Presidente do Goiás explica novas cores do Serra Dourada e veto ao verde


Alguns torcedores não gostaram da nova pintura do Estádio Serra Dourada, nas cores azul piscina, azul escuro e laranja. Por ser o clube financiador da reforma, dirigentes do Goiás foram cobrados para que o estádio fosse pintado de verde. Porém, por uma determinação do governo do Estado de Goiás, o presidente Marcelo Almeida disse que o clube não poderia tomar tal atitude.

“Se eu fosse escolher a cor que eu gostaria, era a cor verde. Isso é óbvio. Eu pintaria o Serra Dourada todo de verde. Mas o Serra Dourada não é um patrimônio particular do Goiás. Aquilo que eu gostaria de fazer, eu não posso fazer. Existiu uma cobrança dos órgãos competentes para que as cores do Serra não envolvessem interesse próprio. Eu não posso pintar de verde porque seria do interesse do Goiás. Também não pode envolver cores dos adversários. E também para quem não tivesse cor de partido político. Não preciso dizer quais. Então foram vetadas cores de clubes e partidos. Sobraria só o branco e as cores que estão lá", disse Marcelo Almeida

Além da pintura das arquibancadas, o Goiás também bancou a reforma dos vestiários, iluminação e de melhorias nas tribunas de dirigentes. A estreia da equipe no Campeonato Brasileiro está marcada para o dia 1º de maio, contra o São Paulo. Será o segundo jogo da equipe na competição, que antes enfrenta o Fluminense, no Rio, no Maracanã.


Tachões derrubam pelo menos 12 motociclistas em ciclofaixa de Aparecida de Goiânia


Estrutura instalada para separar trânsito e resguardar ciclistas provocou acidentes em avenida Pelo menos 12 motociclistas se acidentaram na Avenida Benedito Silvestre de Toledo, no Jardim Riviera, em Aparecida de Goiânia, nesta terça-feira (16). O motivo das quedas foi a instalação de tachões (tecnicamente conhecidos como prismas catadiópicos) na ciclovia que está em fase de implantação na região. As estruturas foram fixadas na madrugada desta terça-feira (16) e pegaram de surpresa os condutores que trafegavam pela via.

A Superintendência Executiva de Mobilidade de Aparecida de Goiânia, que executa o programa Mobilidade Urbana, responsável pelas vias cicláveis, afirmou que a avenida conta com toda a sinalização vertical e horizontal necessária.

Por volta das 17 horas, o POPULAR flagrou o que os moradores do local afirmaram que seria o 12º acidente do dia. O auxiliar de produção Everton das Neves Souza, de 25 anos, tinha acabado de cair de sua motocicleta e aguardava a chegada do Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (Samu). Everton, que mora no Jardim Alto Paraíso, passa pela via todos os dias para ir para a casa da namorada, que reside na região. Ele não viu os tachões e acabou caindo quando a roda dianteira do veículo passou em um deles. “Não tem nada (avisando). Tinha de ter alguma coisa para o motorista saber dos tachões, porque eu não vi”, disse.

Toda a extensão da avenida já conta com a pintura das ciclofaixas e placas de sinalização. O trabalho vem sendo desempenhado, segundo a Superintendência de Mobilidade, há 15 dias. Contudo, a reclamação dos moradores é sobre os tachões que, até a última segunda-feira, não estavam na via. Os objetos não foram sinalizados e não contam com faixas reflexivas. Além disso, outro agravante é que as estruturas foram fixadas em apenas uma parte da rodovia. Segundo Everton, foi isso que ocasionou a sua queda. “Toda a pista está pintada, mas tem só a faixa branca, eu só vi que tinha tachões nesta parte quando eu encostei a roda em um deles. Aí o guidom já começou a tremer e eu bati em outro. Foi a hora que eu caí”, contou.

O engenheiro de trânsito e professor do Instituto Federal de Goiás (IFG), Marcos Rothen, declara que a ação foi um equívoco. “Aquilo é uma pegadinha. Se você muda a condição de uma via de repente, você tem de avisar para o motorista”, diz. “A prefeitura tinha de colocar placas avisando para o motorista, ainda mais porque é só em um pequeno trecho, que daqui a tantos metros a ciclofaixa vai virar ciclovia”, disse. Ademais, segundo ele, os tachões precisam de faixas reflexivas, já que eles são chanfrados. “Não tem problema colocar, mas precisa de sinalização e da faixa reflexiva, se não é irregular”.

Sobre a sinalização, a prefeitura afirmou que os prismas têm o chamado “olho de gato” e uma pintura especial que reflete a luz. Contudo, no local visitado pela reportagem, os tachões não contavam com o dispositivo refletor. Ainda segundo a prefeitura, a ciclovia ainda não está pronta e, dentro dos próximos dias, toda a extensão sinalizada como ciclofaixa receberá a fixação das estruturas. O projeto para implantação da via para ciclistas conta com 17 km de extensão, percorrendo diversos bairros de Aparecida, com destino final no Setor Garavelo. A Superintendência de Mobilidade também afirma que realiza estudos para apurar os acidentes.


Nova empresa de compartilhamento de patinetes elétricos chega a Goiânia


A novidade, dessa vez, é poder realizar o pagamento em dinheiro

Desde a última terça-feira (16) a empresa de soluções de mobilidade urbana individual, Yellow vem oferecendo a opção de compartilhamentos de patinetes elétricos em Goiânia. Essa já é uma realidade que os goianienses conhecem, já que desde março passado a empresa Grin inaugurou este tipo de segmento na capital. 

A Yellow irá atender aos mesmos bairros que a Grin já disponibiliza seus veículos, região entre os bairros Setor Bueno, Setor Marista, Setor Bela Vista, Setor Nova Suiça e Setor Oeste. O valor também é o mesmo: R$ 3 o desbloqueio + R$ 0,50 a cada minuto de uso. “Nossa atuação em Goiânia começa com uma área total de 7,8 quilômetros quadrados. A intenção é ir crescendo aos poucos”, explica Marcel Bely, gerente de Relações Públicas da Yellow.

A grande diferença da empresa são as formas de pagamento. Enquanto a Grin disponibiliza apenas a opção do cartão de crédito cadastrado no app para quitar o valor, a Yellow oferece a possibilidade do pagamento em dinheiro. Para isso o usuário tem de comprar créditos em bancas de jornal e lojas espalhadas pela cidade, que vão receber o valor em espécie e transferir, na hora, o montante para o app do usuário, como já acontece com as recargas de celular.

Os patinetes estarão disponíveis todos os dias da semana das 6 às 22 horas em um dos pontos privados parceiros. São disponibilizados todas as manhãs os veículos nesses locais; já o usuário pode encerrar a corrida em um desses pontos ou em qualquer local da área de atendimento, contanto que tome cuidado para não atrapalhar o fluxo de pedestres. Os patinetes podem ser estacionados em vagas públicas e gratuitas, também utilizada por automóveis. Neste caso o patinete deve ser estacionado na perpendicular, da mesma forma que ocorre com as motocicletas. No final do dia a empresa recolhe os patinetes para recarga, manutenção e limpeza. E na manhã seguinte, os disponibiliza novamente para uso nos pontos privados.

Segurança

Os patinetes possuem buzina, farol noturno, luz indicadora de freio, indicador de velocidade e bateria, freio motor e mecânico, todos os requisitos previstor por lei. Eles podem circular nas calçadas com até 6km/h ou nas ciclovias e ciclofaixas com velocidade máxima de 20km/h.

As dicas para usar o meio de transporte de forma correta são: 

- Antes de sair, planeje o caminho.

- Use sempre o capacete bem preso à cabeça e ajustado adequadamente.

- Não trafegar com mais de 1 pessoa;

- Idade mínima de 18 anos para locação de equipamentos;

- Dê sempre preferência ao pedestre. Lembre-se: o pedestre é o mais vulnerável. É obrigação de todos cuidar da sua segurança.

- Não use celular nem fone de ouvido enquanto conduz o patinete. Esteja atento a sua condução.

- Respeite sempre os semáforos e as sinalizações de trânsito.

- Jamais conduza o patinete se houver ingerido álcool.

- Segure sempre o guidão com as duas mãos.

- Esteja atento a irregularidades nas vias, como buracos, bem como galhos e árvores que possam oferecer riscos no seu trajeto.

Outro ponto para garantir a segurança dos consumidores são os ‘Guardiões Yellow’ que circulam todos os dias da semana para mapear os patinetes, organizá-los, redistribuí-los estrategicamente e retirá-los para manutenção quando necessário, contribuindo, assim, para a melhor distribuição e posicionamento dos equipamentos pela cidade, além de apoiar os usuários e garantir as boas práticas.


Prefeitura de Goiânia abre licitação para dois viadutos e ponte



Intenção administração municipal é iniciar obras ainda neste ano, todas sob a justificativa de aliviar o tráfego de veículos em razão do adensamento urbano, ao custo de R$ 46,8 milhões A solução para desafogar o tráfego de veículos do trânsito em três pontos que são gargalos em Goiânia vai ser proposta pela Prefeitura com a construção de viadutos e ponte. Já estão lançados três editais de licitação para a execução das obras viárias. A abertura dos envelopes está prevista para maio em todos os casos e se referem à construção de um viaduto sobre a BR-153, do Setor Leste Universitário ao Jardim Novo Mundo, o viaduto da Avenida Jamel Cecílio com a Marginal Botafogo e o prolongamento da Avenida dos Alpes com ponte sobre o Córrego Cascavel, na Região Sudoeste.

Ao todo, a previsão é que a Prefeitura gaste cerca de R$ 46,8 milhões para a realização das obras que constam na relação estimada em R$ 1 bilhão para novas construções na capital até o final do mandato de Iris Rezende (MDB). O viaduto sobre a BR-153 sairá da Rua 117, cujo trecho final existente hoje é utilizado como estacionamento público, tendo até mesmo pinturas que delimitam os espaços dos carros e também “vagas” para idosos e motoristas com deficiência, além de ter piso com pedras hexagonais e não com o asfaltamento padrão.

A obra será responsabilidade da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Seinfra), apesar de entrar no domínio da União, já que a BR-153 é federal. O secretário da Seinfra, Dolzonan da Cunha Mattos, explica que o projeto do viaduto foi feito em parceria com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e, além disso, deve ser submetido à apreciação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e da Triunfo Concebra, concessionária responsável pela BR-153. A obra na Rua 117 não consta dentre as ordenadas pela ANTT para a empresa durante o processo de concessão.

No caso, a Triunfo deveria realizar dois viadutos em Aparecida de Goiânia e outro em Goiânia, na região do Aeroporto Santa Genoveva. Em relação à obra no Setor Leste Universitário, Mattos reitera que o local é de atribuição municipal e um antigo desejo, desde administrações anteriores, pela realização do chamado “viaduto da Celg”. O nome se dá porque a via passa ao lado da sede da, agora, Enel Goiás, que adquiriu a Celg em fevereiro de 2017. A Enel, no entanto, confirma que a área do viaduto é de domínio público, não sendo proprietária do espaço. Além disso, a Rua 117 hoje se encerra em um muro que fecha uma área da Saneago, localizada às margens da BR-153.

De acordo com a Saneago, a empresa informa que “não foi notificada da intenção da construção da obra do viaduto”. Considera ainda que “a área onde está localizado o Centro de Reservação Celg é da Saneago”. No entanto, o projeto que consta no processo de licitação não considera qualquer área para desapropriação. Mattos diz que a proposta é que a via seja construída fora da área de domínio tanto da Saneago quanto da Enel. Mas não haveria espaço para a passagem de duas vias entre os lotes sem a derrubada do muro.

O secretário afirma que já entrou em contato com a presidência da Triunfo Concebra para que a mesma receba o projeto e possa deliberar para que o mesmo seja realizado. “A nossa ideia é que todas as três licitações estejam prontas até o mês que vem e que possa ser aproveitado esse período de estiagem de agora para iniciar e finalizar”, conta Mattos. O projeto prevê que não será necessária a interrupção no tráfego da rodovia durante a realização da obra, que tem previsão de conclusão em 180 dias.

“Pode ser que, para montar a estrutura metálica, fique em meia pista, mas será rápido”, assegura. A obra vai permitir levar veículos entre os setores Leste Universitário e o Jardim Novo Mundo e a expectativa é que se diminua o congestionamento causado na rodovia com a Avenida Anhanguera.

Obra de 450 dias

Entre as três obras previstas para Goiânia, a mais demorada deve ser o viaduto da Avenida Jamel Cecílio com a Marginal Botafogo, com a previsão de duração em 450 dias, enquanto o viaduto da BR-153 e o prolongamento da Avenida dos Alpes estão previstos para serem finalizados em 180 dias.

Assim mesmo, o secretário da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Seinfra), Dolzonan da Cunha Mattos, afirma que a obra deve ser iniciada mesmo sem o término da trincheira que está sendo construída na Avenida 136 com a Rua 90. Isso porque a 136 é a continuação da Jamel Cecílio e há bloqueio de tráfego na Rua 90 atualmente.

“Vamos aproveitar lá, não posso deixar terminar a trincheira para só depois começar o viaduto. Tem que fazer junto”, diz. A previsão é que a trincheira seja finalizada em novembro deste ano, enquanto que o viaduto só vai ficar pronto no segundo semestre de 2020. A construção prevê três níveis para o tráfego, com o elevado na Jamel Cecílio e o tráfego da Marginal passando por baixo.


Sem Melhorias: Passagem de ônibus de é reajustada para R$ 4,30


A Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo da Região Metropolitana de Goiânia (CDTC) aprovou na manhã desta quarta-feira (17), o aumento da tarifa para R$ 4,30. A reunião foi, a portas fechadas, realizada no salão nobre do Paço Municipal. A imprensa não teve acesso. A decisão do aumento de passagem foi aprovada por 7 a 2 e já passa a valer a partir da próxima sexta-feira (19), a partir das 5h.

A Câmara é composta por 11 membros, destes apenas Euripedes Barsanulfo (Agência Goiana de Regulação-AGR) e o prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha, não compareceram a decisão.Entre os presentes, o deputado estadual Alysson Lima e o vereador Lucas Kitão foram os únicos contrários ao aumento das passagens.

O presidente da CDTC e prefeito de Trindade, Jânio Darrot, explicou que o aumento foi aprovado pelos órgãos de fiscalização e é um ato automático previsto em contrato.

“Em dezembro foi solicitado um aumento por parte das empresas a CMTC que fez os estudos técnicos e passou para a análise da AGR. A Agência de Goiana de Regulação do Governo de Goiás fez também os seus estudos e aprovou o aumento. A CMTC acaminhou o parecer para a CDC para que fosse então deliberado sobre o aumento que já deveria ter sido implantado no mês de dezembro, mas nós estamos discutindo uma série de melhorias no transporte como melhoria dos ônibus e no conforto dos passageiros durante os meses de janeiro fevereiro março e agora nesse mês de abril”, explicou Darrot.

Em 28 de fevereiro, o presidente da CDTC, disse à Sagres que o aumento de tarifa só seria aprovado depois da reestruturação do transporte. Hoje, depois da aprovação do reajuste, ele disse que "reunirá nos próximos dias “para deliberar sobre melhorias, condições e metas para que as empresas cumpram”, sem detalhar como isso será feito.

O presidente da Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC), Benjamim Kennedy, em entrevista coletiva, explicou que um dos problemas é que a passagem é a fonte de recursos para o transporte público e a solução para melhores tarifas seria a desoneração do sistema

“Com a desoneração da tarifa nós teremos o custeio dos terminais que passaram para o poder público, o custeio do órgão gestor que passaria para o poder público e também da gratuidade que representa praticamente 23% do sistema. Idoso, portador de deficiência e demais pessoas que não pagam a tarifa do transporte coletivo são esses valores eles são todos sustentados pela tarifa atual”, explicou Kennedy.

Benjamim Kennedy sugere que além da passagem, outras fontes sejam implementadas dentro do sistema que poderiam vir do uso de veículo individual ou de estacionamentos.

Histórico dos valores das passagens de ônibus na Região Metropolitana de Goiânia

-2008 Passagem custava R$ 2,00

-2009 Passagem subiu de R$ 2,00 para R$ 2,25

-2010 Passagem ficou mantida em R$ 2,25

-2011 Aumento de R$ 2,25 para R$ 2,50

-2012 (Aumento de R$ 2,50 para R$ 2,70- valor começou a ser aplicado em 20 de maio)

-2013 (Congelamento do valor da passagem em R$ 2,70, oficializado em 19 de junho)

-2014 (Aumento de R$ 2,70 para 2,80- valor começou a ser aplicado em 3 de maio)

-2015 (Aumento de R$ 2,80 para R$ 3,30- valor começou a ser aplicado em 16 de fevereiro)

-2016 (Aumento de R$ 3,30 para R$ 3,70- valor começou a ser aplicado em 6 de fevereiro)

-2017 (Congelamento do valor da passagem em R$ 3,70, oficializado em 18 de maio e confirmado em 12 de junho)

-2018- (Aumento de R$ 3,70 para R$ 4,00- valor começou a ser aplicado em 24 de janeiro)

-2019 (Aumento de R$ 4,00 para R$ 4,30- valor começará a ser aplicado em 19 de abril)

Eixo Anhanguera

O prefeito de Goiânia entregou aos integrantes da CDTC uma carta de intenções assinada por ele e pelo governador Ronaldo Caiado (DEM)O prefeito de Goiânia entregou aos integrantes da CDTC uma carta de intenções assinada por ele e pelo governador Ronaldo Caiado (DEM) que expressa a intenção de efetivar estudos para avaliar a viabilidade jurídica e econômica da rescisão amigável da concessão do Eixo e a necessidade de uma licitação para selecionar empresa que cará a frente do serviço. Na fundamentação da carta, é exposta a situação financeira da Metrobus, cuja crise estaria prejudicando a qualidade do transporte no Eixo Anhanguera.

Integrantes da Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo:

-- Prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha

-- Prefeito de Goiânia, Iris Rezende

-- Prefeito de Trindade, Jânio Darrot representante dos demais prefeitos da Região Metropolitana (Presidente da CDTC)

-- Secretária de Estado de Meio Ambiente (que responde pela região metropolitana de Goiânia), Andreia Vulcanis

-- Secretário municipal de Planejamento e Habitação, Henrique Alves

-- Secretário municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade de Goiânia, Fernando Santana

-- Presidente da CMTC, Benjamin Kennedy

-- Presidente da Agência Goiana de Regulação, Eurípedes Barsanulfo

-- Deputado estadual Allysson Lima, representante da Assembleia Legislativa

-- Vereador Lucas Kitão, representante da Câmara de Goiânia

-- Vereador de Trindade representando as demais cidades

Fonte: Sagres 

Secretário anuncia construção de novo hospital para desafogar Materno Infantil



O secretário estadual de Saúde, Ismael Alexandrino Júnior, disse em entrevista coletiva realizada na manhã desta sexta-feira, 12, no Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), que a nova gestão irá trabalhar na construção de um novo hospital, no intuito de desafogar a demanda do Materno infantil. Além disso, anunciou a ampliação da oferta de leitos pediátricos na unidade de emergência.

“Temos pautado nossa gestão sem perder o foco do usuário. No primeiro dia de governo, eu, o governador Ronaldo Caiado e o deputado Zacharias Calil (DEM) estivemos no Materno Infantil, às 11h da noite, e as condições que encontramos eram condições jamais imaginadas dentro de um hospital que é referencia em saúde infantil do Estado. Aquilo nos incomodou profundamente, e desde então, com o apoio do governador, do ministro, deputados estaduais e federais, temos trabalhado diuturnamente para mudar a realidade da pediatria no Estado”, declarou o secretário.

Na ocasião, esteve presente, também, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que anunciou a liberação de R$ 14,7 milhões de recursos federais para ampliar e qualificar a assistência em saúde no estado de Goiás.  A capital, por sua vez, vai receber R$ 1,5 milhão para reforçar a atenção à saúde da gestante, do bebê, e das pessoas com deficiência.

O secretário disse ainda, que viram no Materno Infantil a oportunidade de dar uma resposta rápida antes de construírem uma resposta definitiva, referindo-se ao novo hospital que está previsto para ser entregue nesta gestão.

“Há mais ou menos duas ou três semanas, foi noticiada uma fatalidade no HMI, as crianças estavam sendo atendidas no corredor por excesso de contingente de pacientes, agora, essas crianças passarão a ter dignidade no atendimento com essa ampliação de 55 leitos de pediatria, 45 de enfermaria e 10 de unidade de terapia intensiva”, pontuou Ismael.

O deputado Zacharias Calil usou a palavra para falar de sua luta na questão da pediatria no estado. “Entrei no serviço público em 1986, sempre estive no Materno Infantil e sempre falei para os nossos governadores que a pediatria encontrava-se esquecida, por isso chegamos aonde chegamos, em um ponto crítico”. O deputado afirmou, ainda, que o hospital está sem condições de atendimento, e reiterou o apoio da bancada federal nesta questão.

As medidas emergenciais para dar suporte ao HMI anunciadas, hoje, no Hugol entram em vigor imediatamente, e segundo o Diretor Geral da unidade, Hélio Ponciano Trevenzol, esses leitos irão melhorar a oferta de atendimento pediátrico humanizado para os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), em Goiânia.


Pintura da arquibancada começa a dar cara nova ao Estadio Serra Dourada


Estádio começa a ganhar cores mais fortes. Reforma é tocada pelo Goiás, por meio de acordo de cooperação, em várias frentes.

O Estádio Serra Dourada começa a mostrar sua nova cara para o torcedor goiano. Passando por reformas desde o final de março, a principal praça esportiva do Estado passa por modificações para receber jogos da Série A do Campeonato Brasileiro.

Com a competição batendo à porta (tem início daqui a 12 dias), as obras seguem a todo vapor para que tudo fique pronto para a estreia do Goiás em casa, diante do São Paulo, no dia 1º de maio, uma quarta-feira.

Até o momento, as arquibancadas já começaram a ser pintadas (nas tonalidades laranja e azul), a sala do VAR (árbitro de vídeo), que será obrigatório na competição deste ano, já está sendo construída, os vestiários estão sendo pintados e recebem melhorias (como iluminação e parte elétrica).

Além disso, os bancos de reserva estão sendo trocados, além da iluminação geral do estádio, que tem sido melhorada e testada - o índice de luminosidade precisa ser dobrado em relação ao que vinha apresentando. Segundo o presidente esmeraldino Marcelo Almeida, diferentes equipes estão trabalhando simultaneamente para que tudo fique pronto.

A reforma é bancada pelo Goiás, que estimou, antes do início da reforma, gastar R$ 600 mil nos reparos. O clube tocará a reforma por meio de acordo de cooperação, firmado entre o alviverde, a Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) e a Procuradoria-Geral do Estado. O acordo foi publicado no Diário Oficial no dia 26 de março.

A estreia do Goiás no Brasileiro será no dia 28 de abril, mas fora de casa, contra o Fluminense.

Fonte: Jornal O Popular

Bar em formato de navio é inaugurado em Goiânia


A proposta é para que o público se sinta dentro de um navio, fazendo uma viagem especial de cruzeiro

Decorado com a temática de navio e viagens de cruzeiros, o espaço chamado ‘Atlantic's Bar’ tem 480 metros quadrados de lounge com camarotes em formato de cabines e dois com ofurôs (que podem ser utilizados com agendamento do cliente). Localizado na avenida T-2, no setor Sol Nascente, o novo bar tem ainda espaço de hookah e oferece ao público diversão interativa e sensorial.

O objetivo da casa é oferecer uma experiência inédita. A proposta é para que o público se sinta dentro de um navio, fazendo uma viagem especial de cruzeiro. Para isso, o local oferece o coach beer, garçons com treinamento especial para indicar aos clientes as melhores opções em drinks e animadores para divertir a galera na pista de dança.

O menu de bebidas tem 12 drinques autorais, com nomes de mares e cidades paradisíacas. Durante a semana, sempre há apresentações de DJs, cantores e duplas. No espaço também são promovidos sunsets aos domingos iniciando às 18h.


Anápolis: Prefeitura terá aplicativo para resolver problemas em 24 horas


Tapar buracos, reabastecer a farmácia municipal, fazer roçagem, eliminar focos do mosquito da Dengue, religar sinaleiros e trocar lâmpadas estão entre os serviços que a prefeitura de Anápolis pretende resolver em 24 horas. Em entrevista exclusiva ao Jornal A Redação, o prefeito da cidade, Roberto Naves, informou em primeira mão que lançará em maio um aplicativo que permitirá a população relatar problemas diretamente ao profissional responsável.

A ferramenta teve custo zero, já que foi desenvolvida pelos próprios funcionários do Programa Inovação da prefeitura. Chamado de ‘+Anápolis’, o app vai encurtar o caminho que uma demanda da população percorre até chegar ao órgão responsável. “O cidadão que passar por um buraco, por exemplo, pode fazer uma foto e enviar junto com a localização para o responsável já cadastrado no aplicativo. Aquela demanda vira uma ordem de serviço no tablet do motorista do caminhão que está fazendo o recapeamento. Nós tiramos do caminho dessa solicitação o prefeito, o secretário e o gerente”, explica Roberto Naves.

A ferramenta permitirá o acompanhamento da resolução do problema por meio de “balões coloridos” e em tempo real. “Se o buraco foi tapado em 24 horas, o balão fica azul e depois some. Se a demanda não for cumprida em 24 horas, o balão fica amarelo. Se em 48 horas o problema não for resolvido, o balão fica vermelho, o gestor da área recebe uma notificação e imediatamente entra em contato com o responsável da área”, detalha. 

Assim que o problema for resolvido, segundo o prefeito, o encarregado do serviço faz uma foto do trabalho e encaminha diretamente para o solicitante.

O app já está funcionando em fase de teste em 70 aparelhos. Ainda neste mês, a prefeitura pretende instalar o ‘+Anápolis’ em mil celulares. A ferramenta será colocada à disposição em sistemas operacionais IOS e Android a partir de maio. “A gente espera resolver os problemas da cidade de forma mais rápida e eficiente, dando o retorno necessário para a população”, finaliza Naves.


69 árvores de replantio na Avenida Goiás Norte estão com problemas



Parte de mudas da compensação ambiental pela retirada de espécimes na passagem do corredor, entre a Perimetral Norte e a Avenida Eurico Viana, já morreu.

As obras do Bus Rapid Transit (BRT) Norte-Sul já foram responsáveis pela derrubada de 1.141 árvores ao longo do trecho de 22 quilômetros do corredor exclusivo do transporte coletivo e outras 1.306 foram plantadas no local e mais cerca de 5 mil em outros locais da cidade. No entanto, pelo menos 69 destas novas árvores já apresentam problemas, muitas já foram retiradas do plantio e outras estão com apenas um galho completamente seco, apresentando que estejam já mortas. Elas estão na Avenida Goiás Norte entre os cruzamentos com a Avenida Perimetral Norte e a Avenida Eurico Viana.

Neste mesmo espaço, a estimativa era de que 576 árvores tivessem sido plantadas, somando os dois sentidos da via. Ou seja, 12% delas já estão com problemas. Também neste trecho, os espécimes começaram a ser plantados entre 2016 e 2017 e a maior parte já possui entre 1,5 metro e 2 metros de altura. Embora não seja possível confirmar se todas as árvores que aparentam problemas estejam de fato mortas sem um laudo técnico, os aspectos de um único galho seco e sem qualquer broto, enquanto as demais estão com folhas bem verdes, demonstram que não estejam totalmente saudáveis, mesmo neste período chuvoso.

Em alguns dos casos, no entanto, há apenas os buracos nos canteiros em que haveriam mudas e em outros os próprios galhos secos já estão derrubados. Há ainda situações em que foram colocadas ripas de madeira na tentativa de segurar a árvore em pé, sem sucesso. Neste mesmo trecho, há apenas uma árvore já adulta, mas é possível que ela já estivesse no local antes da obra, pois há marcação de contagem em seu caule principal, o que indica que ela fazia parte do levantamento dos espécimes que seriam derrubado.

No restante da via, entre a Perimetral Norte e a Praça do Trabalhador, as árvores plantadas já estão em tamanho adulto e inclusive floresceram no ano passado. Secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Dolzonan da Cunha Mattos, explica que todas as árvores que morreram serão substituídas. “Estamos atentos com essa situação. Na realidade, vamos plantar muito mais do que o previsto, estamos buscando parceria com a Amma (Agência Municipal de Meio Ambiente) para definir isso”, conta.

Diretor de Áreas Verdes e Unidades de Preservação e Conservação Ambiental da Amma, Ormando Pires, explica que o consórcio responsável pela execução do BRT já foi notificado com relação às árvores mortas na Avenida Goiás Norte e os técnicos da Prefeitura, de acordo com a espécie plantada, dá um prazo e define qual será a nova muda colocada no lugar. A reportagem apurou que as árvores mortas foram plantadas logo antes da paralisação das obras, em julho de 2017, e que, por isso, não tinha quem fizesse o cuidado e a manutenção das mudas, já que os funcionários do consórcio foram demitidos em razão da falta de recursos.

Lojistas fazem ações para manter clientes
Os empresários da Rua 90, que está com o tráfego de veículos parcialmente bloqueado desde o início do mês em razão da construção de uma trincheira no cruzamento com a Avenida 136 (uma das frentes do BRT), estão se reunindo e formalizando ações conjuntas para indicar aos clientes que eles continuam abertos e com capacidade de atendimento aos clientes mesmo nestas condições. 

Na manhã de ontem, um grupo ligado ao setor moveleiro, que se concentra na via entre a Praça do Cruzeiro e a Avenida 136, se reuniu com o prefeito Iris Rezende (MDB) para pedir sua presença em um evento que deve ocorrer no começo de maio. A ideia é mostrar que existe apoio para a obra no local e que os clientes estão conseguindo chegar até suas lojas e até mesmo estacionando os seus carros nos espaços destinados pelos lojistas.

“É um grupo de empresários favoráveis à obra, mas que também está preocupado com o seu desenrolar. Estamos fazendo uma associação informal para mostrar aos clientes que continuamos funcionando normalmente”, diz o empresário Agenor Braga. Ele conta que foi formado o grupo 90 Design que já adquiriu bandeirolas para colocar na frente às lojas e está promovendo um evento para a região. “Há outros lojistas, de outros segmentos, também imbuídos em fazer ações para mostrar a força do comércio, mas este é específico sobre o setor de móveis, que é forte na região.”

Segundo Braga, com a fala do prefeito e o andamento da obra foi possível perceber que existe a vontade de finalizar a construção no tempo estimado e, por isso, não se colocam contra a realização. Na semana anterior ao início da nova frente de serviços do BRT, moradores e empresários se reuniram no Paço pedindo o adiamento dos trabalhos para que os mesmos pudessem se preparar e que fossem dadas garantias de que a obra não seria paralisada, como em outros anos.