Ciclovias de Goiânia estão em más condições


Grupos e ativistas pedem à SMT manutenção da malha cicloviária e fiscalização. Mas ações só para o ano que vem

A sensação dos ciclistas que se locomovem por Goiânia é que a situação piorou nos últimos meses com as falhas na manutenção das vias, problemas de sinalização e até mesmo falta de conclusão das ciclovias e ciclorrotas que estavam planejadas pela administração municipal. Adeptos das bicicletas e grupos de pedal da capital estão reivindicando, junto à Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMT), melhorias de infraestrutura e fiscalização para o auxílio da mobilidade via bicicletas.

Uma primeira reunião foi feita há cerca de um mês com o secretário da SMT, Fernando Santana. Na ocasião, Santana foi atualizado acerca dos projetos existentes até a gestão passada na Prefeitura, de Paulo Garcia (PT), sobre a construção de ciclovias e implantação de ciclorrotas e ciclofaixas. Foram os ciclistas que se dispuseram a encaminhar ao secretário as rotas cicláveis desenhadas em 2015 e entregue para o Paço Municipal. Até o ano passado, esse projeto era dividido entre a Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) e a SMT.

A SMT se prontificou a fazer, paulatinamente, a manutenção das vias para as
bicicletas, ao dizer que este trabalho já vem ocorrendo em paralelo aos serviços nas vias dos carros. Isso foi feito, por exemplo, nos parques Vaca Brava e Areião e a ciclorrota que os liga quando a equipe técnica do Paço realizava a revitalização da Avenida Edmundo Pinheiro de Abreu. Assim mesmo, a ciclofaixa ficou sem a pintura adequada por pelo menos um mês. Há outros casos sem previsão para receber os trabalhos, como a ciclovia da Avenida Universitária.

Esta foi a primeira ciclovia construída na capital dentro do plano cicloviário de 100 quilômetros de malha destinada às bicicletas em Goiânia. No entanto, ela nunca passou por uma reforma e os ciclistas têm de se preocupar com os buracos e falhas na pista, além dos carros e falta de sinalização. A combinação desses problemas é responsável pela morte do cineasta João Henrique Pacheco, falecido no fim do mês passado após complicações geradas por um acidente sofrido na ciclovia no mês de julho. Ainda não foi determinado como ocorreu o acidente, se houve um atropelamento por um motociclista ou, ao fugir da colisão, João caiu no buraco e se acidentou.

Falhas

O buraco que teria participado do acidente foi consertado há cerca de uma semana, em ação da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Seinfra), mas não era o único em toda a extensão da ciclovia, de 2,5 quilômetros. Na pista na Praça Universitária, por exemplo, há diversas falhas e problemas no concreto da via. Nos cruzamentos com as avenidas perpendiculares há falhas na sinalização e pintura das ruas que demonstram a passagem das bicicletas. Os problemas também ocorrem nas ciclovias das Avenidas T-63 e T-7, com falhas nas pistas e desgaste nas pinturas, e, neste último caso, há muitos entraves na passagem dos ciclistas em razão de quedas de folhas de palmeiras.

Santana afirma que não há um cronograma exato para a manutenção de todas as vias cicláveis da capital, e nem mesmo acredita que toda a revitalização será finalizada até o final deste ano. “Provavelmente vai ficar alguma coisa para o ano que vem. Pegamos a Prefeitura em uma situação arrasada e tivemos que caminhar aos poucos, estamos fazendo o possível”, explica. Até por isso, projetos de novas ciclovias, como a que ligaria a Praça Universitária até o Câmpus Samambaia, só começarão a ser analisados a partir de 2018. Resta ainda concluir o trecho cicloviário da Avenida T-7.

Mudanças ficam para 2018

Além da manutenção da malha cicloviária, o grupo de ciclistas que se reuniu com o secretário municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade, Fernando Santana, pediu a ampliação do tempo de uso exclusivo das ciclofaixas de lazer. Atualmente, o período permitido é aos domingos e feriados entre 7 e 18 horas. O projeto criado em 2015 tinha um período ainda menor, de até às 16 horas. A intenção dos ciclistas é que a exclusividade tenha início já aos sábados, a partir das 16 horas.

Santana acredita ser impossível atender a demanda ainda neste ano, sobretudo em razão do comércio. “Agora é final de ano, logo chega a época do Natal e a economia em nosso País está ruim, os comerciantes necessitam de arrecadação e não seria bom estender esse período por agora. Vamos estudar a partir do ano que vem e saber o que poderá ser feito”, diz. Existe também um problema de fiscalização, já que seria difícil a retirada dos veículos das faixas no meio da tarde. Esta era a alegação dos técnicos da Prefeitura para que não começasse a ciclofaixa de lazer aos sábados.

Outro pedido é a volta da colocação de cones para marcar os trechos e sinalizar aos motoristas, especialmente no trecho da Alameda das Rosas, no Setor Oeste, onde a pista para os veículos motorizados fica com apenas uma mão com as ciclofaixas. Santana entende que não seria mais necessário, visto que os motoristas goianienses já sabem das regras atuais e as vias estariam bem sinalizadas.



Goiás tem queda geral na criminalidade em setembro




Todas as 12 modalidades de crimes consideradas de alta prioridade apresentaram redução em Goiás no período de janeiro a setembro de 2017 na comparação com igual período do ano passado, revelam estatísticas divulgadas nesta terça-feira (03/10) pelo Gerência do Observatório de Segurança Pública. Os homicídios tiveram queda (-11,8%), os estupros (-14,69%), as tentativas de homicídios (-22,31%), e os latrocínios (-41,73%).

Os roubos de veículos cederam em (-26,86%), os roubos em comércios diminuíram (-33,1%), enquanto, roubos a transeuntes e em residências recuaram respectivamente em (-24,54%) e (-21,22%). Os furtos também estão menores quando se compara com 2016: furto de veículos (-15,82%), furto em comércio (-14,42%), furto em residência (-1,82%) e furto a transeunte (-22,87%).

Também no mês de setembro de 2017, na comparação com igual período do ano passado, as estatísticas Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária mostram que houve recuo nas 12 naturezas criminais consideradas de alta prioridade.

De acordo com o relatório, os homicídios recuaram no mês de setembro (-7,5%), os estupros regrediram (-6,78%), enquanto as tentativas de homicídios diminuíram (-28%) e os latrocínios (-7,69%). As modalidades de roubos registraram as quedas mais acentuadas: roubo a transeunte (-34,43%), roubo de veículos (-27,41%), roubo em comércio (-35,53%) e roubo em residência (-33,5%). Os furtos de veículos tiveram declínio de (-7,11%), furto em comércio de (-5,14%), furto em residência (-17,89%) e furto a transeunte (-23,51%).

Para o secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária, Ricardo Balestreri, o declínio da criminalidade em Goiás se deve a uma série de fatores, entre eles, os fortes investimentos nos setores de inteligência, tecnologia e, sobretudo “ao trabalho heroico e integrado das forças de segurança pública”.

Homicídios em Goiânia apresentam recuo histórico

Em Goiânia, os homicídios e as tentativas de homicídios tiveram importantes quedas em setembro, na comparação com igual período do ano passado. Homicídios na capital tiveram recuo de (-36,59%). Este é o menor índice da década, perdendo apenas para março de 2011, quando foram registrados 21 casos. Além disso, o número se igual a 2010, quando também foram verificadas 26 ocorrências.

As tentativas de homicídios também tiveram queda acentuada (-41,67%). Todas as categorias de roubos sofreram forte queda na capital. Em comércios despencaram (-51,22%), em residências (-44,97%), de veículos (-44,36%) e a transeuntes (-36,83%).

Nos furtos foram registradas as seguintes quedas: veículos (-6,02%), comércios (-21,15%), em residência (-3,53%), a transeuntes (-34,45%). Apenas os estupros cresceram 40% no mês.

No acumulado do ano, no período de janeiro a setembro de 2017, as doze modalidades estão em declínio na capital: homicídios (-11,08%), estupros (-32,2%), tentativas de homicídios (-30,44%), latrocínios (-17,24%), roubos a transeuntes (-25,95%), roubos de veículos (-35,26%), roubos em comércios (-42,06%), roubos em residências (-24,89%), furtos de veículos (-22,95%), furtos em comércios (-25,77%), furtos em residências (-1,01%) e furtos a transeuntes (-21,85%).

Em Aparecida de Goiânia, furtos em comércios declinam 40,98%

o mês de setembro, de 12 modalidades monitoradas pela SSPAP, nove retrocederam em Aparecida de Goiânia. Além dos homicídios (-25%), tiveram quedas tentativas de homicídios (-66,67%), roubos a transeuntes (-31,64%), roubos de veículos (-18,07%), roubos em residência (-2,27%), além de furtos em comércios (-40,98%) e furtos em residências (-37,05%). Os crimes de estupro, furto de veículos e furto a transeuntes, tiveram crescimento de 33,3%, 70,49% e 18,75%, nessa ordem.

No período de janeiro a setembro, 10 das doze naturezas de ocorrências reativas estão abaixo dos números do ano passado em Aparecida de Goiânia. Homicídios (-24,06%), estupros (-14,29%), tentativas de homicídios (-40,13%), latrocínios (-40%), roubos a transeuntes (-19,07%), roubos de veículos (-20,74%), roubos em comércios (-16,6%), furtos em comércios (-39,07%), furtos a transeuntes (-16,84%) e furtos em residências (-3,55%). Apenas roubos e furtos em residências apresentam oscilação positiva de 2,97% e 3,44%.

Entorno do Distrito Federal mantém seguidas quedas nos índices de delitos

As seguidas quedas nas taxas de criminalidade na região do Entorno do Distrito Federal mostram que as ações ostensivas e integradas realizadas pelas forças policiais têm sido assertivas.

No mês passado, os homicídios recuaram em (-31,34%) na região. Já os estupros e as tentativas de homicídios diminuíram, respectivamente, em (-29,41%) e (-29,63%).

As ocorrências de roubos a transeuntes caíram (-31,83%), roubos de veículos (-29,26%), roubos em comércios (-15,04%), roubos em residências (-23,29%). Os furtos a transeuntes encolheram (-35,29%), os furtos em residências (-23,12%) e os furtos de veículos (-10,23%). Apenas os furtos em comércios tiveram alta de 12,79% em setembro.

As estatísticas acumuladas do ano mostram que a região do Entorno do Distrito Federal mantém redução nos doze índices prioritários para a segurança pública.  Em relação aos nove meses do ano passado, os homicídios caíram (-20,64%), os estupros (-10,16%) e as tentativas de homicídios (-30,99%).

Os roubos em veículos cederam, no período de janeiro a setembro, em (-23,44%), os roubos a transeuntes (-23,76%), roubos em comércios (-14,92%) e roubos em residências (-19,86%). Já os furtos de veículos registraram baixas de (-8,28%), furtos em comércios (-11,18%) e furtos em residências (-8,99%). Os furtos a transeuntes estão (-43,15%) abaixo do assinalado no período relativo a 2016.

Metodologia
Os dados consolidados são coletados e auditados pela Gerência do Observatório de Segurança Pública da SSPAP. A metodologia utilizada foi aperfeiçoada com a criação da Plataforma de Sistemas Integrados, um conjunto de software e ferramentas de Business Inteligence (BI), que tem como base o Registro de Atendimento Integrado (RAI).

A coleta e consolidação dos dados obedecem a rigorosos critérios de checagem que evitam duplicidade de registro ou com tipificação incorreta. Estas informações estão reunidas e à disposição dos interessados no sítio da SSPAP, onde podem ser acessadas mais de 900 naturezas criminais filtrados por municípios ou Estado.

Comunicação SSPAP

Fonte: Goiás Agora


Paulo Gustavo apresenta “Minha Mãe É Uma Peça” em Goiânia


Minha Mãe É Uma Peça volta aos palcos neste sábado (7 ) no Teatro do Centro de Convenções da PUC, às 19h e às 21h30. A protagonista Dona Hermínia é inspirada na mãe do ator Paulo Gustavo. Contudo possui características que fazem com que muitos filhos identifiquem suas genitoras na personagem. A mãezona conquistou todo o país e já levou mais de dois milhões de espectadores aos teatros e 15 milhões de espectadores aos cinemas de todo o Brasil, com os filmes Minha Mãe É Uma Peça 1 e 2.

Apesar de ter um gênero de comédia, Dona Hermínia aborda de maneira sensível as relações familiares, especialmente de pais e filhos, já tende a garantir uma identificação com a plateia.

De acordo com a organização do evento, a peça fala de afeto, de laços familiares que superam entreveros e confusões. Dona Hermínia é uma mulher madura, aposentada e sozinha, cuja maior ocupação é justamente procurar o que fazer, uma vez que seus filhos estão crescendo e não precisam mais de seus cuidados e broncas.

É este o universo da personagem que, na falta de trabalho e romance e entre uma conversa e outra com a tia idosa, a vizinha fofoqueira e a irmã confidente, ainda precisa manter a sua condição de mãe às voltas e preocupada com problemas dos filhos.

Ingressos: AQUI 

Fonte: DM


Caldas Novas: Verão Sertanejo 2018


Data: 12 e 13 de Janeiro
Horário: 21h00
Local: Lagoa Termas Parque

O Verão mais quente do Brasil está de volta! Dias 12 e 13 de Janeiro na Lagoa Termas Parque em Caldas Novas.

ATRAÇÕES CONFIRMADAS:

Henrique e Juliano
Gusttavo Lima
Aviões
João Bosco e Vinícius
Luan Santana
Zezé de Camargo e Luciano
Jads e Jadson
Maiara e Maraisa
Cesar Menotti e Fabiano

INGRESSOS:

Extra Vip Passaporte (Unisex)

R$ 250,00
* Parcelamos em até 3x no cartão (acréscimo de 10%)
* Open Bar: Cerveja, água, Refrigerante e Vodka

PREMIUM Passaporte (Unisex)

R$ 700,00
* Parcelamos em até 3x no cartão (acréscimo de 10%)
* Open Bar: Whisky Importado, Vodka importado, Cerveja, água, Refrigerante e Open Food

Mesa 6 Pessoas(Unisex)

R$ 2 900,00
* Parcelamos em até 3x no cartão (acréscimo de 10%)
* Open Bar: Cerveja, água, Refrigerante e Vodka, 1 Litro de Whisky por dia, 1 Tabua de Frios

VENDAS: 

Centro de Negócios Lagoa
Endereço: Avenida Santo Amaro, 1000 - Setor Solar de Caldas. Caldas Novas - GO
Telefone: (64) 3455 - 0150

Loja da Lagoa (Em Frente o parquinho de diversões)
Endereço: Av. Orcalino Santos N°460 - Centro, Caldas Novas Go
Telefone: (64) 3455-0155

Portal Caldas
Endereço: Avenida Tiradentes, Qd. 08, Lt. 05, Sala 01, Setor Oeste, Caldas Novas - GO
Telefone: (64) 3455 - 6722

Tribu Calvin Klein
Endereço: Rua Antonio Coelho de Godoy, Nº 182, Centro
Telefone: (64) 3453 - 7813

( Somente Venda de Mesas )

Hugo Doneda
(64) 9.9235.5569
Giselle
(64) 9.9949.1169

Mais Informações: (64)3455-0150

www.veraosertanejo.com.br


Obras de Itegos avançam e governador entrega mais cinco unidades até o final de 2017


“A educação tem a capacidade de dar ao pobre a mesma oportunidade de um estudante de família rica”, declarou o governador

O governo de Goiás amplia oportunidades de emprego por meio de capacitação profissional voltada para a necessidade de cada região do Estado. A meta tem sido alcançada por meio dos Institutos Tecnológicos de Goiás (Itegos) e Colégios de Ensino Tecnológico (Cotecs), administrados pela Secretaria de Desenvolvimento (SED). Já são 18 Itegos em funcionamento, e 40 Cotecs.

Segundo o superintendente de Desenvolvimento Tecnológico, Inovação e Fomento à Tecnologia da Informação da SED, Mauro Faiad, a previsão é de que o governador Marconi Perillo (PSDB) entregue mais “cinco Itegos até o final deste ano”: em Santo Antônio do Descoberto, Goiânia (região noroeste), Valparaíso de Goiás, Mineiros e Piracanjuba. “Até o final de 2018, chegaremos a 30 Itegos e 60 Cotecs, ou seja, a segunda maior rede de educação tecnológica do País, atrás apenas de São Paulo”, frisou Faiad. Goiás conta com 40 Cotecs em funcionamento.

Entrega
No dia 21 de setembro, o governador inaugurou mais um Itego, em Formosa, no Entorno do Distrito Federal, que recebeu R$ 1,1 milhão, recursos do governo de Goiás em parceria com o governo federal, por meio do Ministério de Cidades. Na ocasião, Marconi destacou que os cursos profissionalizantes “são voltados para as necessidades do mercado de trabalho, cada vez mais exigente, nesse mundo globalizado”.

“A educação tem a capacidade de dar ao pobre a mesma oportunidade de um estudante de família rica. Dar a ele a oportunidade de vencer na vida. Eu sou a prova de que a educação pode fazer de uma criança pobre o governador de um Estado”, testemunhou Marconi Perillo.

Gestão por OS
Os Itegos e os Cotecs são geridos por Organizações Sociais (OS), cinco no total, divididas em lotes regionais. Recentemente, o Ministério Público pediu a suspensão do contrato entre o Instituto Reger e a SED. A juíza Zilmene Gomide da Silva Manzolli, do Tribunal de Justiça de Goiás, negou o pedido, entendendo que a suspensão acarretaria prejuízo à sociedade.

No documento, há uma demonstração clara quanto à legalidade da qualificação do Instituto Reger como Organização Social de Educação Profissional e Desenvolvimento Tecnológico. “Eu quero deixar bem claro que a política de escolha dos cursos e de levantamento das necessidades de cada município é feita pela Secretaria de Desenvolvimento, nós não estamos terceirizando os Itegos e Cotecs, as OSs apenas operam o sistema”, esclareceu Mauro Faiad.

Essa experiência deixa evidente a economicidade do Tesouro Estadual com o custeio dos cursos. “No chamamento das OSs, nós estabelecemos um preço máximo, que já representaria uma economia de 6%, mas houve um deságio médio de mais de 16% para o Estado”, disse Faiad.

Em relação à exigência de certidões, a Justiça passou a reconhecer que a documentação exigida por lei foi devidamente apresentada e o currículo do corpo técnico comprovou capacitação profissional da instituição para realizar as atividades de ensino profissionalizante, desenvolvimento tecnológico e pesquisa científica. “O Instituto Reger está em condições de requerer sua qualificação como organização social”, confirma o trecho da decisão.

Essa decisão favorece a expectativa de que as demais instituições também recebam um parecer positivo sobre suas qualificações. O Instituto Reger tem contrato firmado com a SED e, mesmo sob judice, poderá manter a gestão de quatro unidades da Rede Itego, em Anápolis e Catalão, além de nove unidades de Colégios Tecnológicos (Cotecs) em outros cinco municípios.

O secretário de Desenvolvimento, Francisco Pontes, disse que Goiás terá “quatro mil profissionais formados até o final deste ano”. Mauro Faiad informou que atualmente “35 mil alunos” estão matriculados no ensino tecnológico em Goiás, e que a meta é chegar a “170 mil matriculados” em dois anos.



Assembleia aprova criação de 10 Colégios Militares em Goiás


O Plenário da Assembleia Legislativa aprovou, em votação definitiva, projeto de lei que cria Colégios Estaduais da Polícia Militar de Goiás (CEPMGs) em dez cidades goianas: Alexânia, Cidade Ocidental, Cristalina, Iporá, Padre Bernardo, Pires do Rio, Planaltina, Rio Verde, Rubiataba e Santo Antônio do Descoberto.

O processo explica que as unidades irão funcionar em colégios estaduais já construídos e selecionados pela Polícia Militar em conjunto com a Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (Seduce).

O impacto orçamentário-financeiro previsto é de cerca de R$ 1,3 milhão em 2017 e R$ 5,4 milhões para cada um dos exercícios de 2018 e 2019.

Fonte: Jornal O Popular


Belezas naturais e folclóricas colocam Goiás na rota do turismo mundial



Localizado no Planalto Central, tendo como paisagem principal o bioma do Cerrado brasileiro e a riqueza natural evidenciada por Serras como a de Caldas, dos Pirineus e a imponente Chapada dos Veadeiros, Goiás tem atraído a atenção de turistas de diversas partes do mundo que vêm em busca do encontro com as tradições culturais centenárias, de cidades coloniais que preservam a arquitetura e a gastronomia de raiz e por conta das belezas naturais evidenciadas por cachoeiras paradisíacas e grutas cinematográficas.

A edição de agosto da revista Viagem e Turismo dedicou matéria especial de 14 páginas focada em apresentar os motivos pelos quais Goiás se mostra tão atrativo. Repleta de imagens, a matéria apresenta um mapa turístico de Goiás destacando o potencial turístico de oito regiões.

Chapada dos Veadeiros



A região da Chapada dos Veadeiros localizada no nordeste goiano reserva uma vista inigualável de um paredão rochoso no formato de platô, que guarda inúmeras cachoeiras e históriasvale da lua repletas de misticismo e trocas energéticas com o cosmos. Trilhas abertas ao longo dos séculos por desbravadores conduzem turistas a cachoeiras impressionantes e ao prestigiado Vale da Lua, que apresenta uma formação rochosa transformada pela ação da natureza e que se assemelha às formações rochosas observadas na lua.

Criado em 1961, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros protege uma área superior a 65 mil hectares de cerrado de altitude, caracterizado por formações vegetais únicas, centenas de nascentes e rochas com mais de um bilhão de anos. O parque também preserva áreas de antigos garimpos, que retratam parte da história local e, por conta de seu valor cultural, foi declarado Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco, em 2001.

Além da conservação, o objetivo da criação do Parque também envolve sua disponibilidade para pesquisas científicas e para educação ambiental. Caminhadas contemplativas e banhos de cachoeira atraem turistas de todas as partes, interessados em percorrer as antigas rotas usadas por garimpeiros, e em absorver a energia captada pelas rochas que compõem esse santuário natural.

Lençol Hidrotermal



O maior lençol hidrotermal do mundo está localizado na região da Serra de Caldas, onde foi edificado um complexo turístico formado por inúmeros clubes e parques aquáticos que povoam as cidades de Caldas Novas e Rio Quente. Reconhecido inicialmente pelo seu poder terapêutico, beneficiando questões como dores crônicas e reumatismos, o manancial de águas quentes do Estado de Goiás conquistou a atenção de empresários do entretenimento, que viram a oportunidade de explorar o potencial hidrotermal em verdadeiros oásis aquáticos.

Na região, está localizado o Parque Estadual da Serra de Caldas, criado em 1970 como forma de proteção do lençol termal. Com extensão de 123 quilômetros quadrados, sua paisagem é composta pelas belezas da flora e fauna do cerrado brasileiro. A reserva oferece duas trilhas – Cascatinha e Paredão, com níveis leves e intermediários de caminhada, que conduz a cachoeiras e mirantes que proporcionam apreciar a paisagem a mais de mil metros de altitude.

Serra dos Pirineus


Aos pés da Serra dos Pirineus encontra-se a cidade colonial de Pirenópolis, uma das principais cidades goianas na época áurea da mineração, e que foi tombada como Patrimônio Arquitetônico, Urbanístico, Paisagístico e Histórico pelo IPHAN. O Parque Estadual da Serra dos Pirineus reserva piscinas naturais, mirantes e trilhas que estimulam a prática de esportes radicais como a tirolesa e o rapel.

O centro histórico de Pirenópolis é reconhecido por apresentar estabelecimentos que enaltecem a gastronomia regional, o artesanato local e ícones de celebrações culturais seculares como as Cavalhadas, que integram o calendário cultural da cidade. A instalação do campus da UEG em Pirenópolis, com cursos que fomentam o potencial turístico da cidade, como Turismo e Gastronomia, têm permitido ampliar o oferecimento de mão de obra qualificada para o segmento na cidade.

Rio Araguaia



As belezas do Rio Araguaia, que corta o estado deixando um rastro de prosperidade e praias de água doce apreciadas pelos goianos e seus visitantes, também foram destaque na publicação. Aruanã e Luís Alves são apontados na matéria por serem adequados a banhos de rio e pescaria na temporada de meio de ano, quando se formam as praias, e os turistas montam acampamentos que se transformam em verdadeiras colônias de férias, com atividades como vôlei na areia e jet-ski.

Centros do poder

Goiânia é destaque pela gastronomia. O texto fala dos restaurantes que servem comida regional na capital, com os ingredientes do Cerrado que ajudam a compor a culinária goiana, com seus sabores e aromas: pequi, guariroba, pamonha e empadão, além do peixe na telha.

A antiga capital, Goiás, que também ostenta o título de Patrimônio Histórico e Cultural Mundial, tombado pela Unesco, também foi evidenciada. A cidade é mencionada no artigo pela poesia de Cora Coralina, pelos doces tradicionais, e, claro, pelo Centro Histórico, com seus museus, ruas de pedra, praças, o palácio que foi sede do governo do estado e o casario colonial. E citou ainda o Parque Estadual da Serra Dourada.

Capital da fé


Até mesmo o turismo religioso foi informado pela revista. O foco é sobre Trindade e Abadiânia. Em Trindade, mais de 2,7 milhões de católicos participam todo ano da Festa do Divino Pai Eterno. Os fiéis seguem a pé pela Rodovia dos Romeiros, para agradecer a graça recebida. E, em Abadiânia, o médium João de Deus costuma atrair mil pessoas – não somente espíritas – em cada dia de atendimento.

Grutas



O Parque Estadual de Terra Ronca é conhecido pelo patrimônio espeleológico mais expressivo da América Latina, com grutas e cavernas. Acredita-se, segundo o artigo, que exista um conjunto de cerca de 300 cavernas, sendo 17 abertas à visitação, com diversos graus de dificuldade para se chegar a elas.

Fonte: Goiás Agora