torne um aeroporto comparável com os maiores aeroportos do Brasil. “A cidade passará a ter, em poucos anos, um aeroporto com o nível de conforto encontrado nos aeroportos do Rio e de São Paulo.” As novas instalações resolveriam o problema de capacidade do principal aeroporto de Goiás, que já trabalha com mais do que o dobro de sua capacidade. 

No ano passado, cerca de 1,5 milhão de pessoas passaram pelas instalações, sendo que a capacidade é para 600 mil pessoas/ano. A intenção é que, concluídas as obras, a capacidade do Santa Genoveva chegue a 2,1 milhões de passageiros por ano. De acordo com a assessoria de imprensa da Infraero, a empresa e o Exército Brasileiro estariam fazendo um acordo para a realização do projeto executivo de infra-estrutura, o que agilizaria o processo de construção das obras.

De acordo com o presidente do Conselho Temático de Infra-Estrutura da Fieg, Roberto Elias Fernandes, a intenção da federação foi mostrar à Infraero a necessidade do novo aeroporto para o Estado. “A iniciativa privada pediu essa audiência com o brigadeiro para mostrar a ele a importância, a falta que faz o aeroporto para Goiânia, seja para o turismo, seja para os nossos negócios. O brigadeiro veio com boas notícias para Goiás e Goiânia.”

Roberto Elias disse ainda que se a Infraero tivesse acatado uma das ideias dos empresários – que seria de fatiar as licitações da obra, “o que a gente sugeriu e o brigadeiro acatou? Três licitações. Uma exclusivamente para a estação de passageiros, outra para pista e uma outra para equipamentos. Com isso, vai ter menor preço, mais facilidade de fiscalizar e maior agilidade. Se tivéssemos feito isso, já estaríamos com a estação de passageiros pronta. Seria uma obra de R$ 60 milhões e não R$ 230 milhões”.

Novas Reformas

Mesmo antes da construção do novo aeroporto, a Infraero espera realizar uma reforma nas atuais estruturas para oferecer maior conforto para os usuários. “Nós vamos tentar fazer o possível para reduzir o desconforto no atual terminal. Está prevista uma ampliação na área de embarque, com a construção de uma nova sala com 1.200 m2, o que irá melhorar a situação de embarque nesse aeroporto”. 

Além do embarque, a área de desembarque também deverá ser remodelada. De acordo com o presidente da empresa, a reforma deverá estar pronta antes das festas de final de ano. “Estarão prontas em novembro deste ano, antes do início da alta temporada.

Características técnicas da obra:

Terminal de passageiros:de 7.651 m² para 27.160 m²
Pontes de embarque: de zero para 4
Balcões de check-in: 32
Estacionamento de veículos: de 8.220 m²/267 vagas para 20.243 m²/508 vagas (1ª fase) – 162 vagas (2ª fase) – 162 vagas (3ª fase)
Pátio de aeronaves: de 21.263 m²/06 aeron. para 72.200 m²/11 aeron.
Torre de controle: entre 200 e 210 m²
Área de hangaragem: 60.000 m²
Capacidade prevista do terminal de passageiros: 2.100.000 passageiros por ano
Movimento de passageiros em 2004: 991.607 passageiros
Capacidade instalada terminal de passageiros: 600.000 passageiros por ano.




Fontes: O Hoje

Passeio das Águas Shopping: Novo Shopping de Goiânia (Sonae Sierra)




Novo Centro de compras na região norte da cidade será o maior do Centro-Oeste, com 262 lojas, e vai gerar 6 mil empregos diretos

O grupo português Sonae Sierra Brasil iniciou, na última segunda-feira, as obras do seu shopping center na região Norte de Goiânia, que será o maior centro de compras do Centro-Oeste.

Esse é o 13º empreendimento do grupo no País. O projeto está orçado em R$ 350 milhões e deverá ser concluído em 2012, conforme anunciou ontem em Goiânia o presidente da empresa, João Pessoa Jorge.

O novo centro de compras está sendo construído em uma área de 298 mil metros quadrados, na Avenida Goiás Norte, em frente ao Atacadão (antigo Carrefour Norte). O empreendimento deve gerar cerca de 6 mil empregos.

Além do centro de compras, o Grupo Sonae vai buscar outros grupos privados para erguer no local um hotel cinco estrelas, além de outras duas torres, uma residencial e outra comercial, numa área de 30 mil metros quadrados.

O novo shopping de Goiânia ainda não tem nome. João Pessoa Jorge anunciou que será feita uma consulta à população para escolher o nome do centro comercial, cujo anúncio será feito durante uma grande festa popular prevista para março ou abril do próximo ano.

Tamanho

O shopping terá 81,9 mil metros de área bruta locável. Serão 262 lojas, das quais 10 âncoras, 10 semiâncoras, um hipermercado, salas de cinemas multiplex, dois restaurantes e 5,7 mil vagas de estacionamento para veículos.

No local, o Grupo Sonae também se propõe a recuperar uma área às margens do Ribeirão Caveirinha e fazer um parque público, nos moldes do Vaca Brava, que posteriormente será doado à cidade.

Os projetos urbanístico, arquitetônico e de preservação do meio ambiente já foram aprovados pelos órgãos públicos competentes.

Ontem, o presidente do grupo Sonae Sierra Brasil participou, em Goiânia, do 1º Simpósio Goiano de Negócios e Investimentos, promovido pela Maia Investments, e visitar as obras do shopping center.

De acordo com João Pessoa Jorge, o objetivo do grupo Sonae é crescer. Para isso, estabeleceu a estratégia de buscar as melhores oportunidades em todo o Brasil. A Sonae Sierra Brasil desenvolve shoppings temáticos e setorizados, que aliam centro de compras a espaço de cultura, lazer e entretenimento, com equipamentos de alta tecnologia nas áreas de segurança, manutenção e administração.

A Sonae Sierra é dona de 48 shoppings em Portugal, Espanha, Itália, Alemanha, Grécia, Romênia e Brasil. No Brasil, o grupo é proprietário e administra shoppings nos Estados de São Paulo, Amazonas, Minas Gerais e Paraná, além de Brasília. Agora, começa a atuar em Goiás.

Dados:

Localizaçăo: Goiânia, GO
ABL: 78,100 m2
Inauguraçăo: 2012
Número de Lojas: 262
Lugares de Estacionamento: 5700
Proprietários: Sonae Sierra / DDR / Enplanta
Promotores: Sonae Sierra / DDR / Enplanta
Investimento: 123.0 Milhőes de Euro
Área de influęncia: 1,700,000 Habitantes

Confirmado: Cinemark, Bretas e Magic Games

Local onde será construído o novo Shopping Center de Goiânia:


Fonte: O Popular

Projeto de reforma do Estádio Serra Dourada - Copa de 2014


Os projetos programados para dotar Goiânia da infraestrutura necessária para sediar a Copa do Mundo de 2014 totalizam investimentos de R$ 6 bilhões. 

De acordo com o Comitê Executivo Goiânia na Copa 2014, são cerca de 270 projetos nas áreas de transportes, saúde, segurança, turismo, esporte e lazer, saneamento, meio ambiente, energia e rede hoteleira.

Um dos mais importantes é o projeto do novo Estádio Serra Dourada. A obra está orçada em R$ 180 milhões e vai contar com investimento de oito grupos da iniciativa privada. O novo estádio terá o gramado rebaixado em 2,5 metros, ganhará um anel de acesso externo, além de cobertura das marquises e um gigantesco anexo para realização de eventos durante a Copa.

Também estão previstas a construção de viadutos, duplicação de ruas e estradas, melhorias da capacidade de saneamento e de fornecimento de energia, melhor estrutura de segurança e de saúde, além de ações de capacitação da rede hoteleira e de exposição do potencial turístico da região.

Dados:

Capacidade atual: 50000 pessoas.
Capacidade Futura: 45000 pessoas.
Principais Obras: reforma das arquibancada, cobertura, estacionamento.Investimento: 90 milhões
Investidor: Governo de Goiás, tentativa de parceria público-privado.
Turismo: Em comparação a quase vizinha Brasília, tem uma rede hoteleira pequena e quase toda voltada para o turismo de negócios. Não há nenhum hotel muito confortável.

Fotos:




Fonte: Agecom

22 de março de 2009

Simple Plan em Goiânia 2009



Data: 22/03/2009
Local: Clube Jaó
Site: www.ticmix.com

Tour completo do Simple Plan no Brasil:

21/03 - Recife (Olinda)
23/03 - Goiânia
24/03 - São Paulo
25/03 - Rio de Janeiro
26/03 - Belo Horizonte

Ingressos:

Camarote (Open Bar de água, cerveja e refri):
R$180,00 (à vista ou cheque)
R$200,00 (3x no cartão Visa)

Área VIP:
R$120,00 (à vista ou cheque)
R$140,00 (3x no cartão Visa)

Pista:
R$60,00 (à vista ou cheque)
R$70,00 (3x no cartão Visa)

Censura: 16 anos